Baú de memórias ‒ 4

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Volto hoje a abrir meu baú de memórias para relembrar experiências vividas em torno de um de meus temas favoritos: os fenômenos paranormais, transcendentais ou de cunho espiritual.

Desde muito pequena, eu já experimentava a sensação de que havia mais mistérios entre o céu e a terra do que poderia supor minha galopante imaginação. Contavam meus pais que, apesar de conviver com quatro irmãos dentro de um apartamento pequeno, sempre fui uma criança retraída e solitária, que preferia passar as tardes em longos diálogos com um amigo imaginário.

Filha de mineiro e criada com a ajuda de auxiliares domésticas nordestinas, fui exposta desde muito cedo a todo tipo de lendas e crendices. Minha avidez pela leitura logo permitiu que outros personagens míticos passassem a compor novas facetas do meu universo mental. A rígida formação religiosa que recebi, calcada no Velho Testamento, encarregou-se de completar o quadro, trazendo à tona o lado sombrio e aterrorizante do mundo além dos sentidos, povoando meu cotidiano com relatos de possessão demoníaca e incorporação de espíritos.

Centenas de vezes ao longo de minha infância e adolescência, benzedeiras, cartomantes, ciganas e videntes cruzaram acidentalmente meu caminho. Milhares de vezes me angustiei ao sentir que era capaz de ter premonições ou experimentar transmissão de pensamento.

Em consequência dessa overdose de estímulos, acabei desenvolvendo uma espécie de estudada indiferença ou até ojeriza a tudo que não passasse pelo crivo da razão, da lógica, ou que não pudesse ser comprovado cientificamente. O medo, o ceticismo e a descrença rapidamente me levaram a me afastar em definitivo de todas as formas de ocultismo e espiritualismo.

Até que um dia um amigo insistiu para que eu o acompanhasse a um encontro com um médium espírita. Eu havia acabado de passar por uma perda afetiva importante e havia afundado em interminável estado de melancolia. Por mais que eu relutasse em acreditar que a solução do problema estivesse em outro plano, meu amigo nutria a esperança de que uma conversa com esse médium pudesse ter algum efeito terapêutico e me abrisse novas perspectivas de vida.

Ao entrar, fui logo levada para uma sala de consultas pequena, iluminada apenas por luz negra. O médium estava em pé, imóvel e em silêncio. Seus olhos pareciam irradiar hipnotizantes faíscas de luz. Incomodada com a dramaticidade daquele ambiente soturno, imaginei ter caído em uma arapuca e estar prestes a ser vítima de um farsante. Determinei-me logo de saída a não acreditar em uma única palavra que ele me dissesse.

Como se adivinhasse meus pensamentos, ele me encarou com toda a serenidade e disse apenas: “Não acredite…”. Ficou mais alguns segundos em silêncio e repetiu a frase. Quase caí de costas. Buscava desesperadamente indícios de que algo em meu corpo estivesse facilitando o recebimento da mensagem de descrença, como a contratura de músculos ou meus olhos esbugalhados. Não tive tempo para dar continuidade a minhas divagações.

Logo ele deu prosseguimento a suas sentenças enigmáticas. “Vocês, psicólogos terrenos, são muito mecanicistas…”. Minha incredulidade e irritação só faziam aumentar. Como ele podia saber que eu era psicóloga se sequer havíamos sido apresentados? Pode ser que meu amigo tenha lhe dito, pensei, tentando me tranquilizar, mas sem conseguir afastar a angústia.

“O ser humano é uma unidade bio-físio-psico-social-espiritual… Por que você não vai estudar o que acontece ao nível das sinapses com a substância negra?“. Desta vez, uma forte onda de pânico tomou conta de mim. A frase estava muito além do conhecimento rudimentar de um ilusionista, requeria conhecimento técnico especializado. Meu amigo havia me dito que o tal médium era um advogado na vida cotidiana, mas que, em estado de transe, incorporava o espírito de um médico (que só vim a saber depois que se tratava de Bezerra de Menezes).

