No fundo do poço

José Roberto Guzzo (*)

Em seu desabamento progressivo, Lula, com a ajuda empolgada do PT, quis representar o papel de mártir. Péssima ideia. Brasileiro, no fundo, não gosta de gente que está na cadeia. Não acha que as penitenciárias estejam cheias de injustiçados. Acha o contrário: que há muita gente culpada do lado de fora.

Para a maioria do eleitorado, Lula não é vítima, nem preso político. É só um político ladrão que foi condenado ‒ como deveriam ser nove entre dez dos que continuam soltos. Não é um julgamento sereno, mas é assim que a massa pensa e continuará pensando, e vai apenas perder seu tempo quem quiser convencê-la do contrário.

Revela muito da decomposição política de Lula e do PT o fato de terem achado que uma cela de cadeia é um lugar capaz de despertar admiração no povo ou de servir como centro de comando de uma campanha eleitoral.

(*) José Roberto Guzzo é jornalista e colunista.
O texto foi extraído de artigo publicado na revista Veja.

Para o Juízo Universal

J.R.Guzzo (*)

O Supremo Tribunal Federal já deixou, há muito tempo, de ter alguma relação com o ato de prestar justiça a alguém. O que se pode esperar da conduta de sete ministros, entre os onze lá presentes, que foram nomeados por um ex-presidente condenado a doze anos de cadeia e uma ex-presidente que conseguiu ser deposta do cargo por mais de 70% dos votos do Congresso Nacional?

Outros três foram indicados, acredite quem quiser, por José Sarney, Fernando Collor e Michel Temer. Sobra um, nomeado por Fernando Henrique Cardoso – mas ele é Gilmar Mendes, justamente, ninguém menos que Gilmar Mendes.

Deixem do lado de fora qualquer esperança, portanto, todos os que passarem pela porta do STF em busca da proteção da lei. Quer dizer, todos não ‒ ao contrário ‒, o STF é o melhor lugar do mundo para você ir hoje em dia, caso seja delinquente cinco estrelas com recursos financeiros sem limites para contratar advogados milionários.

O STF, no fundo, é uma legítima história de superação. Por mais que tenha se degenerado ao longo do tempo, a corte número um da Justiça brasileira está conseguindo tornar-se pior a cada dia que passa e a cada decisão que toma.

Ninguém sabe onde os seus ocupantes pretendem chegar. Vão nomear o ex-presidente Lula para o cargo de Imperador Vitalício do Brasil? Vão dar indulgência plenária a todos os corruptos que conseguirem comprovar atos de ladroagem superiores a um milhão de reais? Vão criar a regra segundo a qual as sentenças de seus amigos, e os amigos dos amigos, só «transitam em julgado» depois de condenação no Dia do Juízo Universal?

(*) José Roberto Guzzo é jornalista e colunista.
O texto foi extraído de artigo publicado no site da revista Veja. Vale a pena continuar a leitura.

Frase do dia — 301

«Uma das maneiras mais seguras de perder tempo, daqui para a frente, será prestar atenção ao que Dilma vai dizer enquanto sua situação legal não ficar tecnicamente definida.»

José Roberto Guzzo, jornalista, em artigo publicado na revista Exame desta semana.

Coisas estranhas

José Horta Manzano

É grande a influência exercida pela gíria da malavita portenha ― o lunfardo ― sobre a fala brasileira. Em dez° 2012, escrevi um artigo sobre o assunto. Está aqui no blogue, para quem perdeu.

Meu atenciosos leitores já devem ter-se dado conta de que tenho grande interesse por línguas e, principalmente, pelas relações e pelo entrelaçamento entre elas. Acho fascinante constatar a solução que cada povo encontra para suprir seu estoque de palavras quando lhe falta alguma.

É proibido colar

É proibido colar

Há casos em que o termo estrangeiro é importado na forma original, sem mudar uma letra. A palavra vinda de fora pode também, às vezes, ser adaptada à forma ou à fonética da língua que a recebe. Há casos ainda em que nova palavra é criada para nomear a novidade. Conquanto haja línguas mais criativas que outras, todas se valem de todos os métodos: cópia, adaptação, criação de novo termo. Cada caso é um caso.

