Autolouvação

José Horta Manzano

Muita gente acredita que certos lugares têm poderes mágicos. Há centenas de relatos de curas milagrosas na gruta de Lourdes. Nos anos 70, alguns visitaram Katmandu e lá encontraram a iluminação. No Brasil, temos pelo menos um desses sítios onde acontecimentos extraordinários têm lugar. Fica bem perto da cidade de São Paulo, exatamente no campus da Universidade Federal do ABC. Estes dias, de 15 a 18 de julho, está-se realizando lá um seminário sobre a política externa brasileira dos últimos 10 anos. Os palestrantes são todos gente fina: Celso Amorim, Antonio Patriota, o inefável Aurélio Garcia e ― last but not least ― o Lula, nosso messias em pessoa. Considerando os palestrantes, a reunião periga ser um mero aborrecido exercício de autolouvação.

A Folha de São Paulo já reportou o desempenho de Patriota, o atual ministro das Relações Exteriores e de Amorim, seu predecessor no cargo ― exatamente aquele que empurrou o ingênuo presidente de então nos braços de dirigentes estrangeiros de nebulosa reputação.

Patriota falou logo na noite de segunda-feira. Previsivelmente, cobriu de pétalas de rosas a política exterior de seu predecessor. Num contorcionismo verbal, disse acreditar que a aproximação do Brasil com países de duvidosa respeitabilidade foi um passo importante. Afinal, dez anos de esforço valeram a pena: o Planalto conseguiu fazer que um cidadão brasileiro fosse designado diretor da OMC ― Organização Mundial do Comércio! Tout ça pour ça?, diriam os franceses, todo esse esforço para um resultado tão magrinho?

O Ministério das Relações Exteriores tem por função precípua fazer política de Estado. Entre todos os ministérios, deveria ser o mais descolado do governo de turno, o menos vinculado a políticas públicas. Está lá, em princípio, para defender os interesses nacionais do Brasil, não as conveniências do inquilino que ocupa temporariamente o Palácio do Planalto.

Ao final do pronunciamento, jornalistas provocaram o senhor Patriota sobre esse tema. Ele saiu-se pela tangente, dizendo que estava ali representando o Estado brasileiro. Deu como prova o fato de «não ter mencionado em momento algum o nome de um partido político» . Só faltava.

O ministro deve ter voltado para casa com um gosto agridoce na boca.

Dilma Rousseff e Evo Morales

Dilma Rousseff e Evo Morales, by R. Stuckert F°

Na noite seguinte, foi a vez do senhor Amorim, fiel ministro de Relações Exteriores durante 8 anos, no tempo do Lula. Foi aí que a magia do lugar começou a agir. Num lampejo de inesperada sinceridade e de inconcebível candura, o ex-chanceler contou coisas do arco da velha, daquelas que a gente tem dificuldade em acreditar.

Contou que, dois anos atrás, visitou a Bolívia a bordo de um avião militar brasileiro. Surpreendentemente, revelou que o aparelho da FAB tinha sido vasculhado a mando das autoridades locais. Disse também que sua autorização não tinha sido solicitada. Disse ainda ― pasmem! ― que ninguém se preocupou em pô-lo a par do acontecido.

Em outros tempos, isso seria um casus belli. Uma afronta dessa magnitude à honra nacional não poderia ser lavada senão com uma declaração de guerra.

Hoje em dia, ironicamente o Brasil se junta ao coro dos hispano-americanos para protestar contra o desaforo que europeus fizeram à Bolívia ao revistarem o avião de Evo.

Ainda bem que o senhor Patriota garantiu que o Itamaraty não desviou de sua rota e continua fazendo política de Estado. Portanto, insinuar que temos engolido essas cobras e lagartos para alinhar a política externa do Brasil com a linha ideológica do partido de governo é ato de má-fé.

Seria petulante de minha parte pensar o contrário.

