Tá no bolso!

José Horta Manzano

A carreira do meia francês Emmanuel Petit como jogador de futebol profissional se estende de 1989 a 2004. Foi uma das revelações da Copa do Mundo de 1998, a única que seu país venceu.

Emmanuel Petit (1970-), antigo meia francês

Quando da final daquela Copa, Petit marcou o terceiro gol da vitória da França sobre o Brasil por 3 a 0. Foi um gol simbólico: a estatística assinala que era o milésimo do país em partidas internacionais.

Hoje longe do gramado, Monsieur Petit reconverteu-se em consultor e comentarista esportivo para a tevê. Também publicou, em 2008, um livro de memórias intitulado À fleur de peau ‒ À flor da pele. No texto incisivo, o jogador acerta contas antigas.

Emmanuel Petit não se furtou a dar a público seus prognósticos para a Copa da Rússia. Na final, ele vê o Brasil enfrentar… a Bélgica! Surpreendente, não? Enfim, quem batalhou como profissional em campo foi ele, não nós.

clique para ampliar

Segundo as previsões, o Brasil bate o México nas oitavas para, em seguida, mandar a Inglaterra de volta pra casa nas quartas de final. Na semifinal, encontra Portugal e vence por 1 a 0. Na final, dá de cara com a Bélgica e, com vitória por 2 a 0, leva a taça.

São profecias de Monsieur Petit. O homem deve saber o que está dizendo.

Meta olímpica

José Horta Manzano

Tanto o Comitê Olímpico quanto o Paraolímpico esquivam a questão. Nenhum dos dois dá diretiva quanto à classificação dos países no quadro de medalhas. Como se deve determinar o ranking dos países? Na falta de orientação oficial, dois critérios coexistem.

O primeiro consiste em simplesmente adicionar as medalhas, dando peso igual a cada uma delas, quer sejam de ouro, prata ou bronze. É o mais simples, mas não o mais adotado.

by Felipe Parucci, desenhista catarinense

by Felipe Parucci, desenhista catarinense

O segundo método, mais sofisticado, atribui valor diferente a cada medalha, dependendo do metal que a compõe. A de ouro vale mais que a de prata, que vale mais que a de bronze. Portanto, um hipotético país que tivesse conquistado uma medalha de ouro, nenhuma de prata e nenhuma de bronze seria classificado à frente de um outro que tivesse conquistado várias dezenas de medalhas de prata e de bronze ‒ mas nenhuma de ouro. Embora não seja oficial, esse método sofisticado é reconhecido e bem aceito universalmente.

No Brasil, tende-se a dar preferência ao primeiro método, mais simples, adicionando as medalhas e atribuindo-lhes valor igual. Uma de ouro vale uma de prata, que vale uma de bronze. Prova disso é o Comitê Olímpico nacional dar a todo medalhista um prêmio em dinheiro de montante uniforme, pouco importando a cor do troféu.

by Guillermo Mordillo Menéndez (1932-), desenhista argentino

by Guillermo Mordillo Menéndez (1932-), desenhista argentino

No início dos JOs de atletas válidos, as autoridades olímpicas brasileiras apregoaram que nossa meta era terminar nos «top ten» ‒ entre os dez primeiros. Não deu. Pelo método de classificação mais aceito, o Brasil foi o 13°.

Antes mesmo de ser dada a largada para a Paraolimpíada, ficou combinado que a meta, mais ambiciosa ainda, era entrar nos «top five» ‒ terminar entre os cinco primeiros. De novo, não deu: o Brasil ficou em 8°.

Em ambos os casos, a meta não alcançada deixou gostinho amargo de derrota e de dever não cumprido. Embora a marca de 72 medalhas conquistadas na Paraolimpíada seja resultado excelente, o melhor que o Brasil já obteve, o desconforto permanece. Que fazer?

Prever que nosso país ocupará este ou aquele lugar no quadro final implica conhecer, de antemão, o resultado dos concorrentes. É prognóstico pra lá de arriscado. Da próxima vez, sugiro ao Comitê Olímpico abster-se de arriscar profetizar a classificação ‒ é temerário.

by Ronaldo Cunha Dias, desenhista gaúcho

by Ronaldo Cunha Dias, desenhista gaúcho

Melhor será fixar como meta o número de medalhas esperadas. Para chegar a essa conta, há que somar as modalidades em que temos boas razões de crer que conseguiremos subir ao pódio.

Já estou ouvindo sua contestação, distinto leitor: «Mas, dá no mesmo!» É verdade, aparentemente dá no mesmo. Mas o impacto psicológico é diferente.

Nos Paraolímpicos de Pequim 2012, o Brasil tinha trazido 43 medalhas para casa. Se a meta fixada para Rio 2016 tivesse sido, digamos, de 50 medalhas no mínimo, as 72 que conquistamos nos teriam deixado muito mais orgulhosos e sorridentes. Pouco importando o ranking.

Cada cabeça, uma sentença ― 2

José Horta Manzano

RP-Online (Alemanha)
«Cafu: “Wir glauben alle an ein Finale gegen Deutschland”»
«Cafu: “Acreditamos todos numa final Brasil x Alemanha”»

Interligne 18h

Estadão (Brasil)
«Pelé quer ‘revanche’ contra o Uruguai na Copa do Mundo»

Interligne 18hFotbollskanalen (Suécia)
«Tyskarna har landat: “Brasilien är favoriter”»
«Os alemães aterrissaram: “Brasil é o favorito”»

Recordar é viver ― 2

José Horta Manzano

O Lula na África ― jul° 2010

O Lula na África ― jul° 2010

No dia 9 julho 2010, o site especializado em esportes do portal Terra tascou uma inequívoca manchete direto de Johannesburgo. «Lula: se o Brasil não tiver (sic) pronto para a Copa, teria de voltar a nado da África.»

Em uma de suas incontáveis viagens internacionais, nosso messias havia elogiado a organização do campeonato mundial de futebol na República Sul-Africana e, aproveitando o embalo que a platéia lhe proporcionava, saiu-se com um punhado de suas costumeiras bravatas.

Surpreso, na certa, de constatar que havia aeroportos por lá e que o apartheid havia desaparecido, indignou-se de que a imprensa não conte essas maravilhas.

O Lula na África ― jul° 2010

O Lula na África ― jul° 2010

É compreensível e desculpável. Nosso líder já confessou, mais de uma vez, que não costuma ler jornais. Donde, sejam quais forem as informações publicadas, ele jamais tomará conhecimento.

Cá entre nós, nosso antigo presidente leva uma vida invejável. Dado que sua única fonte de informação parece ser o jornal televisivo, a vida deve reservar-lhe permanentes deslumbres, o que não deixa de ser extremamente positivo.

Voltando a Johannesburgo, vamos conferir a frase inteira proferida pelo então presidente do Brasil:

Interligne vertical 12«Agora, as dúvidas já começaram com o Brasil. Já começaram as perguntas hoje: será que os aeroportos vão estar prontos? Será que vão (sic) ter corredores de ônibus? Os estádios estarão prontos? Posso dizer que em 2014 se seguirmos assim teremos a quinta melhor economia do mundo… Se o Brasil não tiver condições [para receber a Copa], teria que ir embora a nado da África…»

Da Cidade do Cabo ao Rio de Janeiro, são 6 mil quilômetros. Falta escolher a cor da sunga.