Farol

José Horta Manzano

Certas imagens que nos vêm à cabeça são irreprimíveis, impossível afastá-las. Ultimamente, tenho enxergado Bolsonaro como um farol de ponta-cabeça.

Como todos sabem, farol é um instrumento de sinalização luminosa, implantado em lugar alto e próximo à costa, que atua como ponto fixo de referência para orientar a navegação.

Pois eu vejo nosso presidente como farol virado de cabeça para baixo. Em vez de orientar as naves que buscam a luz, serve de guia e de polo de atração para criaturas das profundezas, aquelas que se movem nas trevas e lá pretendem continuar.

De fato, parece que esse homem só atrai coisa ruim. Nosso presidente justifica o dito “dize-me com quem andas, e dir-te-ei quem és”. Os que andam com ele boa coisa não são.

E vice-versa: aqueles que Bolsonaro rejeita já contam com um ponto a favor. Não conheço esse senador a quem ele ontem, com sua proverbial elegância, chamou de ‘bosta’; mas deve tratar-se de um bom rapaz. Pode até ter seus defeitos, mas não cometeu o pecado maior: não se vendeu ao capitão.