Obs:
Nova indiscrição nos revela que os aviões da FAB revistados pelos bolivianos foram três. Veja aqui.

O faroeste e o desleixo

José Horta Manzano

Todos soubemos do inacreditável acidente de tráfego ocorrido no Rio de Janeiro, faz alguns dias, quando um ônibus de transporte municipal caiu de um viaduto e estatelou-se na avenida, dez metros abaixo.

Num primeiro momento, imaginamos que tivesse havido falha mecânica no veículo ou, nunca se sabe, que o motorista se encontrasse sob efeito de alguma droga ― lícita ou não.

Não era nada disso. A assustadora ocorrência tinha sido consequência de uma disputa entre o condutor e um dos passageiros. A tapas, socos e pontapés, como manda o figurino atual. Matar ou morrer deixou de ser mote de filme de faroeste para compor a paisagem urbana corriqueira de nossas metrópoles.

Sete cidadãos inocentes morreram? E daí? Se em São Paulo um universitário pôde decepar o braço de um ciclista e atirá-lo a um riacho poluído, por que razão não poderia um outro estudante ― universitário! ― expor os ocupantes de um coletivo à morte?

Nesta quinta-feira saiu a notícia de que a empresa de transporte foi sancionada com multa pesada. Tarde demais. De qualquer maneira, o veículo precipitado no vazio já acumulava 47 multas nos últimos 5 anos. A reportagem não esclarece se as multas antigas haviam sido pagas. Talvez sim, talvez não. Cada um é livre de formar sua própria opinião.

Por detrás da barbaridade do acontecido, um fato me chama a atenção. Sabe-se agora que o veículo estava em falta com a vistoria anual obrigatória. Circulava, pois, em perfeita irregularidade havia, pelo menos, três meses. Talvez mais. E tudo bem. Poderia ter continuado assim por meses, anos, sabe-se lá.

Ônibus

Para que servem as autoridades de controle do tráfego? São como enfeites de árvore de Natal, que se mostram durante duas ou três semanas por ano, para em seguida cochilar numa caixa de papelão esquecida no porão?

A atual parafernália informática permite às autoridades acompanhar, dia a dia, a conformidade de todos os veículos sob sua jurisdição. Ao que tudo indica, não o fazem. Se não cumprem a obrigação maior, que é a de zelar pela segurança dos usuários dos meios de transporte, é sinal de que se tornaram inúteis. Para que servirão além de se terem tornado simples cabides de empregos?

Não se deve chutar cão morto nem atirar em cadáver. Mas fica a indignação. E a pergunta: quem merecia ser multado? A empresa de ônibus ou a administração que deveria cuidar do transporte coletivo na cidade?

Que se possa perder o rastro de um ou outro veículo particular, seja porque seu proprietário se mudou sem avisar ou por outro motivo qualquer, ainda dá, mal e mal, para explicar. Não elimina a responsabilidade da autoridade, mas suaviza sua culpa.

Que se negligencie a vistoria de ônibus utilizados diariamente por centenas de passageiros ― veículos estes que pertencem a empresas registradas, com endereço fixo e conhecido ― é inadmissível. Mormente num país que se orgulha de estar em via de «emergir».

Na Europa, as passagens de nível ― cruzamento de ferrovias com estradas ― costumam exibir um letreiro que diz «Cuidado! Um trem pode esconder um outro!». A tragédia do Rio de Janeiro responde à mesma lógica. Por detrás do faroeste urbano, patenteou-se o desleixo na verificação da boa manutenção dos veículos. Cuidado! Um acidente mortal pode esconder um desmazelo!

Concedo que o Departamento de Tráfego não foi concebido para aplacar a violência de cidadãos desequilibrados ― não é sua função. Com ou sem vistoria, o veículo se teria precipitado no vazio. Mas quantos veículos e quantas vidas terão ainda de ser sacrificadas até que as autoridades se deem conta de que estão lá justamente para fiscalizar e prevenir?