Que ventania!

José Horta Manzano

Você sabia?

Nossa língua ‒ como as demais ‒ dispõe de uma coleção de termos para designar fenômenos atmosféricos. Só pra dar nome à água que cai do céu, temos: chuva, tempestade, temporal, aguaceiro, borrasca, pé d’água, pancada, tormenta, chuvisco, garoa, chuvarada, intempérie. Há ainda outros termos menos conhecidos.

Estes dias, duas violentas tempestades estão deixando extensas regiões do globo de cabelo em pé. Uma delas atingiu a costa leste dos EUA enquanto a outra castigou as Filipinas. Talvez o distinto leitor tenha reparado que, quando se refere ao fenômeno que varreu a Carolina do Norte, a imprensa usa a palavra furacão, ao passo que chama a tormenta das Filipinas de tufão. Por que essa diferença? Os dois são fenômenos de mesma natureza, o que muda é apenas o nome.

Para vendavais que atingem o Caribe e a costa atlântica da América do Norte, dizemos furacão, palavra que nos chegou do taíno, uma língua indígena das Antilhas, através do espanhol huracán.

Para vendavais que remoinham nas costas chinesas e nos arredores, dizemos tufão, termo de origem controversa. Alguns etimologistas atribuem ao árabe e outros a uma voz chinesa. Há ainda quem aposte numa origem grega.

Além de furacão e tufão, outra palavra indica o mesmo fenômeno. Trata-se de ciclone, termo usado para descrever furacões que nascem nas Antilhas, atravessam o Oceano Atlântico e vêm morrer, já quase sem força, nas costas europeias.

Fazendo justiça

Myrthes Suplicy Vieira (*)

A Eletropaulo, a empresa paulista de energia e luz, é uma das campeãs de reclamações junto ao Procon, o órgão de defesa dos direitos do consumidor. Considero esse fenômeno incompreensível, fruto quiçá do desconhecimento – para não dizer ignorância – de boa parte da população de São Paulo quanto aos imensos e complexos desafios que cercam a administração dessa grande empresa.

computador-18Lembro, por exemplo, que só muito recentemente veio à tona a discussão sobre a necessidade de aterramento da rede elétrica paulista para evitar os constantes problemas de queda de árvores causados pelas fortes chuvas que enfrentamos todos os anos na primavera e no verão. A Eletropaulo prontamente ofereceu sua contribuição para o aprofundamento do debate público. Emitiu um comunicado alertando para os altos custos que uma providência desse porte acarretaria, manifestando inclusive preocupação com o inevitável repasse para o preço da distribuição da

(Ops, desculpem, a luz acabou)

fiacao-1Retomando. Dizia eu que, em função da atual grave crise econômico-financeira que afeta nosso país, a Eletropaulo confessa estar de mãos e pés atados para fazer frente como deveria à crescente violência das forças naturais, consequência inevitável do aquecimento global. A empresa foi além: abriu seu coração para se posicionar ao lado do infeliz consumidor que já está às voltas com o aumento do desemprego e da inflação e não teria como pagar tarifas ainda mais altas. Lamenta as perdas praticamente diárias que seus usuários são forçados a enfrentar em sua residência e em seus negócios devido à frequente interrupção do fornecimento de energia elétrica e se prontifica a dar solução rápida a todos os reclamos. Promete envidar seus melhores esforços para encontrar um ponto de equilíbrio entre as necessidades da população e sua

(Perdão novamente. A energia foi interrompida mais uma vez. Pelo que a Eletropaulo informou, está sendo feita uma grande operação de manutenção na rede do bairro, uma vez que ele foi um dos maiores atingidos pelo temporal da última quinta-feira)

computador-16Voltando. Acredito que grande parte da elite paulistana não se dá conta da angústia que assoberba a diretoria da empresa quando ela se predispõe a implementar inovações necessárias para prestar serviços de qualidade na quarta maior cidade do mundo e não conta com os recursos adequados para fazê-lo. Só as almas mais afeitas ao entendimento da psicologia humana poderão compreender a dor avassaladora que isso representa

(Mais uma interrupção breve, queiram desculpar. Parece que os ventos hoje estão numa velocidade acima da esperada para esta época do ano. Os fios balançam e, já se viu, há um desligamento automático da rede)

fiacao-2O que poucos de nossos concidadãos percebem é que o Brasil é um país ainda em desenvolvimento e que o aprimoramento da infraestrutura do setor elétrico nacional foi descuidado pelo governo federal ao longo da última década. Se, ao menos,

