Somos todos migrantes

Eduardo Affonso (*)

Existimos porque o Homo sapiens deixou a África e ganhou o mundo. Não havia, então, postos de fronteira, fossos, muros, passaportes. O ser humano circulava como ainda hoje fazem as outras espécies. Seguia adiante porque via um horizonte, e uma alternativa além dele.

Chegamos a novos continentes, movidos pelas mesmas esperanças com que hoje milhares de refugiados se lançam ao Mediterrâneo, cruzam a selva, atravessam rios e desertos: para sobreviver, escapar à dor, reconstruir a vida.

Fugimos – toda migração é fuga – das cheias e da escassez, do fogo e do frio, da falta de perspectivas, da intolerância.

E, ainda assim, migrantes congênitos, demos de inventar barreiras, fronteiras e privilégios. De nos julgar senhores de uma terra prometida por nós a nós mesmos. Uma terra que acreditamos nossa apenas por havermos migrado antes dos que querem migrar agora. Ou – pior – depois de haver expulsado (ou exterminado) os que aqui estavam antes de chegarmos.

(Minha bisavó atravessou o Atlântico, grávida, num navio. Os sobrenomes que carrego no sangue – Raposo, Medeiros, Magalhães, Souza, Silva, Costa, Coelho, Carvalho, Lopes, Faria, Vianna, Leal, Jacó – contam a história de muitos adeuses, embarques, chegadas, recomeços.)

Quantos de nós não pensaram em refazer a vida num país mais decente, para escapar à crise sem fim engendrada pela cleptocracia a que estivemos submetidos por mais de uma década ou pelos necromilicianos de agora? Como não nos solidarizarmos com os que se cansaram de viver à míngua sob o “socialismo do século XXI” e se arriscam em balsas pelo Caribe ou a pé através da Amazônia? Os que tentam escapar do fundamentalismo dos talibãs ou querem deixar de ser reféns da miséria atávica do Haiti?

Volta e meia uma imagem traduz essa tragédia. O pequeno sírio-curdo Aylan, de bruços e já sem vida numa praia da Turquia. O contêiner repleto de cadáveres de chineses, abandonado na Inglaterra. O bebê passado de mão em mão até a cerca de arame farpado do aeroporto de Cabul. O agente de fronteira dos Estados Unidos – branco, a cavalo – tentando capturar o homem negro que entrara ilegalmente no Texas. E há as manchetes que nos deixam sem palavras: “Brasileira morre de fome e sede na travessia da fronteira entre México e EUA”.

Ela se chamava Lenilda. Era técnica em enfermagem. Saíra de Vale do Paraíso, Rondônia. Deixou um país construído por estrangeiros (99,5% dos brasileiros descendem de imigrantes) e decidiu seguir para onde os descendentes de estrangeiros correspondem a 98,5% da população. Ficou – como Aylan, como milhares – pelo caminho.

O imigrante traz sua força de trabalho e gera riqueza cultural e material. Acolhê-lo é um caso típico de altruísmo recíproco, um processo de cooperação em que todos saem ganhando. A alternativa à imigração não é impor obstáculos, mas investir em melhores condições de vida em seus países de origem – seja o Haiti, a Síria, a Venezuela, o Brasil. Jamais a humilhação, o abandono.

Somos todos descendentes do primeiro africano que migrou. Somos todos aquele bebê afegão, aquele haitiano que foge do homem a cavalo. Somos todos Lenilda. Todos, sem exceção.

(*) Eduardo Affonso é arquiteto, colunista do jornal O Globo e blogueiro.

Planeta Trump

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Ouvindo as notícias de que o presidente eleito dos Estados Unidos pretende renegar a adesão ao Tratado do Clima (argumentando que o conceito de aquecimento global não passa de embuste dos chineses), suspender pagamentos a organismos internacionais de pesquisa sobre o tema e investir todo o dinheiro apenas na preservação do meio ambiente americano, tive um insight.

