Helvetismos 1

José Horta Manzano

Prisão suíça
O Tribunal des Mesures de Contrainte do Cantão de Genève ― uma instância da Justiça Penal que, entre outras atribuições, supervisiona o cumprimento das penas ― acaba de declarar que o fato de um prisioneiro dormir num colchão estendido diretamente no chão é ilegal. O regulamento prevê que o colchão seja assentado sobre uma cama. Por aqui, não convém bobear com regulamentos.

E não é só. O tribunal deu outro puxão de orelha nos responsáveis pelo principal Centro de Detenção do Cantão. A lei é clara: cada preso tem de dispor de no mínimo 4 metros quadrados. Algumas celas de 23m2, previstas para 3 inquilinos, estão sendo ocupadas por 6 indivíduos. Isso dá 3,84m2 por pessoa. É ilegal, naturalmente.

Os presos que estão vivendo nessas condições indignas têm direito a prestar queixa e reclamar uma compensação financeira do Estado. Estima-se que uma boa metade dos presos de Genebra vivem assim. Vão todos certamente pleitear e conseguir uma reparação financeira. Eventuais prisioneiros brasileiros também terão o mesmo direito.(*)

Quanto à resolução do problema da superlotação, o abacaxi terá de ser descascado pelas autoridades competentes.Interligne 29

Ônibus no Lago Léman Crédito: AFP, Keystone

Ônibus no Lago Léman
Crédito: AFP, Keystone

Mergulho
Segunda-feira passada, pelas seis da manhã, um atônito transeunte avista um ônibus afundando no Lago Léman (Lago de Genebra), ao largo da cidadezinha de Vevey. Não é espetáculo corriqueiro.

Alertados, os socorros acorreram ao lugar. Após rápido inquérito, constatou-se que o ônibus turístico pertence a uma empresa da Macedônia ― uma das repúblicas surgidas na sequência da explosão da antiga Iugoslávia ― situada a 1750km de Vevey.

Ônibus no Lago Léman Crédito: AFP, Keystone

Ônibus no Lago Léman
Crédito: AFP, Keystone

Apurou-se que o ônibus tinha trazido um grupo de turistas para alguns dias de estada em Berna. O motorista, que tem familiares morando em Vevey, pediu autorização à empresa para passar um ou dois dias junto aos parentes.

Deixou os turistas em Berna e foi. Com o ônibus, naturalmente. À noite, deixou o veículo estacionado numa grande praça, bem em frente ao lago. O local tem um leve declive. É possível que, na ânsia de abraçar a família, o motorista não tenha puxado o freio de mão com força suficiente. O fato é que, vendo o nascer do sol e aquele lindo lago à sua frente, o ônibus não teve dúvida: decidiu dar um mergulho.

Ônibus no Lago Léman Crédito: AFP, Keystone

Ônibus no Lago Léman
Crédito: AFP, Keystone

Ninguém se feriu. A empresa despachou da Macedônia um outro veículo para resgatar os turistas em Berna.Interligne 29

Pra espantar assaltante
Na Suíça, o nível de criminalidade está (ainda) longe de atingir níveis brasileiros. Malfeitores procuram evitar confronto direto com a vítima. Preferem dedicar-se a furtos e a assalto de casas na ausência dos habitantes.

O dono de uma oficina mecânica das redondezas de Lucerna teve uma ideia original para dissuadir assaltantes de residências desocupadas. Você vai sair de férias? Tem medo que o «amigo do alheio» lhe faça uma visitinha enquanto estiver ausente? Que não seja por isso. O pequeno concessionário Andreas Birrer tem a solução.

Falsa viatura policial

Falsa viatura policial

Ele criou, de maneira assaz convincente, carros idênticos aos utilizados pela polícia. Com pintura, sinal luminoso no teto e todo o aparato. Basta combinar com ele e informar o dia em que você vai sair de férias. Uma viatura «da polícia» ficará estacionada bem em frente ao seu portão até a sua volta. O serviço sai por 250 francos suiços por semana, pouco mais de 400 reais.

Dado que a lei exige que carros de polícia sejam dirigidos por policiais, a falsa viatura será rebocada até seu portão. Na volta, repeteco: um guincho levará o veículo embora.

Indagados sobre a novidade, policiais ― verdadeiros ― acharam a ideia divertida. Mas não acreditam que os assaltantes se deixem enganar por muito tempo.Interligne 29

(*) Seguindo conselho de uma leitora, o blogue consultou o Centro Prisional de Champ-Dollon, em Genebra. A diretoria nos confirmou que, no rol dos inquilinos atuais, não figura nenhum ex-prefeito de São Paulo.

 

Um pensamento sobre “Helvetismos 1

  1. Pingback: Helvetismos 2 | Brasil de Longe

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s