Véus, burcas e cabelos curtos

José Horta Manzano

Que me perdoe o distinto leitor se a leitura deste artigo coincidir com a desgustação de um sorvete ou de outro alimento. O ditado que vou citar não é o mais apropriado para essas horas: certas coisas, quanto mais se mexe, mais fedem. Suavizei um pouco para espíritos sensíveis.

Tempos houve em que a França dominava metade da África. No apogeu do império colonial, a Argélia era o florão da coroa: a colônia preferida, a mais rica, a mais próxima, a mais promissora, a que concentrava maior número de colonos da metrópole. Era parte integrante do território nacional. A partir da independência, no começo dos anos 60, a sólida fraternidade entre matriz e filial se espatifou.

Praia 5Assim mesmo, a França continuou ‒ e continua até hoje ‒ a exercer irresistível atração sobre jovens argelinos. Os laços tecidos durante século e meio de colonização deixaram marcas. Os franceses descendentes de argelinos estão hoje na casa dos milhões. A esses, juntam-se outros norte-africanos cujos antepassados vieram do Marrocos e da Tunísia. Sem esquecer que a imigração continua.

As leis francesas proibem o recenseamento de raças e origens. Portanto, toda estatística sobre a presença de maometanos será estimativa não oficial. De qualquer maneira, há muita gente. A imensa maioria, embora guarde proximidade com a religião dos pais e avós, não segue rigorosamente os preceitos. Os descendentes se espalham por todos os matizes ‒ vão dos mais agarrados às tradições aos que já se distanciaram definitivamente.

Foto de Marc Ferrez

Foto de Marc Ferrez

Na França, estes últimos anos, vem crescendo a polêmica sobre mulheres que se vestem à moda islâmica. Antes de seguir, devo esclarecer que faz pouco sentido falar em «moda islâmica», expressão que acabo de inventar. Entre véus, hidjabes, nicabes e burcas, cada região tem suas tradições. Se a burca, que cobre totalmente o corpo, é comum no Afeganistão, quase não se vê na Indonésia, maior país maometano do planeta.

Acho uma pena dar tanta importância a coisa pouca. Que cada um se vista como lhe parece. Não é com leis, decretos e proibições que se resolve esse tipo de problema. Pelo contrário, controles e proibições tendem a exacerbar ânimos. A meu ver, o melhor remédio é a paciência, que o tempo acaba pondo as coisas no lugar.

Praia 4Imagens do Brasil de 150 anos atrás mostram negras africanas vestidas à maneira tradicional. Sem proibições nem perseguições, isso desapareceu em benefício de roupas que não mais desvelam as origens de cada um. Hoje em dia, trajes tradicionais africanos só são usados em ocasiões especiais ou por vendedoras de acarajé.

Estes dias, o STF decidiu autorizar pessoas tatuadas a prestar concurso público.  É atitude positiva, um passo na boa direção. Fico pensando no escândalo provocado pelas primeiras mulheres que ousaram apresentar-se com cabelo curto, no início do século passado. Naquela ocasião, não houve proibição, todos se acostumaram e o tempo acabou dando um jeito. Ninguém segura o progresso.

A atração do lucro

José Horta Manzano

Semana passada, depois de hesitar por um tempo, a Fifa formalizou sua decisão: no futebol feminino, ficam as jogadoras autorizadas a atuar com a cabeça envolta pelo véu islâmico. A entidade máxima do ludopédio acredita que, com isso, a disseminação do esporte se fará mais facilmente nos países muçulmanos. É sempre um dinheiro a mais que vai guarnecer os cofres da organização, isso sim.

À primeira vista, é decisão sem grande alcance. Se futebol feminino já é esporte pouco difundido, o interesse do apreciador brasileiro médio por um jogo entre mulheres cobertas por véu é praticamente nulo. Assim é na maior parte do globo. Seria como se anunciassem que os jogadores de críquete estão proibidos de usar roupa verde, para evitar que se confundam com o gramado. Que coisa mais sem importância, não?

Futebol com véu islâmico

Futebol com véu islâmico

Pois o mundo é vasto. O que passa batido por aqui pode engasgar ali. Em alguns países europeus ― mas especialmente na França ― a integração de imigrantes de origem muçulmana tem sido problemática. Uma sequência de erros históricos cometidos nos últimos 60 anos levou a uma situação bastante tensa.

Na França, o uso do véu é regulamentado. A burca ― o véu integral ― é banida do espaço público. Quanto aos outros tipos de mantilha, não se passa uma semana sem que estoure algum incidente. Ora é uma funcionária pública que se obstina a cobrir a cabeça onde não é permitido, ora é uma jovem muçulmana agredida por ter andado descoberta nas cercanias de um bairro majoritariamente muçulmano.

A situação é confusa. Franceses de origem europeia se sentem invadidos. Franceses de origem árabe se sentem discriminados. Embora a convivência transcorra sem verdadeiros problemas, paira sempre no ar um perfume de desconfiança ― pra não dizer de ressentimento ― entre duas comunidades que têm dificuldade em se amalgamar. Políticos oportunistas fazem questão de soprar as brasas a fim de angariar votos entre os mais descontentes.

Pois bem, a decisão tomada pela Fifa causou um pequeno terremoto de Paris a Marselha, passando por Lyon e Nice. A lei francesa regulamenta o porte de véu por mulheres no espaço público.

Futebol com véu islâmico

Futebol com véu islâmico

A França é diferente do Brasil. Não passaria pela cabeça de um parlamentar francês alterar a legislação nacional para satisfazer a entidade máxima do futebol, como fizeram, sem hesitar, os eleitos brasileiros.

Gente do ramo foi entrevistada estes dias por jornais, rádios e emissoras de televisão. Todos se mostraram fechados a toda ingerência externa em assuntos internos do país. No estrangeiro, que cada um faça como quiser. No território francês, mulher que quiser jogar futebol terá de fazê-lo cabeça descoberta.

C’est comme ça ― assim é.