Meio milhão

José Horta Manzano

Nalgum ponto da noite passada, nosso contador de visitantes marcou um número bonito: 500.000. Meio milhão de page views(*), minha gente! Pra um blogue modesto, despretensioso, não ligado a figurão das artes ou da política e, ainda por cima, sem fins lucrativos, é pra deixar o ego satisfeito.

Agradeço ao distinto leitor, tanto àquele que faz visitinha diária, quanto àquele que vem de passagem, que nem visita de médico. Eu me sinto feliz de poder acolher a todos e espero que tenham encontrado o que vieram buscar. E que continuem a vir, que me dá muito gosto.

Aqui vão alguns números do blogue:

  • 6 anos no ar
  • 3.650 artigos publicados
  • 500.000+ page views
  • 1,9 artigos lidos por visitante
  • 2.500 comentários
  • Visitantes de 181 países ou territórios
  • 210 seguidores inscritos

Aproveito para desejar a todos os distintos leitores um alegre período natalino e um ano-novo novo, com saúde e realizações.

(*) Page view é como convém chamar, em internetês, cada artigo lido.

Recadinhos ressentidos

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Para Michel Temer
Você assumiu o cargo prometendo um ministério de “notáveis”. Só esqueceu de nos dizer que vários de seus ministros – a maioria, para ser mais precisa – são notavelmente corruptos, velhas raposas políticas envolvidas em negociatas de toda espécie com partidos e com empresas estatais.

by Amarildo Lima, desenhista capixaba

Fez um papelão em público ao usar sua mulher “bela, recatada e do lar” como referência para caracterizar a importância de todas as mulheres brasileiras em termos econômicos, sociais e políticos. Parece continuar acreditando que basta ter um penduricalho no meio das pernas, inchar o peito, fazer pose de estadista e usar linguagem gramaticalmente correta para se diferenciar da antecessora e conquistar credibilidade.

Esforço inútil, caro presidente: a expressiva maioria da população já sabe que tudo o que conseguimos foi trocar seis por meia dúzia. Em tempo: governar e permitir que seu partido legisle de costas para a cidadania também não vai dar certo, acredite. Lembre-se do que aconteceu com sua predecessora quando, de olhos esbugalhados, ela foi à televisão dizer em cadeia nacional que havia escutado a voz das ruas e depois esqueceu o que ela dizia.

Para Donald Trump
Você certamente tem o direito de eleger suas prioridades em quaisquer áreas de seu governo. Falando especificamente de sua opção pela volta da exploração em larga escala do carvão, quero alertá-lo quanto a uma providência imprescindível que você terá de tomar antes mesmo de implementar o projeto: cercar todo seu país de muros e vidros, e colocar sobre eles uma cúpula gigantesca para impedir que a poluição atinja seus vizinhos, outros países e outros continentes.

Quem sabe respirando as consequências de seu gesto, você perceba em sua pele, suas narinas e seus pulmões que o aquecimento global não é “fake news” nem artimanha inventada pelos chineses, como você acreditava.

Para os que participam da blogosfera
O torpor parece estar se alastrando e contaminando editores e principalmente leitores da blogosfera(*). Quando leio um post, não deixo de dar uma espiada em eventuais comentários deixados pelos que me precederam. (Confesso que às vezes tem comentário mais interessante que o próprio artigo. Mas essa já é uma outra história.)

O que tenho constatado é a crescente falta de reatividade dos que leem. Um comentariozinho aqui, dois ali, mais um acolá… é de uma pobreza de dar dó. Fica uma desagradável impressão de injustiça. Pode não parecer, mas escrever um artigo com começo, meio e fim, com fio condutor, com lógica e com cuidado ortográfico dá trabalho. Pode levar horas. No final, o que é que acontece? O escriba acaba se sentindo como o cantor de churrascaria que solta trinados em meio a um festival de talheres caindo, de cadeiras arrastadas, de conversas em voz alta, de risadas, de choro de crianças.

Não é queixa, acreditem, é mera constatação. Se bem que… fica aqui o recadinho. Quem tiver gostado, que se manifeste! Caso não tenha apreciado, que se manifeste também, ora. Coragem, minha gente! Como diria minha mãe, “de boas intenções, o inferno está cheio”.

(*) Blogosfera
Para atividade nova, palavra nova, uai! O crescente número de fazedores e de leitores de blogues está a exigir um termo coletivo. Vários têm sido propostos: bloguiverso, bloguelândia, bloguespaço, bloguistão(!). Um deles acabará se impondo, são os usuários que decidirão. Por ora, fico com blogosfera, que me parece simpático.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

É deles

«A Petrobrás é nossa e ninguém tasca.»

by Eduardo "Duke" dos Santos Reis Evangelista desenhista mineiro

by Eduardo “Duke” dos Santos Reis Evangelista
desenhista mineiro

Fecho de artigo publicado, em 20 mar 2015, no blogue do cidadão José Dirceu de Oliveira e Silva, que se deixa tratar – elegantemente – por Zé Dirceu.

O figurão e blogueiro tem percurso singular. É autor da proeza pouco comum de ter conhecido a prisão em duas ocasiões assaz distintas. Na juventude, foi mandado às masmorras por tentar derrubar o regime da República. Anos mais tarde, já maduro(?) e instalado na confortável posição de mandarim-mor, voltou ao xilindró por ter convertido o Planalto em balcão de negócios.

by Arnaldo Angeli Filho desenhista paulista

by Arnaldo Angeli Filho
desenhista paulista

“A Petrobrás é nossa” é afirmação supérflua. Já nos tínhamos todos dado conta de que a empresa se tornou deles, do Zé e de sua turma. Nós, o povo brasileiro é que estamos tentando tomar de volta o que nos pertence de direito. Queremos reintegração de posse. Está difícil, mas hemos de chegar lá.

O figurão mostra que não perdeu a ingenuidade. Duas temporadas no cárcere não foram suficientes para ensinar-lhe o significado da palavra prudência.

Pois ele que se cuide, que a roda gira, e ninguém sabe o que nos reserva o amanhã.