O preço está caro?

José Horta Manzano

“Nessa base, dificilmente os articuladores governistas conseguirão evitar mais derrotas, porque as juras de apoio dos adeptos do toma lá dá cá são esquecidas assim que os ventos mudam – e, quanto pior a crise, mais caro será o preço do governismo.”

O trecho é citação de um dos editoriais do Estadão desta quarta-feira. Equilibrado e bem costurado, não há que contradizer: assino embaixo. O que me incomoda é o uso do adjetivo caro como modificador do substantivo preço.

Noto aí uma impropriedade – aliás, bastante comum. É daquelas esquisitices que costumam passar em branco e que só alguém muito chato consegue notar. Bem, o chato está aqui. Hello!

Caro/barato são conceitos subjetivos. O artigo que João acha caro pode até parecer barato para Pedro.

Preço não é noção subjetiva e não envolve julgamento de valor. O preço que João lê na etiqueta é exatamente o mesmo que Pedro lê. Preço não é caro nem barato; preço é preço, o valor do artigo. O artigo pode ser considerado caro ou barato – o preço, não.

by Martine ‘Althéia’ Vinsot, artista francesa

Voltando à citação do Estadão, ficaria melhor assim:

“… quanto pior a crise, mais elevado será o preço do governismo.”

“… quanto pior a crise, mais caro será o governismo.”

Viram? Se aparece a palavra preço, some o adjetivo caro; se aparece o adjetivo caro, some a palavra preço. Pôr os dois juntos é briga na certa.

Se você disser ao feirante: “Ô, seu Manuel, o preço do tomate está caro hoje, hein!”, não tem importância nenhuma. Seu Manuel não vai fazer cara feia. Em linguagem descompromissada, isso (e muito mais) é permitido. Já num editorial de jornal sério, não fica bem.

Comida por quilo

José Horta Manzano

Tive uma tia que, já velhinha mas ainda esperta, almoçava fora todos os dias. Não se pode dizer que cozinhar tenha sido uma de suas paixões. Assim sendo, aproveitou, enquanto foi possível sair à rua sozinha, pra frequentar um restaurante «por quilo» que ficava perto.

Todos os dias, quando faltavam quinze para as onze, lá estava ela à porta do restaurante esperando a hora. Às onze em ponto, assim que abriam, ela pegava o prato e rapidinho ia se servir. Fazia questão de ser a primeira. Dizia que não gostava de comer «comida mexida». Não sei se terá sido em virtude da prudência alimentar, mas ela morreu centenária.

Na opinião de um especialista em culinária cujo blogue li estes dias, o coronavírus vai acabar com restaurante por quilo. Segundo ele, vão fechar todos. É verdade que, quando a gente pensa, o desfile de clientes diante das vasilhas espalha abundante sortimento de vírus, bactérias e outros bichinhos que fatalmente vão aterrissar sobre a comida. Não tem como escapar. Nem usando máscara e luva: um vírus mais ligadão pode até pular do braço do freguês direto no feijão. Te esconjuro!

O desaparecimento de estabelecimentos onde se come razoavelmente bem por preço módico seria uma tristeza. Poria muita gente fina em apuros. Mas o ser humano tem incrível capacidade de se adaptar. Novos caminhos aparecerão. O futuro dirá quais são.

Um detalhe linguístico me parece divertido. Imagine um atacadista que vende pregos. Um cartaz na parede adverte: «Venda por quilo». Todos entendem que o comerciante não vende pequenas quantidades; a medida é o quilo. O freguês tem de comprar um quilo, dois, três ou mais. A condição é clara.

Agora diga-me por que raios está escrito que o restaurante vende comida «por quilo»? Não é verdade. Ele não exige que se compre um quilo, dois, três ou mais. Na realidade, ele vende comida «por peso», que não é exatamente a mesma coisa. O preço é expresso em reais por kg, mas o cliente não é obrigado a comprar quilos; pode levar a quantidade que quiser.

Parece esquisito, mas é só falta de costume: «por peso» exprime melhor o princípio. Minha velha tia nunca devoraria comida aos quilos. Sua medida era o que a magra pensão lhe permitia; não podia passar de R$ 3,50 por refeição. Contadinhos.