O tempo da delicadeza

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Há poucos dias uma amiga virtual postou um comentário em uma rede social que me deixou intrigada e reflexiva. Dizia ela que acreditava ter entrado em definitivo na terceira idade já que “qualquer coisinha” a comovia às lágrimas.

Foi o que bastou. Não consegui mais me concentrar em nenhum outro assunto desde então. Passei todo esse tempo me perguntando se ela era dotada de uma liberdade interna especial ou se havia também no meu caso uma correlação palpável entre envelhecimento e maior sensibilidade.

Explico. Sou uma exceção aberrante no que se refere à capacidade de chorar. Sou capaz, sim, de me emocionar – e muito até – diante de eventos trágicos ou excepcionalmente felizes, mas não consigo me abandonar por inteiro ao choro. No máximo, experimento um nó na garganta, rictos faciais, a voz se esganiça e uma ou outra lágrima furtiva aflora. Em segundos, porém, meu maxilar trava, a musculatura do peito se retesa, a garganta fecha tanto que fica difícil respirar e a dor faz com que o processo seja interrompido.

by Elodie de Poitiers, artista francesa

A única experiência de choro convulsivo espontâneo que guardo na lembrança aconteceu no meu primeiro dia de aula no jardim de infância. Minha mãe havia me deixado na porta do colégio e voltado apressada para casa para cuidar de meu irmão recém-nascido. A sensação de abandono, de ter sido alijada do ninho sem aviso prévio e entregue à sanha de um bando de totais desconhecidos foi tão forte que eu tive de ser levada para o ambulatório médico da escola, onde fiquei até que o cansaço tomasse conta de mim e eu adormecesse.

Depois disso, talvez por uma questão de sobrevivência, aprendi a evitar manifestações públicas ruidosas de tristeza, raiva ou alegria profunda. Quando não dá para controlar a emoção, permito-me apenas ficar com os olhos marejados, mas sempre em total silêncio e compostura.

Voltando ao tema da correlação entre envelhecimento e maior sensibilidade, não encontrei dentro de mim nenhuma evidência estatística que confirmasse a tese de minha amiga, nem no sentido de maior intensidade, nem no de maior frequência. Porém, alguma coisa me dizia que talvez fosse possível detectar uma diferença qualitativa entre o que nos comove na juventude e aquilo que nos leva às lágrimas na velhice.

Essa não é, evidentemente, uma constatação científica. Não entrevistei ninguém e não pesquisei bibliografia sobre o assunto. Depois de muito refletir e contando tão somente com o apoio de minhas vivências pessoais, consegui estabelecer algumas analogias com o processo físico de envelhecimento.

Da mesma forma como nossa pele torna-se a cada dia mais fina e translúcida, acredito que o sutil tecido que compõe a camada externa de nossa alma também se adelgaça. Sem precisarmos nos defender com tanto afinco das convenções sociais, deixamos que nossa condição anímica circunstancial aflore com mais facilidade. Com a alma mais mole ou mais transparente, como queiram, as emoções ficam literalmente mais à flor da pele.

by Claire Frelon, artista francesa

Mas, é importante observar, não é qualquer emoção que nos subjuga na velhice. Ao menos no meu caso pessoal, aquelas mais intensas e típicas da juventude, ligadas à adrenalina e ao cortisol, mais assustam do que comovem. Acredito que, com o passar dos anos, a musculatura estriada da alma, boa para enfrentar com galhardia os embates da paixão, vai aos poucos sendo substituída por musculatura lisa, que reage melhor aos momentos de ternura e está associada à secreção de endorfinas e serotoninas. Estar em meio à natureza, ver o dia amanhecer, observar crianças e animais brincando juntos em total harmonia, testemunhar um gesto de perdão ou um momento de superação são situações em que as emoções típicas da velhice são ativadas mais prontamente.

Falando nisso, acaba de me ocorrer que é possível que as criaturas longevas voltem emocionalmente a um estágio primitivo, animal mesmo, no que diz respeito aos modos não verbais de relacionamento. Como cães ou lobos, aprendemos a identificar com mais precisão a energia que emana das pessoas à nossa volta e passamos a emprestar menor importância às palavras e à razão. E, por assim ser, tornamo-nos mais hábeis para decifrar intenções e mais aptos a lidar com a fragilidade, a sutileza e a serenidade, que também habitam a alma humana.

