Imunização coletiva

José Horta Manzano

Ano e meio depois do estouro da pandemia de covid, começam a aparecer estudos de larga escala, baseados na observação da evolução de grande número de casos num longo período. Um deles acaba de ser publicado na Suíça.

No Brasil, a busca pela vacinação tem ocultado aquela parte da população que se recusa a estender o braço. Por certo há, em nosso país também, um certo número de ‘antivax’ obstinados – o maior deles sendo justamente o presidente da República. Mas a massa dos que correm atrás da vacina ainda tem gritado mais alto.

Nos países europeus em que a campanha de vacinação está mais adiantada, os ‘antivax’ já começam a sobressair. Há os que, apesar de um bilhão de humanos já terem sido vacinados, ainda declaram ter receio de ser ‘cobaias’. Há os que, emboram tomem alegremente vacina antimalárica quando viajam a um país africano, não querem saber da anticovídica. Há ainda os que simplesmente têm medo de injeção.

E há os piores, aqueles que são burros e egoístas ao mesmo tempo, e que esperam ser protegidos pelo resto da população. São como o capitão, que não perde ocasião de repetir que “será o último a ser vacinado”. Botam fé no conceito da imunização coletiva, ou “imunidade de rebanho”, como preferem. Em sua fantasia, imaginam que, assim que a maior parte dos habitantes estiver imunizada, os não vacinados vão acabar sendo “contaminados” pela vacina alheia, sem nem mesmo precisar estender o braço.

Estão iludidos. Não é assim que funciona. O estudo suíço comprova que as pessoas não vacinadas têm risco 80% maior de contrair a covid. Como exemplo, na região do país onde ele foi levado a cabo, nas 2 últimas semanas de julho foram declarados 1030 casos novos de covid. Dessas 1030 pessoas, só 9 haviam sido vacinadas – as 1021 restantes não tinham recebido nenhum imunizante. Em outros termos, de cada 100 novos infectados, 99 não tinham sido vacinados. Isso mostra também que os benefícios da vacinação da maioria não “contaminam” nem se propagam aos demais.

Constata-se que essas vacinas anticovid, embora recentes, têm eficácia excepcional. Mas fazer novena não basta: precisa estender o braço e receber a picada. As palavras do chefe da Brigada Científica Suíça Anticovid são categóricas:

“Se os que resistem a se vacinar estão contando com a imunização coletiva pra escapar, estão enganados. Mais cedo ou mais tarde, todos eles apanharão a covid.”

Um torturante band-aid no calcanhar

José Horta Manzano

Entre nós, a gigante norte-americana Johnson & Johnson é identificada com o Óleo Johnson, produto que mães aplicam há décadas nos pequerruchos. Sem saber que são produzidos pela mesma empresa, conhecemos também o Tylenol e o Band-aid (que nem todos usam no calcanhar, aliás). Além desses três artigos, o cidadão comum pouco conhece da firma.

Com a pandemia, o mundo começa a tomar conhecimento de que a Janssen – braço do conglomerado Johnson & Johnson – desenvolveu com sucesso uma vacina contra a covid-19. Por estar chegando ao mercado um pouco depois das primeiras, a vacina Janssen é menos conhecida. Que não seja por isso: apresenta vantagens consideráveis.

Em primeiro lugar, conserva-se a uma temperatura entre 2° e 8°, vantagem apreciável em comparação com a Pfizer, que exige armazenamento a 70° abaixo de zero – um senhor desafio para a trôpega logística do Ministério da Saúde.

A segunda vantagem é o preço. Visto que as negociações nem sempre são transparentes, valores raramente são publicados; assim mesmo, estima-se que cada dose saia pela metade do preço das concorrentes Pfizer e Moderna.

A terceira vantagem é importantíssima: uma dose é suficiente, enquanto todas as concorrentes exigem duas. É um benefício supimpa para países em que o avanço da vacinação é lento.

É verdade que a eficácia (66%) é mais baixa do que a das concorrentes. No entanto, sem atingir os 90% das que funcionam melhor, a Janssen é mais eficaz do que a Coronavac, que gira em torno de 50%.

A vacina Janssen estará disponível no segundo semestre deste ano. Visto que, até lá, nossa população ainda vai estar longe da imunização geral, o governo federal devia considerar com muita atenção a possibilidade de adquirir esse imunizante. E, desta vez, fazê-lo antes que outros países passem à frente.