(Desta vez a pausa forçada foi um pouco maior. Aparentemente, a tempestade que se avizinha está retardando a ação das equipes de reparo…. Meu computador também deu sinais de desgaste e está mais lento que de costume)

Em suma, o que precisa ficar claro é que vivemos em um país de dimensões continentais e a cidade de São Paulo isoladamente representa a demanda inteira de energia elétrica de vários países europeus e latino-americanos somados. Apesar de tantas dificuldades, o Brasil demonstrou ser capaz de desenvolver quadros profissionais do mais alto quilate no setor de geração de energia elétrica, formou técnicos experimentados nas lutas para fazer chegar à região amazônica os confortos do século 21 e capacitados para responder pela construção da maior hidroelétrica do mundo. A Eletropaulo é parte importante dessa história. Graças ao talento e denodo de suas equipes técnicas

computador-17(Desculpem. Agora foi o sol que voltou forte e tornou quase impossível manter as equipes da Eletropaulo nas ruas, sem hidratação adequada e com fome depois de tantas horas de trabalho hercúleo)

Um dos grandes méritos da Eletropaulo é, sem dúvida, ressaltar o valor da cultura para uma geração imbecilizada pelo uso sistemático da tecnologia. Todos sabem que nossos cérebros são literalmente sugados pelos computadores, celulares, tablets e quejandos. Graças aos encantos do mundo virtual, passamos a viver na periferia de nós mesmos, alienados de nossas necessidades fisiológicas, psíquicas e sociais. Quando falta luz, redescobrimos o prazer de ler um bom livro, entramos novamente em contato com a magia e o romantismo de um jantar à luz de velas, ficamos disponíveis para sentar e conversar com familiares e amigos, reencontramos a utilidade da introspecção e da meditação. Que outros estímulos externos teriam a mesma força para provocar essa revolução de costumes?

(Perdão, pela última vez. A força caiu novamente, a noite chegou e eu confesso ter perdido o fio do raciocínio. Volto ao tema amanhã, se não chover, não ventar e o calor não for tão abrasador)

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Raios que o partam

José Horta Manzano

Você sabia?

Os franceses costumam dizer que «on ne parle jamais des trains qui arrivent à l‘heure», ninguém fala dos trens que chegam no horário. É verdade. Os acontecimentos corriqueiros não costumam aparecer nas manchetes. Em compensação…

… em compensação, quando sobrevém uma desgraça ou uma catástrofe, a história muda de figura. Vai direto para a primeira página de todos os jornais. E também para a abertura de todos os informativos de rádio e tevê. Na falta de grandes desastres, qualquer fato fora do costumeiro também serve.

Faz uns dias, um raio acertou um dedo da estátua do Cristo Redentor, no alto do Corcovado. Estima-se que 32 milhões de raios atinjam o solo do planeta a cada ano. Isso dá quase 90 mil por dia. Assim mesmo, não é todos os dias que a natureza demonstra pontaria tão certeira. Bem na ponta do dedo!

Frequência de raios que atingem o solo (n° de ocorrências por km2 por dia) Crédito: Nasa.gov

Frequência de raios que atingem o solo (n° de ocorrências por km2 por dia)
Crédito: Nasa.gov    –    Clique no mapa para ampliar

Jornais online não deixaram de enriquecer sua galeria com fotos do raro acontecimento. Entre outras, aqui está a do Nouvel Observateur, de Paris. Com um certo humor, relatam que a gigantesca imagem acidentada teve de levar pontos de sutura.

É voz corrente que o Brasil é o país onde o maior número de raios atinge o solo. Deve ser verdade. Esse fenômeno elétrico é muito mais frequente em zonas equatoriais e tropicais do que no resto do globo. O Brasil está situado entre equador e trópico. Além disso, é dono de imenso território. Portanto, a afirmação faz sentido.

Judiciarização

José Horta Manzano

O jeitinho brasileiro, antes decantado em prosa e verso, era ostentado por nós todos como prova de tolerância. Com muito orgulho. Uma expressão concentrava o espírito de nosso povo. Dar um jeito, em sua acepção tradicional, significava chegar ao melhor resultado utilizando os recursos que tínhamos à mão.

