Tuíte – 15

José Horta Manzano

A indecência do ministro da Educassão, Abraham Weintraub, escandaliza até doutor Bolsonaro – uma façanha! Acuado, o presidente procura “saída honrosa”, como se fosse possível medir comportamento de ministro jagunço por padrões de honra. Insustentável, o petulante tem de sair.

No Planalto, busca-se urgentemente uma sinecura ou um posto diplomático para acolher o banido. Este blogueiro sugere que o (quase) ex-ministro seja nomeado embaixador em Pequim. Não é excelente ideia? Volta e meia, ele se refere à China, nem sempre de maneira airosa. Uma mudança de ares e uma (longa) estada por lá haviam de fazer-lhe grande bem.

Para Weintraub, a nomeação seria prêmio e castigo ao mesmo tempo. Ele sairia de circulação e – longe dos olhos, longe do coração – sairia também da lembrança de todos. No Brasil, ninguém lamentaria. A solução contentaria Bolsonaro, que, como se sabe, é do tipo morde-assopra.

E tem uma cereja em cima desse bolo: o despudorado ex-ministro terá de comer no próprio prato em que cuspiu. E comer de pauzinho (em português: chopsticks)! Castigo agridoce.

Tuíte – 3

José Horta Manzano

A Constituição Brasileira reza, no Artigo 84, Inciso I: “Compete privativamente ao Presidente da República nomear e exonerar os Ministros de Estado”. A novela do vai-não-vai e do fica-não-fica, estrelada pelo presidente e pelo ministro da Saúde Pública, segue enredo absurdo. Ministro é escolha pessoal do presidente. Assim como pôde nomear, deve poder demitir a qualquer momento. Ao não demitir Mandetta, doutor Bolsonaro mostra ser presidente fraco, hesitante, pusilânime, dependente da aprovação de terceiros. Um homem assim pode até ser bom executante, mas não serve pra chefiar o Executivo.