O céu de papel laminado

Priscila Ferraz (*)

Naquele tempo, não me causava estranheza um céu noturno com nuvens tão brancas. Eu ficava ali por o que eu achava que eram horas, mas as crianças não têm paciência para contemplar nada por mais do que alguns segundos.

Céu estreladoLembro-me do tempo em que eu ainda era criança, e o mundo, muito diferente. Encantava-me o pequeno presépio que minha mãe montava na nossa garagem para somente um carro. Colocava uma mesa debaixo do vão da escada, que formava um meio arco embaixo do qual colava papel laminado azul-celeste. Era nosso céu particular. Colava, sobre esse azul, estrelas de papelão com purpurina prateada e alguns chumaços de algodão à guisa de nuvens.

As figuras sacras e alguns complementos, ainda guardo com carinho de canceriana, e ano após ano vou tentando recuperar um telhado de palha, a forração da manjedoura, a pintura no nariz de São José, uma perninha quebrada do burro ou o chifre da vaquinha que compartilhavam o celeiro onde nasceu o homem mais conhecido da história.

O anjo da Anunciação mais o cometa, também de purpurina, dividiam o espaço que simbolizava o infinito, tão circunscrito ao pequeno vão de escada.

SP antigo 1Num tempo em que televisões ainda não habitavam cada lar brasileiro, as pessoas da vizinhança vinham ver nosso presépio, que ficava aberto à visitação. Meu pai tinha uma firma de instalações elétricas, e o Sr. Alcides, seu eletricista e padrinho de minha irmã, vinha fazer a iluminação das casinhas. A porta da garagem ficava escancarada, e qualquer passante era convidado a entrar em nosso lar para apreciar aquela belezura.

Outros tempos.

Sobre a mesa, mamãe colocava areia e papel-pedra simulando a paisagem de um distante Oriente. Ali pastavam cabras e vacas, e ciscavam galinhas com seus minúsculos pintainhos, que saíam dos jornais que os embalavam durante um ano inteiro para a alegria das três meninas da casa.

Durante um tempo, era colocada uma pequena vasilha que recebia moedas, não sei bem qual seria o intuito. Presente para o Menino Jesus?

PresépioTinha também um espelho simulando um lago onde ficavam patos e cisnes, e uma carrocinha puxada por um cavalo e dirigida por um infeliz que era, ano após ano, empalado num prego para que não caísse.

Motivo de discórdia eram os três reis magos, que deveriam chegar no Dia de Reis para a entrega dos presentes. Uma de minhas irmãs, a mais ansiosa, todos os dias empurrava-os para mais perto. Resultado: muito antes do Natal já estavam aos pés de Santa Maria com a mirra (o que seria isso?), o incenso (e isso?), e acho que o outro levava joias. Aí começava a discussão, que não raras vezes terminava em empurrões e choro, com direito a sermão da mãe:

“Onde já se viu? Duas irmãs brigando bem na frente de Jesus. Este ano Papai Noel não vem.”

Mais choro.

A decoração de Natal nos dias de hoje começa cada vez mais cedo, e já vejo o dia em que logo após a fogueira de São João entrarão as luzinhas de Natal.

Céu estreladoJá na nossa casa, com a chegada dos netos e sobrinhos, fica muito mais divertido montar aquele velho presépio, agora dentro de minha lareira com céu de veludo e luzinhas simbolizando estrelas. O que se passará na cabecinha deles? Será que também ficarão embasbacados? Não acredito.

Na era dos tablets e smartphones, é difícil encantá-los com meus bonequinhos descascados.

(*) Priscila Ferraz é escritora
www.kbrdigital.com.br/blog/category/priscila-ferraz/

Nunca antes

Priscila Ferraz (*)

Recordo-me muito bem de quando ainda estava criando meus filhos, tendo em mente um mundo ideal. Fazia questão de preencher aquele pequeno milagre que é o cérebro das crianças – um infinito de possibilidades – com aquilo que eu considerava correto e ético.

by Doru Axinte, desenhista romeno

by Doru Axinte, desenhista romeno

Quantas vezes os ouvi dizer: “Mamãe, mas todo mundo faz”, ou “sempre foi assim”.

Eu vinha com aquela célebre frase das mães: “Isso não é motivo para fazer errado. Se um amigo seu se atirar da ponte, você vai atrás?”

Gostaria de passar esse mesmo sermão àqueles que hoje, em sua defesa, nada mais têm senão algo como: “Não somos os únicos. Não somos os primeiros, antes de nós outros faziam.”

E daí? Só porque crucificaram Jesus, vamos crucificar alguém? Só porque se caçavam negros na África para escravizá-los, vamos fazer o mesmo? Só porque um louco resolveu exterminar toda uma raça, alegando que não eram satisfatórios, vamos encaminhar nossos irmãos para incineração?

