Virando a página

by Luciano “Kayser” Vargas (1970-), desenhista gaúcho

José Horta Manzano

No Brasil, ainda se ouve o eco das reclamações dos que ficaram desagradados com o resultado da eleição. Ainda tem gente imitando o guru Roberto Jefferson e jogando paus e pedras na polícia. E até dando tiros de revólver contra a força pública. A razão é que esses inconformados pressentem que dificilmente poderão contar de novo com um extremista na Presidência. O pesadelo (chamado de “sonho” por bandidos, garimpeiros selvagens, madeireiros ilegais, grileiros, milicianos e ingênuos) acabou.

Esse estropício que está de saída do Planalto conseguiu chegar lá em 2018 porque ninguém tinha a medida do que poderia ser um indivíduo nazi-fascista sentado no trono. Ninguém tinha nunca convivido com um. Agora todos sabem. É por isso que, pelas próximas décadas, é de duvidar que outro espécime da mesma laia seja eleito. Nem ele, nem uma imitação.

No Brasil, ainda pipoca aqui e ali uma notícia de rodapé sobre aqueles agrupamentos de gente embandeirada zanzando de um lado pro outro como se estivessem todos em estado de transe coletiva, a chorar o messias naufragado. Já no estrangeiro, Bolsonaro e seus devotos são página virada. O Brasil agora é mencionado em relação à COP27 e, cada vez mais, em relação à Copa.

O canal de informação contínua France Info se alegra de ver o Brasil de retorno à COP27(*) e lamenta que a China de Xi Jinping esteja ausente.

France Info

O sueco Nyheter 24 também se enche de esperança ao mencionar a presença de Lula na Conferência Climática. Diz textualmente:

“A recente vitória de Luiz Inácio “Lula” da Silva nas eleições presidenciais brasileiras é vista como um possível ponto de inflexão na luta pelo cumprimento das metas climáticas globais. Com o negacionista climático Jair Bolsonaro no poder, as florestas tropicais vitais da Amazônia foram desmatadas a um ritmo acelerado – o que Lula diz querer parar.”

Nyheter 24

O inglês The Guardian anuncia que o Brasil, a Indonésia e o Congo estão em tratativas para formar uma aliança estratégica para a conservação da floresta úmida. O novo clube, que reúne mais de 50% da floresta equatorial, já recebeu o apelido de “OPEP das Florestas Tropicais”, em alusão à Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

The Guardian

A edição alemã do site esportivo GOAL escolheu outro tema. Publica artigo sobre o fervor com que a Seleção canta o hino nacional. Lembra que, na Copa de 2014, o público presente no estádio continuava a cantar a cappella quando os 90 segundos regulamentares permitidos pela Fifa para cada hino se esgotavam e o acompanhamento musical silenciava.

Para completar, o artigo conta a história de nosso hino e traz a versão alemã da letra – com todos os versos. E inclui ainda um vídeo de um jogo de 2014 com o estádio inteiro cantando de pé. Era uma época em que vestir-se de amarelo significava apenas ser um cidadão direito, não de extrema-direita.

Goal (deutsche Ausgabe)

(*) COP = Conference of the Parties (Conferência das Partes). Na verdade, o nome em inglês é Climate Change Conference (Conferência de Mudanças Climáticas). No entanto, a sequência CCC foi abandonada visto que, na língua inglesa, a sigla já tinha mil e uma utilidades.

Na política dos EUA dos anos 1930:
Civilian Conservation Corps

Nos negócios:
Cash Conversion Cycle

Nos aplicativos de mensagem:
Coricidin Cough and Cold

Na escola:
Community Classroom Collaborative

Na administração californiana:
California Conservation Corps

Na área de saúde:
Clinical Competency Committee

Na temática LGBT:
Classic Closet Case

Interpol

José Horta Manzano

No momento em que escrevo, faz 13 horas que Bolsonaro foi oficialmente declarado derrotado nas urnas. Desde então, ele não se manifestou publicamente.

Cada hora de silêncio do capitão é uma bênção para a nação. Por um lado, poupa nossos ouvidos cansados de ouvir palavrões, xingamentos e ameaças. Por outro, afasta o receio de que o cafajeste tentasse virar o jogo soltando brucutus contra cidadãos inocentes.

A atitude do presidente derrotado é a de um homem amargurado, roído pelo rancor, temeroso de seu futuro sombrio. Ele mostra haver entendido que sua estrada chegou ao fim e que não há mais nada a fazer. Sua página está virada.

Os cobrinhos que possa ter amealhado e encafuado nalgum paraíso fiscal são de pouca valia. O melhor agora é catar seus trapos e se mudar para uma gruta. Mas atenção: que seja em território nacional! Se ele puser um pé fora do país, em breve vai ter de se explicar com a Interpol.