Tentei reativar na memória, sem sucesso, as lições de fisiologia que havia tido na faculdade. Ao voltar para casa, procurando em meus manuais, verifiquei que estranhos pontos negros se aglomeram nas terminações nervosas quando um estímulo adquire caráter vital. A analogia usada para explicar a função dessa substância era a de um trem de metrô que tem prioridade e, portanto, recebe o sinal verde em todas as conexões ao longo do trajeto. Só décadas mais tarde consegui estabelecer um vínculo entre esse fenômeno e o que o médium chamava de mecanicismo das teorias psicológicas.

A intrigante experiência não parou por aí. Logo na sequência, o médium pediu que todos os presentes saíssem da sala e nos deixassem a sós. Prendi a respiração, tentando me preparar para vivências ainda mais aterrorizantes. Calmamente, ele me pediu que me deitasse em um colchão que estava no chão. Obedeci sem nem saber por quê. Ele se inclinou, pegou meu pulso com delicadeza, sem dizer absolutamente nada. Lembro apenas de ter fechado os olhos.

by Ramone Romero

Para meu supremo espanto, acordei algumas horas depois, com a sensação de que havia tido um longo e agradável sonho, sem, contudo, me lembrar de nenhum detalhe específico. Não conseguia acreditar que aquilo tivesse acontecido comigo. Na época, eu enfrentava uma crise severa de insônia e já havia tentado vários recursos para pôr fim a ela, sem sucesso. Como era possível eu ter conseguido relaxar em um ambiente estranho, na presença de uma pessoa que me inspirava temor e sem que nenhum comando específico, verbal ou não-verbal, tivesse sido dado?

Ao abrir os olhos, vi que os médiuns auxiliares estavam postados em torno do colchão, com os braços estendidos, formando um círculo de passe. Sem fazer qualquer referência ao que havia se passado, o médium pediu que me sentasse numa cadeira, com suportes metálicos para os braços. Orientou-me a me concentrar mentalmente em uma figura protetora, paternal. A imagem de Cristo apareceu diante de meus olhos. Tentei embarcar numa peregrinação religiosa, mas não fui muito longe. Prestava mais atenção aos meus descompassados batimentos cardíacos, que impediam que meu pensamento seguisse um roteiro linear.

Alguns minutos depois, tive a nítida sensação de que meus braços haviam se erguido, sem que eu os tivesse comandado. A sensação era tão forte que me vi forçada a abrir os olhos. Constatei, horrorizada, que eles estavam mesmo levantados. Literalmente perplexa, empurrei-os de novo para baixo, com força. Muitos anos depois, durante uma sessão de Kum Nye, um método de meditação do budismo tibetano, aprendi que, quando o cérebro entra em estado alfa, esse fenômeno pode ocorrer e é chamado de “movimento automático”.

Parecendo satisfeito com os resultados obtidos, o médium se sentou então em frente a uma escrivaninha e pôs-se a redigir uma receita. Olhando de relance para o papel que ele me estendeu, percebi que haviam sido prescritos alguns chás e medicamentos fitoterápicos. Com voz segura e calma, o médium me alertou que, se eu não tomasse providências, dentro de um ano estaria enfrentando uma doença grave.

A essa altura, talvez por cansaço, minha arrogância intelectual havia reocupado lugar de destaque em meu psiquismo. Cheia de ironia, comentei com meu amigo que nada daquilo fazia lógica e rasguei com fúria o papel. Exatamente um ano mais tarde eu fui diagnosticada com um câncer.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Baú de memórias ‒ 3

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Lá bem no fundo do meu baú de recordações estão aninhadas memórias que eu respeitosamente cataloguei sob o título de “Religiosidade”. Porém, como se poderá constatar a seguir, o respeito que pretendi imprimir ao conceber esse rótulo está restrito, confesso, ao desejo de demonstrar obediência às regras formais da igreja de meus pais.

