Nobel de Literatura

José Horta Manzano

« (…) åt dem som under det förlupna året hafva gjort menskligheten den största nytta.»

No final do século XIX, o engenheiro, químico, inventor, negociante e filantropo sueco Alfred B. Nobel era um homem rico. Já idoso, decidiu legar boa parte de sua considerável fortuna a uma fundação que cuidasse de fazer frutificar o capital aplicado, com a intenção de utilizar os frutos para premiar «aqueles que, durante o ano anterior, tiverem fortemente contribuído para o bem da humanidade». Essa é a tradução do original sueco citado acima.

Como é compreensível, as últimas vontades do cientista não foram lá muito apreciadas pela família, privada de uma parte da fortuna. Depois de alguns anos de batalha judiciária, não houve jeito: o testamento era válido e teve de ser respeitado.

nobel-2Em 1901, cinco anos após o falecimento de Nobel, a fundação estava de pé e os primeiros laureados foram nomeados. De lá pra cá, centenas de cientistas, escritores e benfeitores da humanidade vêm sendo premiados a cada ano. Mais de um século se passou e a fundação tem tomado certas liberdades com relação ao que tinha sido determinado no início.

A escolha dos laureados não se tem restringido aos que se tiverem destacado no ano anterior. Prêmios têm sido atribuídos a personalidades cuja obra já é mais antiga. Até prêmios por antecipação já foram atribuídos, como aconteceu com Barack Obama, laureado em início de mandato, quando sequer havia mostrado a que vinha.

Este ano, o Nobel de Literatura causou surpresa ainda maior. Fugindo à tradição, não foi concedido a um romancista ou a um ensaista, mas a Bob Dylan, autor de «folk music» americana, versão americana de nossa música caipira ‒ ou ‘sertaneja’, como se costuma dizer agora.

A escolha deixou muita gente espantada. Uns aplaudiram, outros balançaram negativamente a cabeça. Pessoalmente, achei um desperdício. Acredito que outros autores tivessem mais méritos, mas… que fazer? Ao fim e ao cabo, o dinheiro é deles. Dão a quem melhor lhes parecer.

Medalha que acompanha o Prêmio Nobel

Medalha que acompanha o Prêmio Nobel

Assim mesmo, francamente, por mais que letra de «folk music» possa comover alguns, é surpreendente equiparar Bob Dylan a nomes como Alexander Soljenitsyn, Mario Vargas Llosa, Ernest Hemingway, Pablo Neruda, John Steinbeck, François Mauriac, William Faulkner, Rudyard Kipling, Anatole France e outras sumidades devidamente “nobelizadas”.

Mas o castigo vem a cavalo. Numa esnobada que há de ter causado desconforto à Fundação Nobel, o cantor/compositor deixou de comparecer à cerimônia de premiação, um desaforo. No entanto, como bobo não é, o moço mandou representante para ter certeza de não perder o prêmio. Afinal, o montante beira o milhão de dólares. E, de quebra, uma medalha de ouro 18 quilates. Dinheiro limpo e declarado, diga-se de passagem!

A Fundação Nobel bem faria se instituísse mais uma categoria: a de letrista de música popular. Se a instituírem e se concordarem em atribuir prêmio a título póstumo, sugiro Orestes Barbosa (1893-1966). De fato, não está à altura de qualquer um deitar no papel versos magistrais como:

   (…) e a lua, furando nosso zinco,
    salpicava de estrelas nosso chão.
    E tu pisavas nos astros distraída (…)

Um monumento.

Prêmio Nobel

José Horta Manzano

Hoje parece inacreditável, mas Lula da Silva já foi indicado para o Prêmio Nobel da Paz. No longínquo ano de 2003, o mundo tinha lançado olhar bondoso sobre o recém-eleito presidente do Brasil. Fora das fronteiras, muitos acreditaram na lisura e nas boas intenções dele e do bando que assumia as rédeas.

Medalha que acompanha o Prêmio Nobel

Medalha que acompanha o Prêmio Nobel

Indicações para o Prêmio Nobel costumam ser dadas por academias e por universidades do mundo todo. O instituto que cuida da escolha dos laureados está aberto a sugestões desde que venham de instituições de alto coturno.

