Samba da benção

José Horta Manzano

Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 28 maio 2016

Ninguém nasceu sabendo. Geração espontânea, só em ficção científica. Ao nascer, trazemos apenas as sementes do que poderá ser. A germinação depende de muitos fatores. O ser humano é produto dos que o antecederam e contribuíram para gerá-lo. O mesmo vale para coisas e fatos. Toda situação descende de uma fieira de acontecimentos que a precederam e que acabaram por provocá-la.

A ingratidão é defeito muito sério. Convém reconhecer e guardar apreço por tudo e por todos os que contribuíram para uma chegada a bom porto. O distinto leitor há de ter na memória o Samba da bênção, fruto de feliz parceria. Nasceu em 1963, num lampejo genial de Vinícius de Morais e Baden Powell. O primeiro escreveu, o segundo musicou.

Baden e ViniciusO miolo da composição encerra longa declamação, popularizada na voz do poeta diplomata, que saúda e pede a bênção a predecessores e mestres antigos, sem os quais a obra nunca teria existido. É excelente exemplo de gratidão e de reconhecimento.

Nosso país vive um momento grave, desses que não advêm mais que uma ou duas vezes a cada século. Por obra da evolução tecnológica, a tevê já não se resume a exibir novelas pra contentar o bom povo. Tampouco o telefone se limita a bate-papos. Ambos desenvolveram capacidades nunca dantes sonhadas. Informam e formam uma população cada dia mais politizada. O caminho é sem volta.

A nova mídia, impiedosa e voraz, transpassa barreiras antes intransponíveis e respinga até em grotões. Em poucos minutos, redes sociais atingem um contingente de brasileiros que nem mil dos antigos comícios conseguiriam alcançar. Hoje, todos sabem de tudo e já começam a se inteirar dos comos e dos porquês da coisa pública. As descobertas nem sempre são agradáveis. De vez em quando, alguma coisa boa até que aparece. Mas, convenhamos, em matéria de gestão do Estado, a aspereza das notícias espanta. A cada vez, a gente acha que bateu no fundo do poço, mas o dia seguinte se encarrega de adiar o sonho: o fundo é sempre mais fundo.

Poço 1Nem tudo é miséria, no entanto. Vamos olhar para o lado bom das coisas. Vamos fazer como Baden e Vinícius. Saudemos os arautos dos novos tempos.

Primeiro, vamos saudar a evolução da mídia, sem a qual ainda estaríamos imersos nas trevas. Pedimos a bênção também à inflação devorante que nos martirizou até vinte anos atrás. Sem ela, não saberíamos dar valor à estabilidade que nos acariciou até um passado assaz recente.

E que dizer, então, do incomparável «coup de théâtre» de Roberto Jefferson, raio em céu sereno, gesto sem o qual a tevê teria continuado, modorrenta, a transmitir novelas e amenidades? Sua bênção, companheiro!

Também hão de nos conceder bênção os guerreiros do povo brasileiro! Não fosse a ação ousada e altruísta daquela gente visivelmente desapegada de bens materiais, a pátria estaria ainda à espera de uma hipotética passionária. Homens destemidos, punho levantado diante da adversidade, que imagem mais linda! Aprendemos muito com eles. Terão nossa eterna gratidão.

Piramide 2E como ficam os grandes empreiteiros? O trabalho beneditino, discreto e continuado desses visionários foi componente pra lá de importante pra nos conduzir aonde chegamos. Hão de deixar rastro indelével. Sua bênção, companheiros!

Graças especiais temos de render a nossa presidente hoje afastada, mulher de pulso, que, contra ventos e marés, levou ao paroxismo a doutrina recebida de seu patrono. Não fosse por seu encarniçamento, o Brasil nunca teria chegado aonde chegou. Sua bênção, mãe e madrinha!

Lula caricatura 2aDeixei para o fim o mais importante, o guia maior, ironicamente base e topo da mesma pirâmide. Em trinta anos de ascensão, transformou-se em catalisador. Agregou gente fina, outros nem tanto. Em sua órbita gravitaram muitos: este em busca de fama, aquele à cata de fortuna, uns querendo um trampolim, outros certos de que o poder do chefe lhes garantiria proteção eficaz e eterna. Por um tempo, cada um imaginou ter encontrado o caminho das pedras. Saravá!

A todos os que mencionei ‒ e aos milhares que a exiguidade do espaço me impede de nomear ‒, peço a bênção. Podem todos eles orgulhar-se de nos ter ensinado o que fazer. E, principalmente, o que não fazer.

Vaticinam as profecias que, antes que a Grande Transformação venha conjurar a mediocridade, há que surgir monstros. Está aí o sinal dos novos tempos: um festival de monstros e de monstruosidades ‒ só não vê quem não quer. Que os cidadãos de bem retenham a lição, antes que este Samba da bênção se converta em Samba do cruz-credo.

Como no faroeste

José Horta Manzano

Batedores de carteira ― antigamente conhecidos no Brasil como punguistas, termo vindo direto da gíria portenha ― sempre existiram. Na Europa, hoje em dia costuma-se chamá-los pickpockets.

Em qualquer aeroporto do continente, estão espalhadas placas alertando os frequentadores sobre o risco que representam esses amigos do alheio. Há até quadrilhas especializadas nesse estranho esporte. Aproveitam-se de algum momento de distração que o estresse da viagem possa provocar num passageiro para subtrair-lhe algum pertence.

