Putin & Maduro

José Horta Manzano

Semana passada, o auê em torno da vistosa excursão de Bolsonaro à Rússia foi tamanho, que um fato inquietante acabou relegado para segundo plano. Exatamente nos dias em que o capitão esteve na capital russa, com uma revoada de jornalistas brasileiros vasculhando todos os montes de neve das esquinas moscovitas atrás do capitão, algo acontecia aqui, bem mais perto de nossas fronteiras.

Foi em Caracas, Venezuela. Putin não veio pessoalmente – nem podia, visto que estava trocando figurinhas com Bolsonaro. Não veio, mas mandou Yuri Borisov, seu vice-primeiro ministro. O figurão encontrou-se com Nicolás Maduro, autocrata de nosso país vizinho.

Neste ponto, é bom lembrar que, talvez sob conselho de Donald Trump, o governo brasileiro desqualificou Maduro, anos atrás, como governante legítimo da Venezuela. Preferiu reconhecer Juan Guaidó como presidente do país. Desde então, a relação entre Maduro e Bolsonaro, que já não era lá essas coisas, azedou de vez.

Maduro, que é tão malcriado como seu par brasileiro, já tratou o presidente do Brasil de farsante, imbecil, neonazista e palhaço. Vê-se que, considerado o nível do vocabulário de cada um, os dois se equivalem.

Logo no dia da chegada do vice-premier russo a Caracas, foi publicada a razão da visita. O emissário de Putin veio assinar um acordo de cooperação militar com a Venezuela. Quem botou a boca no trombone foi o próprio Maduro, por meio de um tuíte. (Aparentemente, ele não privilegia o Telegram, a rede preferida pelo seguidores de Trump.)

Essa desabrida implantação russa em nossa fronteira deixa a impressão de estarmos de volta aos anos 1950-1960, quando a Guerra Fria opunha os bons aos malvados, obrigando cada país a escolher seu campo.

Com a rede de satélites espiões que orbitam atualmente, é inimaginável que a Rússia repita a façanha de 1962, ano em que foi apanhada com a boca na botija quando se preparava a instalar uma base de mísseis em Cuba, a 160km das costas americanas. Além do que, quem se prepara a enfrentar uma empreitada dessa envergadura não costuma anunciar nas redes sociais.

Assim mesmo, a “parceria” entre o belicoso Putin e o animoso Maduro é pra deixar qualquer governo de prontidão. Especialmente quando o consórcio cheira a enxofre e funciona na esquina de casa.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s