Jeitinho venezuelano

José Horta Manzano

Os tempos estão duros pra ditadores e tiranetes à moda antiga. Os únicos que, bem ou mal, ainda conseguem se segurar são os que reinam sobre povo sem acesso à informação. É o caso, por exemplo, da Coreia do Norte, país trancado, onde ninguém tem celular, nem parabólica, nem internet livre. Ignorando o que se passa fora das fronteiras, os habitantes se alimentam de cobras e lagartos, convencidos de estar comendo caviar. Há ainda o caso de países muito atrasados, onde nem é necessário trancar o país, pois a própria ignorância serve de freio. É o que ocorre com diversos países africanos.

Como se deduz do parágrafo anterior, o xis da questão é o acesso à informação. Na medida que desconhece o que está ocorrendo em casa e no mundo, o povo fica mansinho. A partir do momento em que tem acesso a informações escabrosas, ninguém mais segura a massa enfurecida. Foi, por exemplo, o que aconteceu no Brasil com a ampla difusão dos ‘malfeitos’ da classe dirigente: uma ‘presidenta’ caiu, um ex-presidente está na cadeia e partidos outrora dominantes foram dizimados.

Na Venezuela, país de povo antenado, o braço de ferro continua entre o ditador Maduro e o desafiante Guaidó. A população, como se sabe, está em situação desesperada, sem comida, sem remédios, sem itens básicos para uma vida digna. Toneladas de alimentos e remédios oferecidos como ajuda humanitária estão atualmente estocados às portas do país. A cada dia, aumenta o volume de bens doados. Concentram-se em Cúcuta, cidade colombiana na fronteira com a Venezuela. Começam a surgir também no Estado de Roraima, junto à fronteira. Há ainda gêneros estocados em Curaçao, país insular situado a duas braçadas da costa venezuelana.

by Patrick Chappatte (1966-), desenhista suíço

Maduro mandou fechar as fronteiras e suspendeu o zarpamento em todos os portos do país. Ordenou ainda o bloqueio de voos privados e comerciais além da interrupção dos ferries que ligam o país às ilhas de Aruba, Bonaire e Curaçao.

Se deixar entrar essas toneladas de víveres, señor Maduro estará admitindo que uma crise humanitária está instalada no país ‒ fato que nenhum ditador quer reconhecer. Se não deixar entrar, ele mostrará ao mundo a face cruel e insensível do homem que prefere esfomear o povo a admitir que errou. Um dilema e tanto.

Saltando sobre a oportunidade, señor Guaidó ‒ o desafiante já reconhecido por 50 países como presidente legítimo ‒ está organizando marcha popular para ir apanhar os víveres do outro lado da fronteira. A caravana será animada com concertos ao ar livre. A estrutura do palco do show «Venezuela Aid Live» já está sendo montada ao lado da ponte internacional que liga o país à Colômbia. Artistas da Venezuela, da Colômbia, da Espanha, da República Dominicada e de Porto Rico participarão. Deve ter lugar no sábado.

Esta quinta-feira, señor Guaidó já está deixando Caracas em direção à fronteira colombiana. Viaja de automóvel, seguido pelos deputados da Assembleia Nacional, que vão de ônibus. Não se sabe ainda de que maneira a carga passará a fronteira. Mas esse é problema de menor importância. O povo há anos está habituado a dar jeitinho pra obter tudo aquilo de que precisa. Não será desta vez que vão fraquejar.

A orelha e a pulga

José Horta Manzano

Petroleo 1Muita gente é afiliada ao CTC – Clube dos Teóricos do Complô. São pessoas que enxergam intenções ocultas em tudo o que acontece. Têm certeza, por exemplo, de que o homem jamais pousou na Lua. As imagens que estamos cansados de ver não passariam de cenas filmadas em estúdio.

Muitos há que entreveem, nos ataques que derrubaram prédios em Nova York, o dedo de autoridades americanas. Estaria o governo daquele país fabricando pretexto para invadir o Iraque.

Há ainda os que juram que Getúlio, João Goulart, Castello Branco e Juscelino não morreram de morte morrida, mas de assassinato.

Embora acredite que a verdade integral sobre os fatos raramente seja divulgada, não faço parte dos adeptos sistemáticos da teórica do complô. Assim mesmo, vez por outra, aparece alguma notícia que nos põe, digamos assim, a pulga atrás da orelha.

La Paz, Bolívia

La Paz, Bolívia

Na edição do domingo 1° fev° 2015, o caderno de Economia do importante diário boliviano La Razón traz matéria sobre a Petrobrás. Nem de longe menciona o «chega pra lá» que o folclórico Lula, então presidente de nossa República, levou em 2006, quando seu colega Evo Morales decidiu encampar as instalações bolivianas de nossa petroleira.

Petrobras 3O artigo dá notícia de que, no ano de 2014, a Petrobrás investiu um milhão de dólares em projetos de desenvolvimento social dirigido a bolivianos desfavorecidos. (Só para constar, observe-se que a operação Lava a Jato foi deflagrada já em março 2014.)

Foram quinze os projetos desenvolvidos em solo boliviano pela petroleira brasileira no ano passado. Beneficiaram diretamente 2850 famílias, sem contar outras 7000 que recolheram proveito indireto.

Não tendo a ser nacionalista exacerbado, muito menos em matéria de esmola. A miséria é global. Nenhum necessitado é mais merecedor que outro – estão todos no mesmo barco.

Assim mesmo, convenhamos, algo está mal contado nessa história. O destino final dos bilhões surrupiados da Petrobrás ainda está por ser revelado, se é que o será um dia. Do desvio de dezenas de bilhões, aparecem três milhõezinhos aqui, mais dois ali… e o resto? Usado para financiar campanha? Quá! É o povo quem financia a propaganda eleitoral.

Bolivia 2Não resisto à tentação de revelar o que a pulga, atrás da minha orelha, está sussurrando. Ela me diz que esse mísero milhãozinho aplicado em caridade na Bolívia é a parte miudinha de um manancial muito mais extenso. Não é senão a pontinha do iceberg. O grosso da ajuda talvez jamais venha a ser revelado.

A pulguinha me diz que um naco do dinheiro surrupiado ao povo brasileiro pode ter ido financiar interesses eleitorais além-fronteira. Para corroborar essa ideia, tivemos recentemente a renovação do mandato do presidente do país vizinho, reeleito pela enésima vez.

Pulgas nem sempre têm razão, mas insistem em cochichar atrás da orelha.

Interligne 18cSe alguém quiser ler o artigo do jornal boliviano, clique aqui.