Os nomes sugeridos não costumam ser divulgados. Assim mesmo, em 2003, a insistência de algum jornalista conseguiu arrancar do diretor do Instituto Nobel a informação de que havia 165 candidatos na categoria da Paz. Rumores insistentes davam a vitória de nosso guia como “muito provável”.

Lygia Fagundes Telles

Lygia Fagundes Telles

Passada esta dúzia de anos, os medalhões do respeitável instituto devem ajoelhar-se todos os dias, levantar as mãos pro céu e agradecer por terem escapado de saia pra lá de justa. Já imaginaram? Ver um nobelizado encontrar-se, doze anos mais tarde, na mira da Justiça por suspeita de crimes rasteiros ‒ cometidos justamente na época da outorga do prêmio? Ufa, de que sufoco se safaram!

A União Brasileira de Escritores acaba de sugerir oficialmente, para o Nobel de Literatura, o nome de Lygia Fagundes Telles, possivelmente a maior escritora brasileira viva. A veneranda senhora completará 93 anos em abril. A hora é agora.

Torço para que seja escolhida. Faço votos para que a quase catástrofe que teria sido a outorga do prêmio de 2003 ao demiurgo que nos governava não tenha deixado os dirigentes do Instituto Nobel ressabiados.

Marie Curie

Marie Curie

Lembro que cinco de nossos hermanos argentinos já foram agraciados, três dos quais em categoria científica. A pequena Irlanda já viu seis cidadãos subirem ao pódio. Treze cidadãos da diminuta Dinamarca já foram premiados. Índia, China, África do Sul e Rússia ‒ os outros integrantes do Brics ‒ já têm muitas dezenas de cidadãos no quadro de medalhas. O Brasil não tem unzinho.

Gostaria muito que Lygia recebesse a honraria. E sonho com o dia em que conterrâneos nossos começarão a ser brindados em categorias científicas. É capaz de demorar.

Interligne 18h

Para complementar
Marie Curie Skłodowska, cientista franco-polonesa, foi a primeira mulher a receber Prêmio Nobel. E veio para arrasar: ganhou duas vezes e em categorias diferentes! Em 1903, levou o prêmio de Física. Em 1911, arrebatou o de Química. Quem dá mais?

Do Enem ao Nobel

Gerson de Almeida (*)

Estudante 8«A Argentina tem cinco prêmios Nobel, nenhum em literatura. Poderia ter seis: Borges foi severamente injustiçado. E citei os argentinos mais pela birra dos brasileiros: “somos pentacampeões!”. Ao olhar a galeria de notáveis argentinos devemos ficar quietinhos.

Em literatura, a Colômbia tem um. O Chile tem dois – um stalinista, mas valeu. O México tem um. O Peru tem um. Até a Guatemala, do tamanho do seu quintal, leitor, tem um Nobel! Nóis num guenta!

(…) Quando o Brasil terá um Nobel? Pelo resultado do último Enem… nunca! Nunquinha mesmo»

Interligne 18c

(*) Citação extraída de artigo de Gerson de Almeida, colaborador do blogue literário Verso & Prosa.

Frase do dia — 165

«Vale Prêmio Nobel derrubar ao mesmo tempo o valor de bolsa da Petrobrás, aniquilar as chances do etanol e ainda encalacrar as empresas de energia elétrica.»

Fernando Henrique Cardoso, antigo presidente da República, ao resumir em meia dúzia de palavras o desempenho econômico do governo federal atual. In Estadão, 3 ago 2014.

A visitante

José Horta Manzano
Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 2 março 2013

Pelos anos 70, no auge de sua produtividade, a dupla formada por João Bosco ― mineiro de ascendência libanesa ― e Aldir Blanc ― carioca de nome francês ― lançou o samba Incompatibilidade de gênios. Clementina de Jesus, com sua inimitável voz andrógina, deu-lhe o empurrão definitivo para a celebridade.

Muitos se lembrarão do trecho que dizia «se eu tô devendo um dinheiro e vem um me cobrar, a peste abre a porta e ainda manda sentar». A genialidade reside, muita vez, na simplicidade. Essa frase é resumo dos princípios de polidez que nossa civilização levou séculos para destilar.