Já sei o que Mr. Trump pode fazer para implementar essa e todas as demais propostas polêmicas da campanha sem incomodar outros países: mudar-se de mala e cuia para um novo planeta, levando consigo todos os concidadãos que apostam na viabilidade de suas ideias políticas, econômicas, sociais e ambientais.

trump-6Soube que cientistas descobriram recentemente um planeta que fica a apenas 33 anos-luz da Terra, ao qual deram o nome de Super Terra, dada a semelhança com nosso amado planeta. Pareceu-me de imediato o lugar ideal para alojar o reino desse líder visionário. Dadas as extraordinárias dimensões do novo planeta, não haveria problema para nele acomodar boa parte da população dos Estados Unidos e de vários outros países aliados – como ingleses que aderiram ao Brexit, russos simpáticos à invasão da Ucrânia, franceses apoiadores do clã Le Pen, etc.

Evidentemente, o planeta seria rebatizado de Planeta Trump para concretizar o sonho do idealizador: deixar de ser apenas o presidente de uma potência ocidental e se tornar dono do mundo. Já pensei até nos critérios de triagem de imigrantes terráqueos. Para lá seriam enviados exclusivamente:

•   Cidadãos americanos natos, desde que comprovada sua origem ‘wasp’ [isto é, descendentes de anglo-saxões brancos e protestantes]. Europeus provenientes de países ricos poderiam eventualmente se candidatar numa segunda fase, bastando apenas comprovar situação financeira estável e pertencimento aos estratos sociais superiores em seus respectivos países. Africanos e “latinos” teriam suas candidaturas automaticamente descartadas em função das premissas acima.

planeta-2•   Basicamente homens em idade produtiva. Mulheres só seriam aceitas caso aceitassem dedicar-se exclusivamente à procriação e/ou ao entretenimento masculino. Crianças seriam acolhidas somente em caráter temporário e, quando atingissem a maioridade legal, deveriam jurar fidelidade irrestrita ao fundador do novo mundo. Todo e qualquer cidadão trumpês seria automaticamente reenviado à Terra ou solto no espaço quando atingisse a idade da aposentadoria.

•   Profissionais dispostos a ocupar, sempre que necessário, cargos braçais e outros ofícios sem qualificação como: vendedores, atendentes e operadores de telemarketing, postos que eram anteriormente destinados a imigrantes ilegais.

•   Fiéis de várias denominações cristãs. Os adeptos de filosofias religiosas orientais seriam sabatinados para investigar a viabilidade de convivência pacífica com a doutrina oficial. Em nenhuma hipótese, seriam aceitos seguidores da fé islâmica.

•   Heterossexuais assumidos que jurassem preferir a morte ao engajamento em práticas homossexuais de qualquer espécie e que aplicassem rigidamente as mesmas regras a seus descendentes.

planeta-1•   Pessoas que declarassem apoiar, incentivar e valorizar o aumento do poderio bélico do Planeta Trump e que não objetassem a seu direito de conquistar militarmente outros planetas.

•   Civis defensores do direito de posse irrestrita de armas para defesa pessoal e militares submissos ao poder central do novo império.

Concluídas com sucesso as primeiras etapas de colonização do novo planeta, novas regras poderiam ser agregadas e as anteriores, revistas. Em princípio, seriam declaradas como prioridades:

•   Explorar ao máximo os recursos naturais do novo planeta, sem restrições, já que não haveria opositores a exigir satisfação nem questionamentos quanto a um futuro sustentável. Se necessário, outros planetas poderiam vir a ser utilizados em substituição, sempre que algum problema ambiental assim o exigisse.

•   Enquadrar os empreendimentos comerciais, em especial os da área de entretenimento, como os cassinos, como fontes vitais de progresso e bem-estar social.

•   Desconsiderar as exigências de atendimento público de saúde, uma vez que trabalhadores sem as condições físicas ideais poderão ser substituídos com vantagem por robôs.

planeta-3Finalmente, a medida estratégica mais relevante a ser implementada: caso o líder máximo do trumpismo viesse a adoecer ou falecer durante o processo de ocupação do novo mundo, seus descendentes assumiriam automaticamente o comando. Qualquer pessoa que se opusesse à perpetuação da família Trump no poder seria enviada a campo de trabalho e condenada a escutar para sempre os discursos originais de Melania Trump.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.