Pesquisa eleitoral

José Horta Manzano

‒ «Quem é que vai ganhar a eleição? É o candidato A

‒ «Que nada! Esse não tem chance. Quem ganha é o candidato B sem sombra de dúvida. Deu no jornal!»

‒ «Nesse caso, voto no B. Não quero perder meu voto.»

O distinto leitor achou graça? Parece conversa surreal? Pois acredite: em tempo de eleição, papo desse tipo é muito mais comum do que se imagina. Na cabeça de muita gente, «ganhar o voto» é escolher o candidato vencedor. E vice-versa: os que tiverem votado no derrotado «perderam o voto».

A um ano das eleições gerais do ano que vem, o termômetro político já começa a subir. Como é costume entre nós, regras são instáveis. Vai-se pra cama hoje sem saber qual será a lei amanhã. Neste momento, ninguém sabe como será regulado o pleito de 2018. Propaganda eleitoral, habilitação prévia de candidatos, limite de gastos, financiamento e partilha do fundo eleitoral ainda estão sendo discutidos.

Um ponto importante ainda em debate concerne à divulgação dos resultados de pesquisas eleitorais. Pelas normas atuais, podem ser publicados até a véspera da eleição. A comissão da Câmara que trata do assunto propõe que a divulgação de pesquisas seja interrompida uma semana antes do pleito. É notícia boa ou má?

by Constantin Ciosu (1938-), desenhista romeno

Levando em conta o baixo grau de politização do eleitorado brasileiro, a proliferação de partidos e a ausência de programas claros e consistentes ‒ e a conversa surreal reproduzida no início deste artigo ‒ acredito que a notícia tem seu lado positivo. A não-divulgação de sondagens de última hora tende a limitar o voto «maria vai com as outras». De fato, partidos e candidatos serão forçados, com antecedência maior, a definir seu programa e a declarar a que vêm.

Na própria França, onde os cidadãos têm consciência mais aguda do valor do voto, a lei determina que pesquisas deixem de ser publicadas 48 horas antes do dia da eleição. Toda propaganda eleitoral tem de cessar com a mesma antecedência.

Institutos de pesquisa conhecem as manhas. A formulação da pergunta, a ordem em que são apresentados os candidatos, a própria ênfase com que o entrevistador pronuncia o enunciado podem influir na resposta. Sutilmente, o formato do questionário pode induzir o entrevistado a pender para este ou para aquele lado. Pesquisa mal-intencionada divulgada às vésperas da eleição pode virar o jogo, o que é péssimo.

Felizmente, para cargos majoritários, temos um segundo turno, ocasião que permite a cada eleitor corrigir o que lhe parecer fora de lugar. Uma boa ideia seria instaurar eleição em dois turnos também para deputados. Para isso, no entanto, há que instituir primeiro o voto distrital. Chegaremos lá, mas parece que ainda não será desta vez. Cada coisa em seu tempo.

Vai acento aí?

José Horta Manzano

Nossa terra tem acentos
Que outras terras não têm.

Petrobras 3Pois é, conheço poucas línguas com tantos sinaizinhos gráficos como a nossa. Agudo, grave, circunflexo, til – são tantos! E olhe que nos proibiram de usar o trema, o mais charmoso de todos. O cê cedilha contribui para acrescentar exotismo a nossa escrita. Não é qualquer um que tem letra com rabinho.

No contexto lusofalante, a falta de um acento costuma surpreender. Um «mensalao» ou, pior, uma «corrupcao» deixa embatucado o leitor. O contrário é verdadeiro. Para quem não está habituado ao português escrito, nossos acentos parecem extravagantes. Deixam o leitor sem saber como pronunciar.

Por essa razão, futebolistas brasileiros radicados no exterior optaram por eliminar sinais gráficos de seu nome. Gazetas esportivas estrangeiras costumam grafar Brandao, Kaka, Cesar, Nene, Xandao, Leo, Fabio. Dá pra entender por quê.

Anos atrás, quando começou a se agigantar e a se internacionalizar, a Petrobrás enfrentou o mesmo problema. No estrangeiro, a maioria dos que viam aquele á, assim, com um risquinho em cima, titubeavam na hora de pronunciar. A companhia tomou a decisão de abandonar o risquinho. Virou Petrobras.

Enluminure A 1Nossa ortografia, periodicamente chacoalhada por pequenos sismos e pesados terremotos, ainda não cassou o acento agudo das oxítonas terminadas em a seguido ou não de s. Portanto, dentro das fronteiras tupiniquins, o nome daquela que já foi a maior companhia nacional deve-se escrever Petrobrás, assim, com acento.

Sabe Deus por que, a imprensa decidiu dobrar-se às exigências do marketing. É sintomático. Desvela a que ponto, em nosso País, maria vai com as outras. Propaganda e marketing fazem a lei.

Petrobras 3Consultei O Globo, Folha de São Paulo, Correio Braziliense, Estado de Minas, Zero Hora, Gazeta do Povo, Veja, Diário do Poder, Jornal do Brasil. Todos eles grafam Petrobras sem acento.

Mas nem tudo está perdido, minha gente. Sobrou o último dos moicanos. O respeitado Estado de São Paulo é o derradeiro baluarte. Bota acento no nome da petroleira. Eu também.