Nem azul, nem rosa

José Horta Manzano

Deu no Estadão. Doutora Damares, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos ‒ a quem devemos o sábio discurso sobre a cor apropriada da indumentária infantil ‒ mostrou, mais uma vez, ter excelente preparo para o cargo que exerce. Foi numa entrevista que concedeu a uma estação de rádio. Embora a data a gravação seja desconhecida, o programa foi ao ar sexta-feira passada na Jovem Pan de João Pessoa.

A doutora pontificou: “Se eu tivesse que dar um conselho para quem é pai de menina, mãe de menina: foge do Brasil! Você está no pior país da América do Sul para criar meninas”. Um susto, minha gente! Dada por pessoa situada tão alto na escala social do país, a advertência tem de ser levada a sério.

Ao estipular que meninos deviam vestir azul e meninas, rosa, a ministra Damares levantou um bafafá dos diabos. Saiu todo o mundo gritando. Foi quando a doutora esclareceu que o pronunciamiento não passava de metáfora. Ufa! Tranquilizado, o Brasil se acalmou.

Desta vez, a ministra está demorando pra botar a declaração na conta de mais uma metáfora. O bom senso exige que o faça rápido, senão o país vai assistir a uma debandada. Que portos e aeroportos se preparem! Vai ter gente fugindo até para a Venezuela ‒ país que, segundo a doutora, é mais adequado que o Brasil para criar meninas. É mole?

Esqueça o azul e o rosa. Fuja enquanto ainda é tempo!

Repita!

José Horta Manzano

Relógio 2Son las siete de la mañana, las seis en Canarias é o bordão que estações de rádio espanholas repetem escrupulosamente cada vez que o ponteiro dos minutos bate lá em cima. Dão sempre a hora nacional sem esquecer os que vivem sob fuso horário diferente do de Madri.

– São sete horas. – Repita! – São sete horas! Só não ouviu esse estribilho quem nunca passeou pelas estações brasileiras de rádio. É ladainha repisada todas as manhãs por uma das rádios mais sintonizadas do País. Está presente (e é captada) em todo o território nacional. Pelas artes da internet, até no exterior se pode ouvir.

Que a Rádio Clube de Xiririca do Fundão dê a hora local é compreensível: sua plateia vive no máximo a algumas léguas do lugarejo. Que uma das maiores emissoras do País, que conta com audiência do Oiapoque ao Chuí (como se dizia antigamente), faça a mesma coisa é frustrante.

Os 4300 quilômetros de largura do Brasil se estendem por quatro fusos horários. Quando a rádio que mencionei afirma e repete que são sete horas, noronhenses, mato-grossenses, acrianos, amazonenses e outros têm de recolher-se à sua insignificância. Cada um deles é obrigado a calcular mentalmente sua verdadeira hora.

Fusos horarios 3Quando o locutor apregoa que são sete horas, o noronhense sabe que, para ele, são já oito horas. O mato-grossense entende que, na sua província esquecida, ainda são seis da manhã. E o defasado acriano será obrigado a fazer continhas para deduzir que o galo ainda não cantou por lá: não passa das cinco da madrugada.

A estação de rádio à qual me refiro não é a única a agir assim. Todos fazem igual. Um ou outro, mais cuidadoso, explicita que está dando a hora de Brasília. É mal menor.

Sou incapaz de dizer de onde vem essa ideia de que o mundo começa no umbigo e termina um palmo adiante do nariz. Hesito entre descuido, ignorância, arrogância, preguiça mental. Levando em conta que costumam dar a temperatura de variados pontos do território nacional, prefiro acreditar que se trate de simples descuido conjugado com um tiquinho de arrogância.

Relógio 1Ah, tem mais. Aproveitando a onda da «Pátria Educadora», bem que podiam ser um pouco menos bruscos quando ordenam que o coadjuvante repita.

«Repita, por favor!» seria mais delicado e mais adequado. Fariam escola. Quem sabe um dia acordam.