No friends

José Horta Manzano

No original, a frase era Nations have no permanent friends or allies, they only have permanent interests – As nações não têm amigos ou aliados permanentes, têm somente interesses permanentes”. O autor é Henry John Temple (1784-1865), aristocrata e político britânico que passou à história como Lord Palmerston. A frase foi forjada numa época guerreira, em que as alianças entre nações eram de suprema importância. Por isso o termo ‘aliados’ aparece. Hoje, alianças não têm o mesmo peso.

Cem anos depois de Lord Palmerston, o general De Gaulle tomou emprestada a frase e desempoeirou: “La France n’a pas d’amis, elle n’a que des intérêts – A França não tem amigos, ela só tem interesses”. Desapareceram os aliados, mas ficou o que era importante. Aproveitando a deixa, podemos generalizar: “Países não têm amigos, só tem interesses”. Dito assim, o raciocínio serve para todos os países, Brasil incluído. Então, vamos lá: “O Brasil não têm amigos, só tem interesses”.

Algo me diz que doutor Bolsonaro não entendeu o recado. Faltou base cultural. Pior: por ter escolhido assessores que lhe são semelhantes, não conta com ninguém que lhe abra os olhos para o perigo que esse escandaloso namoro com os EUA representa. Entrega total é conceito válido pra um casal de humanos; subserviência entre nações não faz sentido.

Nosso presidente está jogando esforço fora. Ele ainda não verbalizou, mas fica a impressão de que seu sonho é transformar o Brasil num imenso Porto Rico, um Estado ‘associado’ aos EUA. Isso é puro delírio. Bolsonaro não está sendo fiel à Constituição que jurou cumprir. Está abrindo mão de importantes interesses do Estado brasileiro. Amizades passam, assim como Trump e Bolsonaro passarão. Interesses são permanentes.

A argúcia não é a qualidade maior de nosso presidente. Ele não se deu conta de que o ‘amigo’ Trump é homem duro, inflexível, ferrenho, espinhoso, implacável, de trato difícil. Não é o tipo de pessoa que se derrete com um sorriso e um tapinha nas costas. Ainda ontem, Trump tratou o dirigente-mor chinês, Xi Jinping, de “great leader – grande líder”. O chinês conduz seu país com mão de ferro. Trump respeita gente forte e despreza fracotes. Não é lambendo-lhe as botas que Bolsonaro se tornará simpático. Isso vale também para os bolsonarinhos.

Nestas últimas semanas, doutor Bolsonaro conseguiu arrumar briga com a França, a Argentina, a Noruega, a Alemanha, a Dinamarca. Os interesses do Estado brasileiro estão sendo pisoteados pra ceder lugar à paranoia presidencial. Não pode. Isso ainda vai acabar mal.

O Brasil não têm amigos, só tem interesses. Que têm de ser respeitados pelo presidente!

O verdadeiro problema

José Horta Manzano

Os brasileiros antenados andam inquietos. Pra onde vai o barco nacional – nau sem timoneiro, em tempestade grossa, em noite sem lua? A água entra às cataratas e só temos xícaras pra esvaziar o porão. O naufrágio passa a ser possibilidade concreta. Pelo chacoalhar da diligência, já não se deve perguntar se, mas quando vai acontecer.

Uns acusam os filhos dementes do presidente. Outros preferem situar a origem do desastre na interferência malfazeja de um astrólogo boca-suja. Há quem constate que, com uma oposição política em frangalhos, o governo se esteja consumindo num macabro ritual de autofagia. O dedo da CIA, da China ou até de Putin é visto por alguns como culpado pela crise – ainda que eu não entenda bem que vantagem uma débâcle nacional traria a essa gente.

Pra mim, estão todos longe da verdade. Nem os filhos dementes, nem o astrólogo boca-suja, nem a oposição desmilinguida, nem a CIA, nem a China, nem Putin. Nenhum desses seria capaz de empurrar o país para o abismo. O verdadeiro problema, a desgraça que nos desabou sobre a cabeça – e que ninguém havia previsto – é uma só: temos um presidente fraco.

