Onda de frio

José Horta Manzano

Você sabia?

Frio 3Faz muitos anos, passei uns dias de férias na Floresta Negra, sul da Alemanha. Era inverno, logo após o Natal, e fazia muito frio. Ficamos em casa de família, numa hospedagem do tipo bed & breakfast. Casa de campo, família muito simpática, sorrisos pra cá e pra lá.

Deixávamos o carro estacionado no espaço apropriado, um quadrado cimentado situado bem em frente à casa. Os vidros do carro amanheciam invariavelmente cobertos por fina camada de gelo.

Em regiões onde o fenômeno é frequente, todo automobilista carrega, no porta-luvas, pequena plaquinha de plástico cuja função é raspar o vidro pra eliminar a umidade congelada. É fácil de usar mas bom acabamento demanda tempo e trabalho. Automobilista sem pressa pode também ligar o motor e a calefação. É menos ecológico mas, em poucos minutos, o gelo acaba derretendo.

Racloir 1Sem pressa, mas também sem vontade de esfregar, um dia apanhei um balde d’água e derramei sobre o para-brisa. Rapidinho, o gelo foi-se. Orgulhoso, fiquei a matutar como é que os alemães ainda não haviam pensado numa solução tão evidente. Eis senão quando… aparece a dona da casa. Assustada, pôs as mãos na cabeça: «Nein, nein!» ‒ Não, não faça isso!

Vendo que eu não tinha entendido a razão do pito, a hospedeira explicou que a água entornada, ao se acumular sob o carro, ia formar uma placa de gelo no chão transformando o quadrado de cimento numa pista de patinação onde é impossível frear sem derrapar. Manobra sobre gelo é acidente esperando pra acontecer.

Racloir 2Estes dias, chegaram notícias de que o frio intenso tinha congelado água dentro do cano em certas regiões do sul do Brasil. Meus distintos leitores talvez se lembrem de que líquidos, ao congelar, se expandem. É o que acontece com cerveja esquecida dentro do congelador. Portanto, fica fácil entender que, com frio abaixo de zero, água parada dentro do cano periga arrebentar o metal.

Nas regiões em que frio forte ocorre com frequência, é recomendado purgar os canos externos ‒ as torneiras de jardim, por exemplo. Fecha-se o registro, abre-se a torneira e esvazia-se até a última gota. Isso vale para canalização externa, mais exposta a baixas temperaturas. Não vale, naturalmente, para torneiras instaladas dentro de casas aquecidas. Os habitantes das serras catarinenses certamente conhecem a manha.

Quanto a nós, vamos vivendo e aprendendo.

Inexperiência hibernal

José Horta Manzano

Você sabia?

Nunca faça isso. É perigoso.

Nunca faça isso. É perigoso!

A Folha de São Paulo deste 30 de janeiro traz uma foto surpreendente. Trata-se de um automobilista que, ao sair de casa de manhã, elimina de seu para-brisa a fina camada de geada que se formou com o frio da noite.

Até aí, nada demais. É a chatice quotidiana de quem mora em lugar frio e tem de deixar o carro na rua. O que surpreende é a maneira pra lá de original que o cidadão encontrou para se livrar do gelo.

Raspadeira simples. Funciona a muque.

Raspadeira simples. Funciona a muque.

Entornar água quente num para-brisa gelado? É um contrassenso por duas razões. A primeira é que o choque térmico pode até causar dano ao vidro. A segunda, certeira, é que a água quente formará uma poça no chão bem no lugar onde estava o carro. Com o frio, vai-se criar uma placa de gelo mais escorregadia que casca de banana.

Se alguém tiver a má sorte de pisar ali mais tarde, periga levar um tombo daqueles de quebrar o colo do fêmur. Sem contar que o próprio automóvel, quando retornar à noite, pode patinar e ficar incontrolável.

Raspadeira ultrassofisticada

Raspadeira elétrica ultrassofisticada

Nunca vi ninguém jogar água quente em para-brisa gelado. Para remover a placa de gelo, tem de raspar. Há no comércio diversos aparelhinhos, do mais simples ao mais sofisticado, funcionando todos a partir do mesmo princípio. Cada motorista escolherá o que melhor lhe convier.

Caso você se encontre um dia nessa situação, a última coisa a fazer é jogar água quente. Raspe. Demora um pouco, mas é mais seguro.