Quando se recebe alguém, antes de tratar de negócios, antes mesmo de oferecer um cafezinho, propõe-se ao convidado que se sente. Todos já ouvimos um comentário do tipo «imagine que nem me mandou sentar!», percebido como afronta.

Sentar-se antes dos outros, pôr-se à cabeceira da mesa, ficar num cantinho, ser guindado a um lugar de honra são variantes do mesmo tema, cada qual com sua simbologia. E não é de hoje: faz dois milênios, assembleias romanas já mediam o prestígio ou a irrelevância de cada participante pelo lugar que ocupava.

Era prerrogativa do chefe do parlamento sentar-se à frente dos demais. Daí o termo præsidentem, formado pelo prefixo præ (=antes) e pelo particípio presente do verbo sideo (=sentar-se). A palavra assim formada designava aquele que dirigia os trabalhos. Por caminhos tortuosos, acabou desembocando em presidente, que entre nós qualifica, por extensão de sentido, aquele que manda. Quando a função é temporariamente exercida por uma mulher, há quem prefira «presidenta», forma exótica e pouco natural para um descendente direto de particípio presente. Mas não nos percamos, continuemos em Roma.

Se todos os homens fossem iguais e pensassem da mesma forma, o mundo seria muito sem graça. Ainda bem que não é assim. No Senado e em outras assembleias romanas, alguns participantes podiam não compactuar com o chefe. Podiam até discordar da maioria. Concedo que, no Brasil de hoje, tal atitude tornou-se inusitada, mas, acreditem, não é incomum em outras paragens. Aqueles cujas ideias se chocavam com as do chefe e da maioria sentavam-se a certa distância dos outros. Cada um deles era um dissidentem, termo formado pelo prefixo dis (=separado) e pelo particípio presente do mesmo verbo sideo (=sentar-se). É fácil deduzir que a palavra latina equivale ao que hoje chamamos dissidente.Visitante 1

Brasília recebe visitas frequentes de dirigentes estrangeiros, chefes de Estado, primeiros-ministros, presidentes de assembleia e outros graduados. Acolhe também figurões que não estão necessariamente de acordo com as diretivas políticas de seus respectivos países: candidatos a cargos eletivos, por exemplo. Generosos, nossos dirigentes geralmente dão um jeito de homenagear todos os visitantes, estejam eles ou não de acordo com a maioria governante em seus respectivos países.

Um fato pra lá de curioso, no entanto, envolve a palavra dissidente. Ela é hoje usada exclusivamente para designar indivíduos que militam contra regimes autoritários. Já reparou? Ninguém qualificaria de dissidente uma figura contrária ao presidente Hollande, ao presidente Obama, ao primeiro-ministro Cameron. Nem o Lula, que só se tornou conhecido quando o autoritarismo agonizava, jamais foi chamado de dissidente. Designar alguém por esse termo implica qualificar de autoritário ― se não despótico ― o governo de seu país. É um quase ato falho de que nem todos se dão conta.

Faz alguns dias, recebemos uma visita insólita. Como nunca antes na história deste país, uma blogueira foi recebida no Congresso Nacional, com toda a pompa e circunstância devidas a um visitante notável. Veio de Cuba e chegou ao cabo de mil peripécias que não vale a pena repetir aqui.

Não é todos os dias que um visitante estrangeiro é, ao mesmo tempo, alvo de manifestações hostis e centro das atenções de congressistas. Parece que, passado o choque das primeiras carantonhas que a receberam no Recife, a moça guardou a impressão de um Brasil menos agressivo. Chegou até a dizer que levaria a recordação da pluralidade de opiniões. Melhor assim.

Um fato, porém, vale ser lembrado. Em junho de 2011, nossa atual presidente recusou-se a receber Shirin Ebadi, dissidente iraniana, já então detentora de um Nobel da Paz(!).Visitante 2

O cartão de visita de Yoani Sánchez não menciona nenhum Nobel. Ainda. É apenas blogueira e dissidente, mas isso já lhe valeu visto de entrada e homenagem do Congresso brasileiro. É um progresso.