Que se pode esperar de um homem que nem ao menos tem mão forte pra enquadrar os próprios filhos? Quem não consegue fazer reinar a harmonia no círculo familiar não está em condições de conduzir o barco.

O pior de tudo é que essa desgraça não tem remédio. É ilusão esperar que um biotônico qualquer venha dar força a um presidente fraco. O homem é assim e assim continuará. As futricas palacianas tendem a se estender por todo o mandato. E é bom que o petismo não se fortaleça muito nos próximos quatro anos. Se um candidato do lulopetismo estiver em condições de disputar as próximas eleições com chance de vitória, o mesmo fenômeno de voto útil de 2018 tende a repetir-se. Assim, a reeleição de doutor Bolsonaro está garantida.

Ponto eletrônico

José Horta Manzano

Acompanhei a longa entrevista que doutor Bebianno (Bibbiano?) concedeu, dia 19 de fevereiro, a uma emissora de rádio. O (então já ex-) ministro deu sua versão dos contactos que manteve, nos últimos dias, com doutor Bolsonaro e primeiro-filho. Essa parte não é de despertar paixões. Para mim, tanto faz saber quem disse ou quem não disse, quem mentiu ou quem deixou de mentir, quem devia ou não devia ter dito o que disse ou deixou de dizer. O que me inquieta é o quadro inquietante revelado por esse quiproquó.

Cada governo tem sua personalidade, sua marca de fábrica, seu jeito próprio de ser e de agir. Por razões que escapam a todo controle, a instalação da atual presidência não pôde se fazer nos dias seguintes à tomada de posse, como é costume. A preparação da cirurgia do presidente e o período de hospitalização criaram um vácuo que somente agora começa a ser preenchido. Finalmente, o piloto volta à cabine. O avião, desgovernado, vai entrar no prumo e no rumo.

No prumo e no rumo? Nada é tão incerto. Vamos primeiro esquecer essas futricas de adolescente que, embora não cheguem a derrubar governo, tampouco constroem governança. Vamos agora espremer a entrevista de doutor Bebianno (Bibbiano?) pra ver o que sai. O suco não é nada apetitoso. Ao fim e ao cabo, as conversas entre esses membros do alto escalão revelam que nosso presidente dá preocupantes sinais de fraqueza.

Tweet ‒ Nuclear
by Patrick Chappatte (1966-), desenhista suíço

Desde que sofreu o atentado, doutor Bolsonaro praticamente só se comunicou através de redes sociais, com tuitadas curtas, frases lacônicas, slogans mambembes. Quando dá declaração oficial ‒ ocasião em que é obrigado a fazê-lo de pé, diante de um microfone, ao vivo ‒ usa e abusa do ponto eletrônico. Fica sempre a impressão de que ele está apenas servindo de canal para a voz de algum escritor fantasma que ninguém sabe direito quem é.

O presidente nunca escondeu sua admiração por Donald Trump. Dado que os dotes oratórios de nosso chefe de Estado são precários, compreende-se que ele dê preferência a comunicar-se pelas redes. Por um lado, imita o presidente americano; por outro, elude sua carência oratória. Doutor Bolsonaro se esquece de que quem imita tem de ir até o fim. Mr. Trump leva a brutalidade até o fim. Tuíta com violência, discursa com veemência e, no final, age com estrondo. Doutor Bolsonaro, por seu lado, limita-se a tuitar, esquivando-se na hora de agir, vergado ao peso das múltiplas influências de que é vítima, incapaz de decidir por si.

Fica a desconfortável impressão de um dirigente bem-intencionado mas fraco, por demais permeável a influências. Posso estar enganado. Aliás, torço pra isso, mas algo me diz que meu diagnóstico não está tão longe da realidade. Assim sendo, resta esperar que doutor Bolsonaro escolha dar ouvidos às influências mais benéficas para o país. O futuro dirá. Por enquanto, é bom ir preparando novena pra São Benedito.