Vaia planetária

José Horta Manzano

Dona Dilma foi vaiada. Os apupos irreverentes foram ouvidos por 60 mil pessoas in situ e por mais algumas centenas de milhões ao redor do globo. Talvez seja a primeira vaia planetária transmitida ao vivo.

Para a doutora, foi momento pra lá de constrangedor. Foi uma dessas horas em que a gente torce para que um buraco se abra à nossa frente e nos engula, tamanha é a vergonha.

Até algum tempo atrás, poucas pessoas eram testemunhas auriculares da História(*) presentes na hora agá. Apenas alguns milhares estavam naquela praça gelada de Bucarest em 1989 para assistir ao que seria o último discurso do gênio dos Cárpatos,o ditador Nicolae Ceaușescu.

Em geral, precisa assistir ao jornal televisivo da noite para ficar sabendo que este ou aquele figurão foi alvo de alguma hostilidade aqui ou ali. Ao vivo e planetariamente, dona Dilma pode considerar-se pioneira ― que lhe seja reconhecida essa gloriosa primazia!

Biruta e anemômetro

Biruta e anemômetro

Globalização é isso. Da ponta da Terra do Fogo até o Japão, passando por África, Oropa e Bahia, o mundo foi testemunha do apreço que os brasileiros sentem por sua presidente. Uma imagem vale mil palavras.

Além de inaugurar uma nova modalidade de apupo espontâneo e global, a pioneira senhora Rousseff estava muito bem acompanhada naquele momento de súbita fama. Nossa iluminada líder estava ladeada por dois mandachuvas pra lá de conhecidos. São ambos chefes de organizações em que corrupção e «malfeitos» ― notórios e corriqueiros ― são regra, não exceção.

Os ventos não sopram sempre do mesmo quadrante. Se assim fosse, anemômetros seriam suficientes para medir sua velocidade. Não haveria necessidade de birutas para indicar sua direção. O infeliz Conducător não se deu conta de que os ventos haviam mudado de direção, imprudência que lhe custou a vida.

Bem faria dona Dilma se, fazendo das tripas coração, se aplicasse em utilizar o tempo que lhe resta na presidência para servir mais ao povo que a elegeu e menos aos gaviões que a cercam. Afinal, seu salário e suas mordomias são custeados por todos nós, não pelos interesseiros que a rodeiam.

Oxalá os apuros em que se meteu dona Dilma no estádio de Brasília lhe possam servir para perceber que o eleitorado tem sofrido transformação radical desde que a informação passou a fluir com maior facilidade, uns 15 anos atrás.

Internet, telefone celular, redes sociais, toda essa parafernália que surgiu no final do século XX tem trazido modificações profundas na percepção que a sociedade tem daqueles que a governam. Hoje em dia, um brasileiro, ainda que não tenha feito estudos universitários, faz cada vez menos parte daquela massa de manobra com que contavam os chefes políticos de antigamente.

Dilma Rousseff vaiada 15 junho 2013

Dilma Rousseff vaiada
15 junho 2013

Ainda que o governo popular tenha substituído o antigo voto de cabresto pelo voto de cooptação, ainda que bolsas e quotas várias sejam a versão moderna do antigo paternalismo do sanduíche e da tubaína, ainda assim o mundo continua girando.

Aos trancos e barrancos, o brasileiro vai abrindo sua consciência. Quem alarga a conscência abre os olhos. Quem abre os olhos vê. Quem vê a maneira pela qual o País vem sendo conduzido estes últimos anos pode até não gostar. E que não gosta periga reclamar.

Dona Dilma deveria tomar cuidado. Caso seu governo continue a dar a imagem de estar correndo feito barata tonta, visivelmente sem rumo, mais preocupado em satisfazer caciques que em empunhar com firmeza as rédeas da nação, ela está arriscada a ouvir outras vaias. Nos estádios ou ― pior ― nas urnas.

.

(*) Piscadela ao primeiro jornal televisivo, o pioneiro Repórter Esso, que se qualificava de «testemunha ocular da História».

Golpe

José Horta Manzano

Um dos senadores pelo Estado de Minas Gerais, Aécio Neves, participou de uma reunião, um congresso político na cidade de Santos (SP) no dia 4 de abril.

Num dado momento, escapou-lhe a palavra revolução para designar os acontecimentos de 31 de março de 1964. Foi um deus nos acuda. Foi pior do que se tivesse dado um chute na santa.

Jornalistas excitados vieram tomar satisfação. O senador virou-se como pôde para se safar da saia justa. Veja o que noticiaram o Estadão e a Folha de São Paulo.

Em 1964, fui «testemunha ocular da história» ― como rezava o chavão do falecido Repórter Esso, o jornal televisivo da época. Posso garantir-lhes que todos, sem exceção, chamaram o movimento militar de revolução. Não me lembro de ter lido ou ouvido, naqueles dias, que uma ditadura havia sido instalada no Brasil. Ela se enraizou depois.

Marechal Deodoro

Curiosamente, um outro trecho da fala do senador passou despercebido. Como aprendemos todos, convém dizer que, em 15 de novembro de 1889, Deodoro da Fonseca proclamou a República. Qualquer aluno da escola elementar sabe disso. E repetirá a expressão pelo resto da vida.

Não precisa ser nenhum profundo conhecedor da História pátria para se dar conta de que o termo proclamação, de aparência inocente, disfarça uma verdade bem menos gloriosa. Naquela manhã de 1889, Deodoro foi a ponta de lança de um golpe traiçoeiro. O Marechal foi o braço armado de uma insurreição urdida e apoiada por militares e civis.

O regime monárquico foi derrubado, e a família imperial, banida. Anos se passaram antes que um civil voltasse a tomar as rédeas do País.

.:oOo:.

Qual é a razão de tudo isso? É simples: a História é escrita pelos vencedores.

Enquanto durou o regime instaurado em 64, fomos ensinados a chamar os acontecimentos de 31 de março de revolução. Não foi senão depois que o regime se extinguiu que passamos a falar em golpe de estado.

Dado que a monarquia nunca mais foi restaurada, continuamos a escamotear o termo golpe e a nos valer do eufemístico proclamação.

Deveríamos deixar a hipocrisia de lado e dar aos bois seus verdadeiros nomes. Tanto em 1889 quanto em 1964, o que aconteceu foi a derrubada de um regime. Na marra, pela força. Portanto, ambos fazem plenamente jus à denominação de golpe de estado.

Mas cada um é, evidentemente, livre de usar a palavra que lhe parecer mais adequada.