Irmãos Metralha 1O que está em pauta é o que está acontecendo agora. Se ainda houver chances de punir malfeitos antigos, que se faça, mas com certeza temos de punir os crimes que estão sendo cometidos agora, se não, com que cara enfrento meus filhos? O que direi para meus netos? Com certeza, farei o mesmo sermão que fiz há tempos para minha prole, pois sou responsável por mim mesma. Não permitirei que façam de mim uma pessoa pior, tentando me igualar a eles.

by Dereck Bruno Lopes Teixeira, desenhista piauiense

by Dereck Bruno Lopes Teixeira, desenhista piauiense

Só podemos constatar que, isso sim, nunca antes na história deste país, quiçá do mundo, houve tanta corrupção dentro de um governo. Nunca antes teve tanta gente envolvida em crimes contra a população que um dia resolveu sufragar os políticos que hoje dirigem(?) nosso país.

Corrupção mata quando não destina verbas para a segurança e a saúde; leva à ignorância quando desviada da educação. O dinheiro que hoje enriquece os políticos e seus partidos, na intenção de perpetuá-los no poder, é do povo brasileiro.

Os corruptores já estão começando a ser julgados. Entretanto, os corruptos ou subornados – pois é isso que são, já que, sem propina, não se trabalha para o governo – são os que eu mais desejo ver no xilindró.

Algemas 1Dentre nossas instituições, hoje vejo a Policia Federal funcionando como nunca antes. Estão fazendo seu trabalho. Tenho esperança de que a justiça também faça o seu, pois serão lembrados por seus atos. Observe-se que notas de pesar nas redes sociais a respeito da morte de determinado ex-ministro receberam inúmeros comentários de ódio e raiva por ter ele liberado tantos criminosos das grades. Terá que trilhar um árduo caminho em busca de paz e descanso.

Nunca antes em minha vida desejei tanto ver a justiça triunfar.

(*) Priscila Ferraz é escritora
www.kbrdigital.com.br/blog/category/priscila-ferraz/

Yes, nós temos bananas

Priscila Ferraz (*)

Mais uma vez a demonstração de incivilidade é confundida com preconceito. Aqueles que não têm capacidade para se igualar a outro ser humano tendem a perder a fleuma, atacar e destruir o objeto de sua inveja.

Bananas 2Esta semana foi amplamente divulgado um vídeo onde se via um jogador de futebol brasileiro, mulato, pegar uma banana que havia sido atirada em sua direção, descascá-la, dar uma dentada e sair jogando seu magnífico futebol. Eu, que não sou vidrada em futebol nem conhecia muito o jogador, fiquei sua fã. A segurança do rapaz mostra que ele sabe o que é, e não se envergonha disso, pelo contrário, não se deixa abater por gesto tão insignificante. Os cães ladram e a caravana passa.

Me abespinha sobremaneira ver que ainda neste século XXI pessoas tão bem informadas sobre genética ainda achem que são diferentes entre si. Ora, conheço macacos que são loiros, e mesmo assim são símios, aliás, somos todos verdadeiros descendentes dos macacos.

Raça 1Por esse motivo mesmo, fico extremamente irritada quando se distribuem cotas para negros nas universidades. Essas pessoas têm tanta capacidade quanto quaisquer outras para competir de igual para igual nos estudos. Aqueles que não conseguem por seus próprios méritos atingir a nota mínima para cursar a faculdade têm, simplesmente, que procurar sua melhor habilidade; acho que seria ridículo tentar distribuir cotas para anões ou brancos em times de basquete. Eu, por exemplo, não tenho nenhum pendor culinário, e acho que não deveria ser admitida em uma cozinha de restaurante só porque é necessário espaço para avós sem emprego. Sei que tenho outros predicados e a eles me dedico. Eu me sentiria desconfortável de ser atendida por um médico que tenha sido admitido na escola simplesmente por ser negro.

Temos dificuldades de lidar com o diferente, é verdade, mas no Brasil é até engraçado dizer que somos preconceituosos, com a quantidade avassaladora de mulatos, ou seja, pessoas filhas de pais e mães de cores diferentes. Antes do advento do protetor solar em função do câncer de pele, ficávamos horas ao sol, somente para adquirir aquela cor de caramelo deliciosa.

Raça 2Nos relacionamentos amorosos, temos que convir que preferências existem. Tem quem goste de alto, magro, cheinho, gordão, baixote, negro, japonês, endinheirados não importando o tipo físico etc. Noto que os próprios negros, quando ficam ricos, sempre procuram e acham uma loira para se relacionar ― natural, de preferência. Questão de escolha. Eu mesma sempre digo, quando me perguntam se eu gostaria que minha filha, que é branca, se casasse com um negro: “Depende. Ele é boa pessoa?”

Estudei em escola pública, e lá tinha gente de todo tipo. Brincávamos juntos, sem notar suas peculiaridades, e acho que vem daí minha estupefação quando vejo gestos como o do torcedor invejoso. Mas, se pensarmos bem, há gente muito pior do que ele. Portanto, nada de passeatas contra o racismo, e muito menos “dia da consciência negra”, a não ser que se crie também o dia da branca e da amarela e de quantas cores mais houver.

(*) Priscila Ferraz é escritora
www.kbrdigital.com.br/blog/category/priscila-ferraz/