Clube dos Ricos?

OCDE: países-membros

José Horta Manzano

É desde o tempo em que o Lula era presidente que se fala em OCDE. Brasil entra na organização, não entra, os EUA apoiam, deixam de apoiar, vizinhos aplaudem, vizinhos chiam, parece que agora vai, parece que não vai dar. E assim por diante, num vai e vem sem fim. Mas, afinal, que vem a ser essa organização?

Não é nenhum bicho de sete cabeças. Trata-se de um fórum de discussão, de debates e de formulação de políticas públicas. Os membros conversam, debatem, podem até formular sugestões e fazer recomendações. Mas seu poder termina aí: as resoluções não têm força de lei.

No Brasil, a OCDE é vendida como o “Clube dos Ricos”, conceito que não corresponde à realidade. Criada em 1961, a organização tem sede em Paris. Os membros fundadores são 20. Ao longo dos anos, outros países foram sendo admitidos. São hoje 38 países-membros.

Se o Brasil não entrou para o clube até hoje foi porque não quis. Diferentemente de outros países latino-americanos, nossos sucessivos governos não mostraram interesse e não se candidataram. O interesse só surgiu com a subida do lulopetismo ao poder.

Quando o Lula “chegou lá”, ficou patente sua ânsia de pôr o Brasil sob holofotes internacionais, em todas as instâncias onde fosse possível. Era sua tática para melhorar o status “dessepaiz”.

A prova de que a OCDE nunca foi “clube de ricos” é o fato de encontrar, entre os membros fundadores, Portugal, Espanha, Grécia e Turquia – países que, sessenta anos atrás, eram pobres e francamente subdesenvolvidos.

Ao longo dos anos, outros remediados foram entrando para a organização. Entre eles, estão alguns de nossos vizinhos: o México em 1994, o Chile em 2009, a Colômbia em 2018 e até a Costa Rica em 2020.

A organização conta com países populosos e de economia poderosa, como os EUA, a Alemanha, a França, o Japão. Mas há também países de escassa população e diminuto peso econômico: a Lituânia com 2,8 milhões de habitantes; a Eslovênia com 2,1 milhões; a Letônia com 1,9 milhão; a Estônia com 1,3 milhão.

O que a OCDE sabe fazer melhor são as estatísticas comparativas do desempenho de cada país-membro. A organização é verdadeira máquina de produzir números.

Se e quando o Brasil entrar nessa confraria, é bom ir preparando um bom ministério para acomodar especialistas na matéria. No fundo, nada mal para um país habituado ao inchaço crônico da máquina federal. Mais um cabide de emprego à vista.

Mas… só um senão: nas estatísticas comparativas, aquelas em que aparece o desempenho de cada um em cada área, nosso país nem sempre vai sair bem na foto.

Fórum diplomático

Fórum Diplomático de Antalya (Turquia)
entre Ucrânia e Rússia

José Horta Manzano

A aceitação, por parte da Rússia, de negociar com a Ucrânia é bom sinal. Semana passada, o Kremlin estava bem mais altivo, confiante numa vitória esmagadora e rápida. O panorama mudou.

Quem está por cima, vencendo uma guerra e destroçando o inimigo, não aceita sentar em volta de mesa nenhuma pra negociar. Negociar o quê? Só aceita rendição incondicional. Aliás, era o que Putin dizia nos primeiros dias da invasão. Suas condições eram claras: rendição incondicional, armas no chão, deposição do governo da Ucrânia.

Hoje, passados quinze dias desde que o primeiro míssil acertou um paiol ucraniano, percebe-se que a belicosidade abrandou. Sente-se que ambos os lados estão dispostos a dar um passo e fazer alguma concessão. O importante é acabar logo com essa carnificina estúpida e inútil. Tem muita gente morrendo de ambos os lados. Por nada.