Imaginem uma oficina mecânica, um automóvel enguiçado, o proprietário sem saber o que fazer, a peça sobressalente em falta, o mecânico coçando a cabeça. «Vamos dar um jeitinho», dizia o profissional. A expressão conjugava boa-vontade, esforço e astúcia. No dia seguinte, o dono podia vir buscar o carro.

Dava-se um jeito para superar situações difíceis, quando faltavam os recursos básicos. O brasileiro, assim como aceitava a substituição de uma peça faltante por outra qualquer, acolhia com filosofia os desconfortos e os incômodos que a vida lhe trazia a cada momento.

Hoje em dia, o termo jeitinho mudou de registro. Deixou de significar o fato de encontrar solução em momento adverso. Dar jeitinho, hoje, começa a fazer parte da lista de sinônimos de corrupção. A locução entrou para o campo semântico das expressões feias, politicamente incorretas, ainda que amplamente difundidas.

Jogo de cintura

Jogo de cintura

Parlamentares dão um jeito de contornar o regulamento da Casa para fazer passar projetos que vêm ao encontro de seus interesses. Dão também um jeito de barrar a votação daqueloutra lei que não lhes convém. Darão um jeito de encobrir malfeitos, encontrarão um jeitinho de proteger algum de seus pares que haja delinquido.

O velho jeitinho se desnaturou. A proverbial tolerância do brasileiro também está escorrendo pelo ralo. Se ontem entendíamos que certos acontecimentos eram obra do acaso, hoje tendemos a procurar um culpado para toda e qualquer ocorrência. Figurões tentam encobrir seus crimes atribuindo a culpa à mídia que haverá caricaturado os fatos. Se um raio incendeia um bosque, há que encontrar o culpado, aquele que deveria ter sustado as forças da natureza.

A desnaturação do jeitinho faz que o homem se sinta paralisado diante de situações um pouco mais complicadas que o habitual. Quando desaparece a capacidade de resolver problemas com os meios que se tem à disposição, resta a reclamação, a ira, a contestação e, em última instância, a judiciarização da sociedade. Incapazes de dar solução a problemas do dia a dia, os cidadão têm de apelar para a autoridade judicial para resolver os inevitáveis pequenos atritos cotidianos.

Faz uma semana, a cidade de São Paulo teve um dia de tempestade tropical, daquelas às quais os paulistas estão acostumados desde os tempos do Padre Anchieta, faz meio milênio. A chuva forte derrubou uma árvore, que acabou bloqueando a entrada de uma casa. Ninguém mais pôde entrar nem sair da residência. Os moradores tiveram de batalhar por doze horas até que a prefeitura enviasse um destacamento de profissionais para desobstruir o portão.

Em outros tempos, vizinhos e amigos teriam sido acionados para dar uma mão aos habitantes. Teriam dado um jeitinho. Infelizmente, hoje já não é assim. Nossa sociedade progrediu, a distribuição das tarefas está mais definida que 50 anos atrás. Isso é bom. O lado ruim da história é que o jeitinho amigo está-se perdendo. A noção de solidariedade entre membros de uma comunidade ― que, admitamos, nunca foi muito forte entre nós ― está-se esgarçando a olhos vistos. Em vez de tentar ajudar, hoje chamamos o resgate.

Folha de São Paulo, 21 nov° 2013

Folha de São Paulo, 21 nov° 2013

Mais sintomático ainda dos caminhos preocupantes escolhidos pela sociedade moderna são os comentários formulados pelos leitores da notícia. Um deles preconiza um pedido de ressarcimento por danos morais. Outro vai mais longe e aventa a hipótese de se qualificar o acontecido como cárcere privado ― com suas previsíveis consequências penais.

Temos aí um problemão. Carros continuarão a enguiçar, raios e árvores continuarão a cair. A judiciarização de acontecimentos corriqueiros vai tornar a vida dos brasileiros mais difícil do que já é. Um pouco de bom-senso não faria mal a ninguém.

Se já não chegou lá, a expressão «dar um jeitinho» está em via de se tornar palavrão. Por indecente ― ou por inútil ― periga vir a ser proscrita dos dicionários. Se Ary Barroso ainda vivo fosse, talvez hesitasse em cantar «meu Brasil brasileiro, meu mulato inzoneiro». Entre um Brasil a cada dia menos brasileiro e um afrodescendente de pele clara que não sabe mais dar jeitinho… a coisa vai mal.