Tutti buona gente

José Horta Manzano

Dá muito gosto ver que, no exterior, nossos figurões continuam na ribalta, no centro das atenções. Vejam esta que nos vem da China.

China Global Television Network (CGTN) é um dos braços do poderosíssimo conglomerado estatal chinês de informação. Sua versão online em língua inglesa traz uma notícia de Angola.

Revela que a Igreja Universal do Reino de Deus, propriedade do bilionário ‘bispo’ Macedo, está enfrentando sérios problemas com a justiça. Em Angola, um dos 130 países onde está implantada, a empresa está sendo processada pela prática de numerosos crimes, como: associação criminosa, fraude fiscal, exportação ilícita de capitais, abuso de confiança & conexos. Vejam só.

Sexta-feira passada, o procurador-geral do país decretou o confisco de sete templos da empresa, situados em território angolano.

En passant
Doutor Macedo não é aquele amigão de doutor Bolsonaro? Não é aquele que (re)batizou o presidente e teve a honra de aparecer a seu lado no desfile do 7 de setembro? Pois então, diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és. Estão ambos sintonizados na mesma frequência. Baixa frequência, naturalmente.

E ponto final

José Horta Manzano

Continuam a ser registrados testemunhos de apoio à bizarra (e contestada) decisão de conceder passaporte diplomático a senhor Edir Macedo, dono de importante seita neopentecostal. A portaria a garantir o documento foi assinada por doutor Araújo, nosso barbudo chanceler, aquele cujo espírito de abertura ao mundo é notório. A concessão do documento foi sustada por determinação de uma juíza federal.

Assim mesmo, a emissão do passaporte ganhou novo apoiador na figura do presidente da República, homem de visão e cultura raras, como é do conhecimento de todos. Em declaração encharcada de autoritarismo, doutor Bolsonaro garantiu que o privilégio outorgado ao prelado será mantido. “E ponto final“ ‒ acrescentou. A convicção de estar no caminho certo vem do fato de tal passaporte já ter sido concedido por governos petistas. “Ora, se eles concederam, por que não eu?“ ‒ é o implacável argumento do presidente.

Ademais, pastores, bispos e outros prelados gozam da mesma prerrogativa. Em sendo gente acima da ralé, têm direito a escapar de filas e amontoados onde poderiam até terminar contaminados, um horror!

Continua em cartaz a doutrina do nós também. Se todos fazem, por que não nós? ‒ era o moto dos adeptos do caixa dois no auge da Operação Lava a Jato. O fato de outros já terem errado não justifica que se continue errando. Ao amparar-se nesse alicerce bambo, doutor Bolsonaro mostra que ainda não conseguiu escapar das manhas da velha política. O prolongado uso do cachimbo deixou-lhe torta a boca.