A solene reunião desta quinta-feira, que se realiza em Antalya (cidade balneária do sul da Turquia), e que reúne, sob patrocínio turco, invasor e invadido, é de alto nível. Cada uma das partes beligerantes enviou o respectivo ministro de Relações Exteriores.

O ucraniano, Dmitro Kuleba, é praticamente desconhecido. Mas o representante russo é Sergei Lavrov, figurinha carimbada. Chegadíssimo a Putin, é seu fiel servidor, escudeiro e ministro há 18 anos – longevidade praticamente impossível de ser atingida em nosso país, dado que a alternância no poder tem vigorado, bem ou mal, desde a redemocratização.

Falando em alternância, me vem à mente que os quase 23 anos de Putin causaram à Rússia um mal infinitamente mais profundo e duradouro que os 13 infelizes anos de lulopetismo no Brasil. Comparados a Vladímir Putin, Lula e Dilma não passam de primeiranistas do aprendizado. Foram desastrados em tudo, até no assalto ao erário.

Se, nas eleições deste ano, conseguirmos nos livrar tanto de Bolsonaro quanto do Lula, a recuperação do país tem chance de se fazer em uma década. (Eu não disse que se fará, mas que “tem chance”.)

Já o buraco em que Putin meteu a Rússia é duradouro. A imagem e a economia do país não estão arranhadas: estão destruídas. Os russos não vão sair do fundo do poço antes de uma geração – a contar do dia em que Putin desaparecer do palco, naturalmente.

Bolsa de estudos

José Horta Manzano

A notícia parece boa. Vem de um fórum nacional organizado por uma certa Undime ― União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, braço do MEC.

Não tenho certeza de que o termo fórum tenha sido uma escolha feliz para designar o evento. Podiam ter usado encontro, simpósio, congresso, conferência, seminário, reunião. Fórum tem carga ideológica. Enfim, talvez tenha sido exatamente essa a intenção. Afinal, há que manter sintonia com o Zeitgeist, l’esprit du temps.

O fórum anuncia o plano do Ministério da Educação de conceder bolsas a estudantes da escola média que demonstrem interesse em seguir carreira científica. Uma questão de proteger a fruta ainda verde, antes que caia da árvore ou seja devorada pelos vermes. Aplaudi de pé.

De fato, o nó do atraso brasileiro está na falta de instrução, estamos todos cansados de saber. Portanto, toda e qualquer iniciativa que puder desempacar nossa juventude só pode ser bem-vinda.

Mas nada é perfeito. Quando a esmola é muita, o santo desconfia ― costumava dizer minha avó. Aliás, de uma reunião autodenominada fórum, pode-se esperar tudo.Praia

A surpresa demora, mas chega no finzinho da reportagem. Está lá explicado que o fórum se estende por 4 dias (de terça a sexta) num complexo hoteleiro très chic da Costa do Sauípe. Além de chique, o encontro é grandioso: congrega o impressionante total de 1’100 (mil e cem) participantes.

O repórter do Estadão assume que viajou a convite da Undime. Não diz o que estava incluído nesse «convite». Seria um simples aviso ou um pacote com viagem e estada pagas? Dado que repórteres não costumam esperar convite para cobrir eventos e deles dar notícia, é lícito deduzir que, neste caso, o chamamento tenha incluído o pacote completo, embrulhado e entregue em casa.

Na mesma linha de pensamento, é igualmente lícito deduzir que outros cidadãos tenham sido agraciados com o mesmo mimo. Quantos terão sido os felizardos convidados para uma temporada na Côte d’Azur baiana à custa do dinheiro suado dos contribuintes?

Os valores andam um bocado distorcidos no Brasil. Gastam-se cachoeiras de dinheiro em marketing para anunciar pacotes de boas intenções. Pouco importa que os anúncios venham ou não a ser seguidos de efeito. O alvo não é necessariamente esse.

Não é difícil entender o objetivo real: cativar a classe média, que, com valentia, continua resistindo aos charmes inconsequentes dos novos tempos.