É um delito, sem dúvida. Mas a violência está ausente, o que retarda o efeito. Só mais tarde o lesado se dará conta do furto. Ficará chateado, enraivecido, furioso até, mas não terá sofrido o trauma do ataque cara a cara.

Embora faça parte da coleção de crimes contra o patrimônio, está mais próximo do conto do vigário do que do assalto à mão armada.

.:oOo:.

Sou do tempo em que arrastão era apenas o nome, aliás bem sugestivo, de um tipo de pesca. Elis Regina, nos anos 60, projetou-se no cenário artístico nacional justamente na garupa desse sucesso escrito por Vinicius de Morais e esplendidamente musicado por Edu Lobo.

A pesca de arrasto tem sido incluída ― com razão ― no rol das colheitas predatórias. Como o método não é seletivo, o que cair na rede é peixe. O método não faz diferença entre espécies, nem separa espécimes adultos de presas jovens. Arrasta tudo o que estiver pela frente e contribui para prejudicar a reprodução da fauna marinha. Se todas as pescas seguissem a mesma receita, não demoraria muito para que os oceanos perdessem seus habitantes.Diligencia

Nos últimos anos, o sentido da palavra se alargou. Infelizmente, para um lado pouco musical, nada piscoso, mas assaz inconveniente. Embora seja um quase sacrilégio utilizar o termo no novo sentido, vem sendo empregado para designar os covardes assaltos coletivos que se amontoam no noticiário nacional.

O pior é que os adeptos do novo «esporte» não se restringem ao território tupiniquim. Pode até ser que a expansão da nova modalidade de violência além-fronteiras seja mera emulação do original brasileiro, uma espécie de exportação da nova variedade criminosa. Eu não acredito nessa hipótese, contudo. Levando em conta que somos bilhões no planeta, não é impossível que a mesma ideia tenha surgido espontaneamente na cabecinha tortuosa de delinquentes juvenis do outro lado do oceano.

Faz quase dois meses, contei-lhes a história do primeiro arrastão europeu de que tive notícia. Foi num artigo publicado aqui em 4 de fevereiro. Quem saltou o capítulo que não perca o vale a pena ver de novo. Aqui.

Pois imaginem que a moda está pegando. Aconteceu outra vez. Foi de novo na França, desta vez num trem de subúrbio, faz pouco mais de uma semana. Um bando de 20 a 30 pessoas atacou os passageiros. Parece que a cena foi violenta. Arrancaram dinheiro, celulares e joias dos atônitos viajantes. Alguns dos agressores carregavam até bombonas de gás lacrimogênio para aturdir vítimas mais recalcitrantes. Fugiram a pé, como se usa fazer no Brasil.

Compreende-se a impossibilidade de que um policial seja postado, de plantão, em cada vagão. Que fazer, então?Diligencia 2

Não sei. Para começar do começo, vão ter de inventar um termo para tipificar a nova modalidade de crime. Por enquanto, vem sendo feita uma analogia com o que se costuma ver em filmes de faroeste. O novo tipo de assalto vem sendo chamado de «ataque à diligência».

Confira aqui, aqui e aqui.

Para fechar o ano

José Horta Manzano

Vamos terminar o ano com algo mais leve. Vou relembrar alguns versos antológicos da MPB. É verdade que são meio antigos, mas ― que fazer? ― obras-primas andam rareando ultimamente. Fiquemos com o que nos marcou. Guardemos o que ninguém jamais poderá apagar.

É impossível reunir, num só post, todos os versos bonitos que nossa música já produziu. Seria uma lista cansativa, de tão extensa. Vou relembrar algumas poucas joias que me ocorrem agora. Dentre elas, uma só não é brasileira, mas é tão bonita que merece ser citada.Musica & letra

A  felicidade é como a pluma que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
Tom Jobim & Vinicius de Morais, 1959

E ao lhe ver assim cansado, maltrapilho e maltratado
Ainda quis me aborrecer. Qual o quê!
Logo vou esquentar seu prato, dou um beijo em seu retrato
E abro os meus braços pra você.
Chico Buarque, 1967

A lua, furando nosso zinco, salpicava de estrelas nosso chão.
E tu pisavas os astros distraída.
Orestes Barbosa, 1935

Na Praça Clóvis minha carteira foi batida
Tinha vinte e cinco cruzeiros e o seu retrato
Vinte e cinco, francamente, achei barato
Pra me livrar do meu atraso de vida
Paulo Vanzolini, 1967

Tire seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Nélson Cavaquinho, Guilherme de Brito & Alcides Caminha, 1974

À noite, dos seus cabelos os grampos
São feitos de pirilampos
Que a estrelas querem chegar
Ary Barroso, 1935

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã
Chico Buarque, 1971

Mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti
Cartola, 1976

Moi, je t’offrirai des perles de pluie
venues de pays où il ne pleut pas
Eu te darei pérolas de chuva
vindas de países onde não chove
Jacques Brel, 1959

Musical NotesSe nós, nas travessuras das noites eternas,
Já confundimos tanto as nossas pernas,
Diz com que pernas eu devo seguir
Tom Jobim & Chico Buarque, 1980

São casas simples,
Com cadeiras na calçada,
E na fachada,
Escrito em cima que é um lar!
Garoto, Vinícius de Moraes & Chico Buarque, 1952 ― 1969

Levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima
Paulo Vanzolini, 1963

FELIZ 2013 A TODOS!