Só posso torcer para que essas hipóteses ditadas por minha intuição estejam certas e que os leitores mais “entrados em anos” se identifiquem. Mas, atenção: ao formulá-las, entendi que elas se aplicam apenas às pessoas normais. Como diria Nelson Rodrigues, os canalhas também envelhecem…

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Uma relação de amor e ódio

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Geladeira 1A minha relação pessoal com a tecnologia sempre foi difícil e delicada. Para mim, ela atua conceitualmente como uma espécie de crack: tem um poder altamente viciante – ou aditivo, como prefere a linguagem médica contemporânea – desde as primeiras experiências de uso e também provoca significativas crises de abstinência quando o acesso a ela é cortado por alguma razão. Talvez por esses motivos ela encontre em mim forte resistência.

Mesmo sem conhecer muita coisa sobre neurologia, posso apostar que ela estimula nosso cérebro a liberar substâncias aparentadas com a endorfina – ou adrenalina – induzindo-nos a recorrer à nossa capacidade de autossuperação.

Outra característica que me incomoda sobremaneira na tecnologia é seu caráter impositivo. Certa vez me deparei com um artigo no qual o autor estabelecia uma analogia entre os computadores e o Deus cristão do Velho Testamento: autoritário, irascível, ancorado em decálogos e perseguidor cruel de todo aquele que ouse não observar estritamente seus comandos. É mais ou menos o que sinto neste momento, tentando dominar a linguagem mais complexa de meu novo computador. Eu, que já estava gostosamente curtindo minha zona de conforto, sou agora agressivamente forçada a mudar, evoluir.

ComputadorTudo o que eu queria com essa nova geringonça era não ter de enfrentar mais problemas com navegadores velhos, poder abrir arquivos embalados na roupagem .docx e ganhar mais agilidade para compor meus textos. O que ganhei foi humilhação, depressão, perda de autoestima. Envergonhada com minhas limitações intelectuais para lidar com a nova máquina, pedi ajuda a um sobrinho mais afeito à informática. Ele trouxe com ele a filha de apenas 7 anos de idade que, num segundo, assumiu o controle do mouse e me mostrou todas as opções de que eu dispunha para resolver meus problemas. Me dei conta, naquele instante, de que a informática é a arma das novas gerações para se vingar de seus ancestrais. Non ducor, duco.

Brasão SPNão foi a primeira vez que a tecnologia me deu um baile. Foi assim também com o microondas (que não tenho até hoje), com o refrigerador frost free e com o celular. Quando finalmente cedo à tentação de incorporar ao meu cotidiano um desses novos gadgets, encontro sempre mil motivos para criticar o sistema operacional e fico resmungando pelos cantos que antes tudo era melhor, mais fácil.

Não tenho disposição para penetrar nos labirintos idiomáticos dos manuais de instruções, não consigo decodificar a terminologia e não consigo me deixar levar pelo prazer da exploração e da descoberta. Como um burro empacado, limito-me a desligar o aparelho e acionar um técnico especializado, pedindo-lhe que traduza a solução buscada para uma linguagem que uma criança de 2 anos possa entender. Somente quando, depois de muitas tentativas e erros, começo a vislumbrar uma luz no final do túnel, encontro dentro de mim a força necessária para desbravar novos territórios. E aí já é hora de adquirir um novo modelo e recomeçar as batalhas inglórias do zero.

Porta automatica 1Lembro, estarrecida, de experiências mais antigas, da época da minha adolescência e início da vida adulta. O horrível constrangimento que experimentei com a primeira porta automática num aeroporto internacional, quando estendi o braço e me inclinei para a frente na tentativa de empurrá-la e fui de cara ao chão, com malas e bagagens. O pasmo com a ociosidade de todo o departamento contábil da empresa multinacional na qual trabalhava simplesmente porque a luz acabou subitamente. O assombro sem fim com a notícia de que um avião havia caído na floresta amazônica apenas porque o piloto digitara o código errado no computador de bordo e ignorara os alertas de um dos passageiros, nativo da região e mateiro por profissão, voando em círculos por horas até acabar o combustível.

Não faltam exemplos acabrunhantes da dependência irracional que as máquinas provocam, mas dou-me por satisfeita com estes. Dou por demonstrado que a tecnologia emburrece, fazendo-nos desacreditar da eficácia de nossos recursos instintivos de sobrevivência.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.