A religiosidade sempre me pareceu uma manifestação transcendental menor quando comparada à espiritualidade. Muito cedo em minha vida intuí que as religiões não passam de formas mais ou menos acanhadas de grilagem do terreno espiritual. Cada denominação religiosa chama para si a glória de ser “a única” ou “a verdadeira”, aquela que, por razões históricas ou graças à virtude de seus profetas, está mais próxima de desvendar com fidelidade a vontade de Deus. Todas devotam-se com afinco às tarefas de expandir os limites territoriais de sua gleba e, ao mesmo tempo, opor-se com veemência às tentativas de expansão do território das demais. Eventuais contradições entre os dogmas e a prática religiosa dos fiéis me ensinaram também que ser praticante desta ou daquela não habilita ninguém a penetrar mais suavemente nos mistérios do sagrado.

luz-1Fui criada dentro da tradição católica. Meu pai, rato de igreja contumaz, jamais abriu mão da exigência de que todos os filhos assistissem à missa de domingo. Para ele, o horário ideal para que isso acontecesse era um pouco antes do almoço, de tal forma que pudéssemos nos manter em jejum e comungar sempre que possível. Minha mãe era forçada a permanecer em casa preparando o almoço. Embora a divisão me parecesse injusta e machista, nunca confrontei a necessidade dessa regra, uma vez que minha mãe parecia estar bem adaptada a ela.

Certa vez, a parábola apresentada durante a leitura do evangelho dizia respeito às “migalhas que caem da mesa dos poderosos” e alimentam os mais pobres. Francamente impressionada com aquele duro chamamento à responsabilidade social de todo cristão, eu saía feliz da igreja quando tropecei num mendigo com a mão estendida, pedindo algum dinheiro para mitigar sua fome. Envergonhada e culpada por já antever o prazer de consumir a farta refeição que minha mãe certamente havia preparado, olhei para meu pai na expectativa de que ele agisse de modo generoso. Incrédula, vi-o ignorar ostensivamente a presença incômoda daquele pedinte e nos arrastar de volta para casa. O choque que experimentei na ocasião foi suficiente para que eu, daquele dia em diante, vigiasse com mão de ferro a compatibilidade entre minhas crenças religiosas e minhas atitudes na vida.

Quando chegou minha vez de fazer a primeira comunhão, fui entregue aos cuidados de minha madrinha de batismo. Religiosa até a medula, essa mulher era um modelo vivo das virtudes cristãs. Esmerava-se na tarefa de zelar pela formação de novos padres, financiando seus estudos, comprando roupas e acessórios, aconselhando e visitando regularmente os noviços. Fazia tudo sempre com um sorriso nos lábios e era também gentil e tolerante para com minhas travessuras de criança. Só tinha um defeito: sentia-se autorizada a fazer promessas em meu nome, sem sequer me consultar.

religiao-7Foi ela quem idealizou e confeccionou com as próprias mãos meu traje de primeira comunhão. Sem que eu soubesse, no entanto, ela havia prometido doar o vestido a uma criança pobre tão logo terminasse a cerimônia. Eu, toda orgulhosa, ainda me sentindo a pessoa mais pura e iluminada do universo, posava para uma foto na frente da igreja, quando ela se aproximou por trás e literalmente arrancou meu traje de primeira comunhão. Não posso ocultar que me senti duplamente desnudada: embora fisicamente eu vestisse outra roupa por debaixo, minha moldura religiosa me havia sido surrupiada e minha pequeneza interior, escancarada. Foi o segundo golpe preparado pelo destino a abalar minha convicção quanto à insuperável superioridade moral dos católicos.

Dali por diante, aprendi a recitar orações e textos religiosos sem ter consciência plena dos significados, a confessar pecados que eu sentia não ter cometido, a implorar por graças em momentos de aflição, me comprometendo a não voltar a pecar caso fosse atendida, mesmo sabendo que muito provavelmente não cumpriria a promessa.