Fui, durante uns 20 anos, assinante da revista Veja. Nos tempos pré-históricos em que não havia internet, era uma das raras maneiras de manter vivo o cordão umbilical que saía daqui e desembocava em terra tupiniquim. Embora chegassem com atraso de uma ou duas semanas, as notícias vinham. Não fosse isso, o divórcio se teria consumado. De uns dez anos para cá, o advento da rede sacudiu as comunicações. Receber informação sobre fatos ocorridos duas semanas antes deixou de fazer sentido nestes tempos de transmissões ao vivo. Cancelei minha assinatura.

Contei tudo isso para chegar ao assunto de hoje. Dois dias atrás, recolhi na rede um artigo sobre a influência da gíria argentina na fala brasileira. Em meio a passeio despretensioso, encontrei-o no blogue de Ricardo Setti, alojado no site da revista Veja. O escrito é atribuído a José Roberto Guzzo, medalhão da revista há 45 anos. É justamente o articulista que, semana sim, semana não, escrevia o texto da última página, alternando com Pompeu de Toledo ― não sei se o regime continua. Transcrevi o artigo neste blogue sem esquecer de lhe dar o devido crédito, evidentemente.

Semana passada, um amigo gaúcho, conhecedor de meu interesse por relações linguísticas, me tinha sugerido que desse uma espiada numa entrevista dada por um professor a uma emissora de tevê do Rio Grande. O entrevistado tecia justamente comentários sobre a influência do lunfardo no falar nosso. Não tive tempo de seguir a sugestão naquela hora. Os dias se passaram, e só hoje fui conferir.

O vídeo traz a edição de 15 de outubro do programa Jornal da Pampa, emissão diária da TV Pampa. Quem quiser dar uma olhada vai encontrar o vídeo aqui no youtube.  Era dia do professor. A âncora do programa estava recebendo vários convidados ilustres, entre os quais o professor Jarbas Lima, advogado, político e professor universitário, um figurão.

É proibido colar

É proibido colar

Levei um susto. Lá pelo minuto 13:30, Jarbas Lima realmente discorre sobre as marcas de tingimento que nosso falar guardou do lunfardo. Observador que sou, notei também que certas expressões utilizadas pelo professor Lima foram reproduzidas ipsis litteris no artigo de Guzzo. «Os brasileiros somos os maiores importadores de palavras argentinas» é a fala inicial do professor, como também consta da introdução do artigo da Veja. Para simbolizar a chegada (de navio) do vocabulário portenho ao Brasil, o professor Lima menciona o porto de Santos e a Praça Mauá, no Rio de Janeiro. Guzzo usa exatamente a mesma metáfora.

Mas o mais surpreendente é a relação de palavras platinas utilizadas no nosso dia a dia. As palavras citadas pelo professor Lima são: otário, afanar, engrupir, embromar, cambalacho, bacana, bronca, fajuto, punguista, fuleiro, grana, gaita, escracho, cana, tira, lábia, patota, cabreiro, pirado, campana, mina, barra-pesada. O jornalista Guzzo cita exatamente as mesmas, declamadas na mesmíssima ordem.

Para mim, ficou evidente que um dos dois havia decalcado a ideia do outro. O programa gaúcho foi ao ar no dia 15 de outubro ― conforme comprova o vídeo do youtube. A revista Veja só foi publicada quatro dias depois. Não é difícil inferir qual é o original e qual é cópia.

Não se pode reinventar a roda diariamente. As ideias que temos são necessariamente produto da informação que recebemos. Mas é importante fazer a diferença entre um artigo inspirado em alguma ideia e uma transcrição do pensamento de alguém. O fato de o artigo não ter citado a fonte é particularmente deselegante. O jornalista demonstrou que realmente acredita no fecho de seu próprio texto: o Brasil é um país de otários.

Interligne 18cResumindo:

Meu artigo “Lunfardo”, de 19 dez° 2012
Programa Jornal da Pampa de 15 out° 2013
Artigo de J.R.Guzzo transcrito no blogue de Ricardo Setti, 19 out° 2013
Artigo de J.R.Guzzo transcrito neste blogue em 20 out° 2013

Clientela ideal

J. R. Guzzo (*)

O Brasil, como bem sabem os estudiosos da língua portuguesa tal como ela é falada por aqui, é o maior importador mundial de palavras argentinas. Não espanholas, como a conhecida caramba, por exemplo – argentinas mesmo, ou, mais precisamente, portenhas, vindas diretamente das calçadas mais pobres de Buenos Aires para o cais do Porto de Santos e a Praça Mauá, no Rio de Janeiro, de onde transbordaram para o Brasil todo ao longo dos anos.

