Os bilhões de Dilma

Percival Puggina (*)

Se você reparar bem, a cada abalo que o governo da presidente Dilma registra em sua sacolejada escala Richter, segue-se algum plano mirabolante ou algum anúncio bilionário destinado a acalmar as ondas. Seja o abalo moral ou político, a reação oficial vem sempre de um ou de outro modo.

Ora o governo anuncia providências estruturais que não funcionam (como essa de intervir no futebol e estancar a evasão de atletas para o exterior), ora reúne o ministério, os governadores, a imprensa, o empresariado, os movimentos sociais e informa que está destinando bilhões de reais para isto ou para aquilo.

Arca 1Convenhamos, é um modo estranhíssimo de governar. É injustificável que, completados 93% de seu mandato e enquanto transcorre o 12º ano de gestão petista, o país ainda esteja sendo governado aos trambolhões, ao arbítrio do momento e seguindo o juízo das necessidades impostas pelas oscilações do Ibope.

De modo especial, tais improvisações parecem incompatíveis com o perfil segundo o qual a presidente foi repassada aos votantes no mercado eleitoral de 2010. São bilhões para cá e para lá, saídos do nada e conduzindo, na vida real, a coisa alguma. É o que se poderia chamar de capital volátil. Faz lembrar aquelas maletas pretas dos filmes de ação, que supostamente deveriam conter vultosas quantias, mas estão recheadas de jornais com notícias antigas.

De fato, são eventos que, a despeito da pompa e circunstância, logo se tornam coisas esquecidas, cuja função se exauriu no momento de cada anúncio. E de nada vale ficar cobrando serventia maior para algo concebido apenas para ser divulgado./p>

(*) Arquiteto, empresário e escritor.
O texto transcrito é excerto de artigo mais extenso. Quem quiser ler a versão integral pode clicar aqui.

Recordar é viver ― 2

José Horta Manzano

O Lula na África ― jul° 2010

O Lula na África ― jul° 2010

No dia 9 julho 2010, o site especializado em esportes do portal Terra tascou uma inequívoca manchete direto de Johannesburgo. «Lula: se o Brasil não tiver (sic) pronto para a Copa, teria de voltar a nado da África.»

Em uma de suas incontáveis viagens internacionais, nosso messias havia elogiado a organização do campeonato mundial de futebol na República Sul-Africana e, aproveitando o embalo que a platéia lhe proporcionava, saiu-se com um punhado de suas costumeiras bravatas.

Surpreso, na certa, de constatar que havia aeroportos por lá e que o apartheid havia desaparecido, indignou-se de que a imprensa não conte essas maravilhas.

O Lula na África ― jul° 2010

O Lula na África ― jul° 2010

É compreensível e desculpável. Nosso líder já confessou, mais de uma vez, que não costuma ler jornais. Donde, sejam quais forem as informações publicadas, ele jamais tomará conhecimento.

Cá entre nós, nosso antigo presidente leva uma vida invejável. Dado que sua única fonte de informação parece ser o jornal televisivo, a vida deve reservar-lhe permanentes deslumbres, o que não deixa de ser extremamente positivo.

Voltando a Johannesburgo, vamos conferir a frase inteira proferida pelo então presidente do Brasil:

Interligne vertical 12«Agora, as dúvidas já começaram com o Brasil. Já começaram as perguntas hoje: será que os aeroportos vão estar prontos? Será que vão (sic) ter corredores de ônibus? Os estádios estarão prontos? Posso dizer que em 2014 se seguirmos assim teremos a quinta melhor economia do mundo… Se o Brasil não tiver condições [para receber a Copa], teria que ir embora a nado da África…»

Da Cidade do Cabo ao Rio de Janeiro, são 6 mil quilômetros. Falta escolher a cor da sunga.

O relógio mais caro

José Horta Manzano

Para o mundo da relojoaria e da joalheria, a Feira de Basileia ― que ultimamente ostenta o nome de «Baselworld», mais adaptado a nossos tempos ― é a referência maior. Expositores e visitantes acorrem do mundo inteiro.

A edição 2014 abriu as portas neste 27 de março para uma semana de frenesi. Para lhes dar uma ideia da grandiosidade do show, aqui vão alguns números da safra 2013:

      • 1460 expositores provenientes de 40 países
      • 122 mil visitantes de 100 países
      • 25 mil funcionários a serviço dos visitantes
      • Extensão de todas as alas somadas: 30km
      • 3600 jornalistas de 70 países
      • 1300 estandes
      • Superfície do maior estande: 1625m2
      • 6 milhões de cartões de visita trocados

The Graff Hallucination

The Graff Hallucination

Este ano, a grande atração da Feira ficou por conta de um relógio pra lá de exclusivo. Peça única. Está sendo apresentado pela britânica maison Graff Diamonds ― referência no mundo dos diamantistas desde 1960.

O relógio, chamado Hallucination, é pequenino. O que chama a atenção é a pulseira que lhe está em roda. É um tapete de pequenos diamantes lapidados, de cores variadas.

Se é bonito? Há gosto pra tudo. Observe a foto e julgue você mesmo. Pode deixar, que qualquer hora vai aparecer alguém disposto a arrematá-lo. Seu valor? Uma bagatela: 55 milhões de dólares. Brincadeira! Coisa pra novo-rico.

A joia não é lá nenhuma Pasadena, mas seu valor daria pra enxugar uma parte do prejuízo causado pela trapalhada. Eu disse trapalhada? Será?

.

Fonte em inglês
Fonte em francês
A Feira de Basileia