A gota d’água que fez transbordar o copo da minha religiosidade de fachada aconteceu quando eu me preparava para enfrentar a última prova do vestibular. Tratava-se de um teste psicológico que definiria se eu possuía ou não condições emocionais para me profissionalizar na área. Como é fácil de imaginar, eu estava especialmente ansiosa naquele dia. Queria chegar cedo à faculdade e reservar um tempo para relaxar e me concentrar. Fiz seguidas tentativas de apressar meu pai: o dia dele só começava depois de um banho, do café da manhã e da leitura do jornal. Esperar que todo esse ritual fosse cumprido me parecia uma perda de tempo indesculpável. Pedi, gritei, chorei, protestei e implorei infinitas vezes. Lá pelas tantas, ele abriu a porta do quarto com violência e, sem nem mesmo tomar café, me arrastou furioso para o carro.

luz-2Durante todo o trajeto, eu e ele permanecemos em silêncio absoluto. O prédio da faculdade ficava ao lado de uma igreja. Ele estacionou o carro bem em frente a ela e, sem me dizer nada, me forçou a entrar e assistir a uma missa do começo ao fim. Não é preciso dizer que minha ansiedade e irritação atingiram o ápice ao longo da cerimônia. Quando ela terminou, eu me sentia psicologicamente destruída, sem condições mínimas de comprovar minha saúde mental. Não posso culpar exclusivamente essa sequência de eventos dramáticos por minha reprovação no teste. Jamais saberei se, em condições normais, eu teria recebido as bênçãos dos profissionais da área para meu noviciado em Psicologia.

A única coisa que sei com certeza é que esse dia foi decisivo para eu abandonar de vez o proselitismo religioso familiar e me abrir a toda sorte de novas experiências. Envolvi-me prazerosamente com a leitura das obras e com as práticas do espiritismo, do zen-budismo, da antroposofia (chamada por seu fundador de ciência espiritual) e do candomblé.

Qual foi o balanço final desse percurso religioso? Acredito que meu maior ganho foi ter sido capaz de desenvolver uma visão ecumênica da necessidade humana de buscar respostas para suas questões existenciais num plano que vai muito além do cérebro e da ciência.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Crença

Fábio Porchat (*)

Religião 1Atendente
Boa tarde, posso ajudar?

Cliente
Eu tava querendo uma religião.

Atendente
Ah, bem legal. Tá procurando alguma coisa específica?

Cliente
Não, é mais pra distrair mesmo.

Atendente
Bom, se é para distrair, a gente vai ter uma religião católica aqui que pode ser bem interessante.

Cliente
Será? Não sei. Tô achando meio batida.

Atendente
Bom, a mais da moda é o islamismo mesmo.

Cliente
Mas daí é muito empenho, eu queria uma coisa mais pra usar em casa, uma coisa mais levezinha.

Religião 2Atendente
Temos o budismo que é bem em conta e tá saindo muito.

Cliente
É uma, hein?

Atendente
É bem relaxante essa.

Cliente
Essa aqui é qual?

Atendente
Essa é a cientologia.

Cliente
Como é que é essa aí?

Atendente
Ah, o espiritismo. Hoje o espiritismo está na promoção, tá? E se você quiser levar um espiritismo, paga apenas 50% em qualquer umbanda dessas daqui. Candomblé também.

Cliente
Aceita cartão?

Atendente
Todas as bandeiras. A evangélica é que tem muita gente usando. Mas daí custa um pouco mais caro.

Cliente
E o judaísmo, hein?

Atendente
Tem que pedir no estoque e ver se eles autorizam.

Cliente
Tá.

Atendente
Se quiser uma coisa um pouco mais radical temos uma mórmon aqui que pode ser a sua pedida. Até a Testemunha de Jeová também é uma opção…

Cliente
Não sei, acho que eu vou dar mais uma olhada.

Religião 3Atendente
Se você quiser, a gente pode aqui preparar uma mistura pra você com um pouquinho de tudo. Funciona bem também. O brasileiro adora. É um pacotão completo: Você passa a acreditar em Deus, acha que vai pro céu, mas também acende uma velinha, vê espírito, medita, pula sete ondinhas e lê a Bíblia.

Cliente
Ah, gostei dessa.

Atendente
Todo mundo gosta.

Cliente
Mas coloca aí nesse pacote as 70 virgens.

Atendente
Quer que embrulhe?

Interligne 18h

(*) Fábio Porchat é empresário e figura da mídia. Crônica publicada no Estadão.