Essas palavras e expressões vêm do lunfardo, ou “lunfa”, linguajar obscuro, enigmático e com vocabulário descolado do castelhano oficial da Real Academia Española; a maior parte dele pouco ou nada significa na Espanha, no México ou no Peru. Não chega a ser um idioma, mas é bem mais que uma gíria; aparentemente surgiu no fim do século XIX como meio de comunicação entre presidiários, criminosos em geral, proxenetas, vigaristas, batedores de carteira, vadios e outros malvivientes do submundo de Buenos Aires.

Dali se incorporou ao falar da rua, nos bairros pobres dos quais La Boca é o símbolo mais conhecido dos brasileiros, e logo em seguida às letras de tango – das quais, enfim, passou para o mundo.

Ou melhor: para o Brasil. O resto do mundo pode repetir palavras cantadas por Gardel, mas não as utiliza na sua linguagem corrente. Aqui, porém, entraram com todo o gás, e há décadas fazem parte do dia a dia do português falado pelos brasileiros.

A lista não acaba mais: otário, afanar, engrupir, embromar, cambalacho, bacana, bronca, fajuto, punguista, fuleiro, grana, gaita, escracho, cana, tira, lábia, patota, cabreiro, pirado, campana, mina (não no sentido geo­lógico), barra-pesada, e por aí se vai.

Haveria, na preferência nacional pela importação de palavras com esse tipo de significado, entre tantas outras que o lunfardo oferece, alguma atração especial da alma brasileira pela linguagem da marginalidade?

É coisa para os profissionais do ramo responderem, mas certas realidades não se podem negar: feitas todas as contas, a palavra argentina que teve mais sucesso no Brasil, do seu desembarque até o dia de hoje, é “otário”. Amamos essa palavra. Quer dizer: amamos essa palavra quando ela é aplicada aos outros ou, mais exatamente, quando não é aplicada a nós. Vale, então, como uma espécie de certidão negativa, que nos absolve de tudo aquilo que não queremos ser – bobos, enganados, passados para trás.

No Rio de Janeiro, especialmente, é coisa muito séria, do milionário ao engraxate, manter durante a vida uma reputação de não otário. Vale para o Brasil todo, é claro – ser chamado de otário, em qualquer ponto do território nacional, é ofensa grave. Mas no Rio, por alguma razão que é melhor deixar para a apreciação dos mestres em psicologia social, é insulto maior ainda – assim como é um orgulho, assumido ou disfarçado, considerar-se portador da imagem oposta, a do “malandro”.

Depende, naturalmente, da circunstância e do jeito com que a palavra é usada, mas é frequente que o indivíduo classificado como malandro sinta que recebeu um elogio. Vale como um genérico para todo tipo de avaliação positiva: ser tido como malandro é ser tido como inteligente, esperto, habilidoso, experiente, prático, capaz de cuidar de si mesmo, vacinado contra a suprema humilhação de “ficar no prejuízo”.

É comum, no Rio, o sujeito trabalhar de sol a sol, cozinhando no meio de um calor de 40 graus na operação de uma britadeira de rua ou na direção de um ônibus urbano, ganhando uma mixaria e sendo barrado na entrada de tudo aquilo que se considera “vantagens da vida”.

Ao mesmo tempo, sabe que é roubado todos os dias, que o governador do Estado usa helicópteros oficiais, mantidos à sua custa, para transportar seu cachorrinho de estimação entre o Rio e Mangaratiba, e que a casa onde mora pode vir abaixo nas próximas chuvas de verão. Não importa: ele vai morrer achando que foi um grande malandro, e que otários são os outros.

É uma situação de sonho para governantes, vendedores de ilusões e vigaristas de todas as especialidades; têm à sua disposição, sempre, uma clientela que é tola o suficiente para achar que não é tola nunca. O Brasil da esperteza, onde se cultua a “malandragem” em tudo, é, na verdade, um dos países mais crédulos do mundo.

Há poucos, do seu porte, com tantos ludibriados, ingênuos, trapaceados, compradores de mercadoria falsa vendida pela marquetagem política, levados na conversa por palavrório de palanque, prontos a acreditar em farsantes notórios – enfim, e com o perdão da palavra, com tantos otários.

(*) Por J.R.Guzzo, no blogue de Ricardo Setti