Porta-voz

José Horta Manzano

Num governo que se tem revelado afligentemente cacofônico, em que a todos é permitido falar sem que se saiba quem tem razão, surgiu uma pérola. O presidente designou doutor Rêgo Barros como porta-voz. Agora sabemos que, fofocas à parte, vale o que diz aquele senhor. Leva a voz oficial do governo.

O porta-voz tem-se mostrado à altura do encargo. Paciente e de fala mansa, já enfrentou coletivas de imprensa. Provou que é capaz de ouvir, imóvel e impávido, a pergunta que cada repórter lhe faz, por mais longa e confusa que seja. Responde, em seguida, imperturbado e imperturbável. Não deixa questão sem resposta.

A nomeação do porta-voz foi excelente passo na boa direção. Preenche uma lacuna. No entanto, nada impede que primeiros-filhos continuem dando com a língua nos dentes por aí. Uma frase infeliz de um deles pode jogar por terra semanas de trabalho paciente de construção pacífica. Esperamos todos que doutor Bolsonaro dê um puxão de orelha em cada um dos rebentos.

Nota etimológica
Nossa língua designa como porta-voz a pessoa que exerce o ofício de falar em nome de outro ou de um grupo. A imagem é a do profissional que está carregando a voz do representado. O italiano (portavoce) e o espanhol (portavoz) nos acompanham.

Já os franceses, quando dizem porte-parole, entendem que o representante carrega não a voz, mas a palavra do representado. A nuance é sutil. Nessa imagem, são acompanhados pelos holandeses (woordvoerder) e pelos romenos (purtător de cuvânt).

Em seguida, vem o grupo das línguas germânicas. Preferem dizer que o representante é o homem que fala, o falador. Fazem isso os alemães (Sprecher), os ingleses (spokesman) e os suecos (talesman).

Por último, uma curiosidade. Os poloneses designam o porta-voz por encantador vocábulo: rzeczniczka. O distinto leitor está desafiado a pronunciar corretamente. (O desafio, naturalmente, não se aplica aos que conhecem a língua polonesa.)

Post scriptum
Já faz uns dias que os bolsonarinhos andam encorujados. Será que papai já lhes deu um cala a boca?

Voz ativa

José Horta Manzano

Faz três dias, o Planalto emitiu uma nota. Deu conta de um ato que é, sem dúvida, o mais sensato, até esta data, do recém-inaugurado governo: foi designado o porta-voz oficial da Presidência.

Depois de quinze dias cacofônicos, uma voz credenciada vai pôr fim a essa sensação de casa de mãe joana, onde todos gritam e ninguém se entende. Não se dará mais importância se alguém ousar vociferar que meninos vestem azul ou que sapos não se vestem. Somente a voz oficial do governo fará fé.

by Tom Toro, desenhista americano

Falta recomendar aos Bolsonaros juniores que se abstenham de bagunçar o coreto. Compreende-se que seja impossível calá-los, afinal os três são eleitos do povo. Será importante, pelo menos, que abandonem o mau hábito de pôr o verbo na primeira pessoa do plural. No singular, já estará de bom tamanho.

Pega mal referir-se à Presidência com expressões como «nós queremos», «nós decidimos» ou «nós faremos». O povo gostaria de manter a ilusão de que quem decide é o presidente, sozinho, sentado em seu despacho. E não um quadrunvirato reunido em torno da mesa da cozinha.

Lorenzoni e a Mata Atlântica

José Horta Manzano

Doutor Bolsonaro precisa nomear, com urgência, um porta-voz. Ainda deslumbrado pelo sucesso nas urnas, o entourage do presidente eleito tem ido ao pote com muita sede e já dá sinais inquietantes de embriaguez. A vaidade de quem se vê de súbito num palco iluminado está contaminando a fala do primeiro círculo e poluindo a comunicação.

O doutor tem de mostrar quem é que manda no barraco. Entre o general vice, o primeiro-filho, o ministro da Justiça designado e o coordenador-geral da transição, reina a cacofonia. Não se passam dois dias sem que um deles dê declaração-bomba, daquelas que fazem a delícia da imprensa e semeiam desconforto na população.

BR18 – Estadão
clique para ampliar

A mais recente vem de doutor Lorenzoni, importante peça no tabuleiro, atual coordenador da transição de governo. Em declaração dada ontem, passou um pito nos noruegueses e incitou-os a «aprender com o Brasil». A briga é com ONGs ambientais que cuidam da floresta tropical. Irritado, doutor Lorenzoni acusou a Noruega de não ter preservado suas florestas, enquanto o Brasil «preservou a Europa inteira, mais cinco Noruegas».

Mata Atlântica em 1500 e atualmente: restam 8%
crédito: planetabiologia.com

Melhor seria se tivesse guardado a língua no bolso. Falar sabendo é uma coisa, falar sem saber e ainda de modo debochado é o fim da picada. Aqui acima, está um mapa da Mata Atlântica. Compara a floresta que os primeiros europeus encontraram em 1500 com o que resta atualmente. Conseguimos aniquilar 92% da cobertura. Isso é que é preservação!

Aqui abaixo vai um mapa da cobertura florestal da Europa atualmente. É fácil constatar que os países escandinavos ‒ Noruega incluída ‒ são justamente os mais verdes, os que melhor preservaram suas florestas.

Europa: cobertura florestal
crédito: jakubmarian.com

O falatório no seio da equipe de doutor Bolsonaro está ensurdecedor. O fato de falarem todos ao mesmo tempo já é irritante. Se, além de falarem junto, ainda proferem besteiras, é caso de polícia.

A palavra alheia

José Horta Manzano

Quando a aparência física de um ator está bastante próxima do personagem que ele representa, os franceses dizem que o artista tem «le physique du rôle» ‒ o físico do papel.

Não tive o prazer de conhecer o novo porta-voz do governo, mas posso, desde já, constatar que ele tem «le nom du rôle» ‒ o sobrenome adequado para o papel que deve exercer. Para quem tem por função carregar a palavra alheia no bolso do paletó, difícil será encontrar nome mais apropriado.

Chamada do Estadão, 28 set° 2016

Chamada do Estadão, 28 set° 2016

Parola é a forma moderna que os italianos usam para dizer palavra. Parole (francês) e paraula (catalão) são irmãs gêmeas. Todos correspondem ao latim clássico parabola, que desembocou, na Idade Média, no verbo parabolare, enquanto o latim clássico preferia loqui.

As duas formas foram produtivas em português. Loqui deu locução, locutor, eloquente, colóquio e tantas outras. Parabolare acabou gerando palavra, parlamento, parlatório, palra. Também é raiz de nosso falar.

Votos de sucesso ao senhor Parola, o bem nomeado!

Interligne 18h

PS: Ter um senhor Parola como porta-voz corresponde a ter um hipotético senhor Leão como fiscal da Receita.