A coragem da velhinha da boina

José Horta Manzano

Todos os que se opuseram frontalmente a Vladímir Putin ou foram assassinados ou estão presos. Sobrou um pacifista aqui, um iluminado ali, um resmungão acolá. Nos tempos atuais, ser iluminado, universalista, saudosista, resmungão ou vegano ainda passa. Mas falar em pacifismo em tempo de guerra é pecado mortal.

A polícia do Estado putiniano mantém sempre olho vivo nesses perigosos agitadores. Ao menor sinal, são imediatamente retirados de circulação antes que contaminem outros cidadãos.

Faz alguns dias, Putin fez aprovar novíssima lei que pune com até 15 anos de cadeia quem ousar se opor à invasão da Ucrânia. A mera utilização da palavra guerra (Война = vainá) pode levar o petulante a ser enquadrado como “terrorista” e a incorrer no mesmo artigo de lei.

Com tantos oponentes presos ou envenenados, uma velhinha pequenina, Yelena Osipova, tornou-se o rosto da frágil oposição ao regime. Aos 77 anos de idade, a velha senhora é figura conhecida na Rússia. Dedicou toda a sua vida a manifestar-se firmemente contrária à guerra e especialmente às armas atômicas.

Na semana que passou, Yelena decidiu enfrentar mais uma vez o frio de São Petersburgo, segunda maior cidade do país, que é, por coincidência, o lugar de origem de Putin e também o seu. Desenhou à mão dois cartazes com slogans pacifistas, enrolou um cachecol em volta do pescoço, cobriu a cabeça com uma boina e foi até o centro da cidade. De pé, em silêncio, passou alguns minutos exibindo seus escritos aos passantes.

O título principal de seus cartazes dizia: нет ядерному оружию во всем мире (=Não às armas nucleares no mundo todo). Em países normais, o espetáculo seria considerado excentricidade inocente de uma pessoa senil. Na ditadura de Putin, porém, as coisas não funcionam exatamente assim. Tudo o que possa, de perto ou de longe, se assemelhar a um desejo de que as “operações especiais” na Ucrânia logo terminem é passível de ser enquadrado no novo conceito de “terrorismo”. Na verdade, trata-se de indisfarçado terrorismo de Estado, isso sim.

Não demorou muito para uma meia dúzia de policiais acorrerem, cada um medindo o dobro da altura da velhinha. Sob aplausos de populares, ela foi levada embora de braço dado com dois “sordado”. Decerto por estarem sendo filmados, trataram a senhora com delicadeza. Pelo menos, diante das câmeras. Depois disso, não se teve mais notícia de Yelena Osipova.

O vídeo de 39 segundos divulgado pelo Tweeter por um jornalista deu a volta ao mundo. Agora que a poeira está baixando, não seria impensável que a velha senhora fosse condenada a passar uns anos nalguma masmorra de Putin. Vindo dele, nada mais espanta.

2 pensamentos sobre “A coragem da velhinha da boina

  1. Maravilhoso este seu post! Fiquei comovida com a coragem da “velhinha da boina”, que eu não tinha visto no noticiário daqui. Acho admirável o cuidado com que você escreve seus textos – sempre enxutos, informativos e com um quê de bom humor (tão necessário em tempos instáveis como este que vivemos). Obrigada por dedicar seu tempo para nos trazer mensagens diárias tão interessantes como esta.

    Curtir

    • Se eu disser que a escrita dessas poucas linhas me custa horas e horas de trabalho, é capaz de ninguém acreditar. Se meu perfeccionismo chega a comover corações sensíveis como o seu, sinto-me amplamente remunerado. Muito obrigado.

      Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s