A hora da verdade

José Horta Manzano

Você sabia?

Lincoln 1«Pode-se enganar todo o povo por algum tempo e parte do povo todo o tempo, mas não se pode enganar o povo todo o tempo todo.»

Frequentemente citada, a máxima do presidente americano Abraham Lincoln (1809-1865) não perde a modernidade. A verdade que ela expressa, universal e atemporal, é volta e meia confirmada.

Durante os anos de soberbia e jactância, nosso guia enganou muita gente ‒ não só dentro dos limites de Pindorama mas até além-fronteiras. Não foram poucos a enxergar no taumaturgo um Stalin redivivo, um virtuoso pai dos pobres, generoso e desprendido, enviado à terra para redimir a humanidade.

Chamada do portal português Política ao Minuto 25 março 2016

Chamada do portal português Política ao Minuto
25 março 2016

Passando por cima do desprezo que o então presidente consagrava ao esforço pessoal e ao estudo em particular, numerosas universidades estrangeiras o louvaram com o grau de doutor «honoris causa».

Entre os institutos de primeira linha estão a tradicional Universidade de Coimbra, o incensado Insituto Sciences-Po de Paris, a abalizada Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça), a antiquíssima Universidade de Salamanca ‒ a quarta mais antiga da Europa, fundada em 1218. Coisa finíssima.

Mas aí… entrou em cena a máxima do velho Lincoln. Como mentira tem perna curta, os trambiques, as maquinações e as urdiduras de nosso folclórico ex-presidente foram ganhando a luz dos holofotes. Agora, que os «malfeitos» estão aí, expostos, pra quem quiser ver, as venerandas universidades estão numa tremenda saia justa.

Estudantes da Universidade de Coimbra Lula com orelhas de burro

Estudantes da Universidade de Coimbra
Lula com orelhas de burro

Se não cassarem o diploma concedido ao figurão caído, guardarão seus anais para sempre maculados pelo desastre de ter homenageado quem não merecia. Se voltarem atrás e cassarem a honraria, estarão dando mostra de leviandade na concessão. O que é pior?

Universitários de Coimbra são os primeiros a reagir. Envergonhados de contar em seu panteão com figura tão incongruente, pedem à reitoria que anule o grau de «doutor» atribuído em 2011 ao antigo presidente do Brasil. Em primeira reação, o reitor mostra-se reticente a aceder à solicitação. De qualquer maneira, a saia curta está vestida. Livrar-se dela vai ser difícil.

Não se pode enganar o povo todo o tempo todo.

Retorno de investimento

José Horta Manzano

Universidade de Salamanca

Universidade de Salamanca

A participação americana na Primeira Guerra marcou o début do país na cena internacional, até então dominada pelos grandes impérios europeus com destaque para Reino Unido e França.

Com sua intervenção decisiva na Segunda Guerra, os EUA reafirmaram sua preeminência bélica, econômica e política. Para que um ganhe, é preciso que outro perca ― assim funciona o mundo. À ascensão dos Estados Unidos, correspondeu forte degradação da influência dos impérios.

Como corolário ao aumento do prestígio dos EUA, a língua inglesa cresceu em importância. A projeção da língua francesa, que reinava solitária nos contactos diplomáticos e comerciais até o início do século XX, começou a definhar. E o inglês foi, pouco a pouco, tomando seu lugar.

Universidad Salamanca 1Os anos 1960 ― e a descolonização da África ― cuidaram de dar o golpe de graça na antiga preferência pelo francês. De lá pra cá, a língua inglesa se firmou como veículo de comunicação internacional em todas as áreas. Até no campo diplomático, onde, durante séculos, teria sido inimaginável exprimir-se em idioma que não fosse o francês. Nosso passaporte é um bom exemplo. Até os anos 1970, vinha escrito em português e em francês. Em seguida, o inglês forçou passagem.

Hoje em dia, o inglês é de facto a língua internacional. Quando duas pessoas não se entendem, é com naturalidade que recorrem ao inglês. No mundo atual, quem não conhece a língua dominante está arriscado a passar ao largo de muita coisa interessante. De tanto perder capítulos, periga não entender mais a novela.

Tudo o que eu disse aqui acima parece uma evidência, não é mesmo? Não para todos. Alguns anos atrás, a estreita franja ideológica ― um dos componentes da constelação de quereres que nos governa ― «detectou» declínio da potência americana.

Chapéu acadêmico

Chapéu acadêmico

Cheios de satisfação, nossos gurus profetizaram então que a língua inglesa sairia logo de cena. Era tremendo erro estratégico, mas a ignorância disseminada entre os medalhões do andar de cima fez que todos dessem de ombros e acatassem o raciocínio.

Ato contínuo, nosso messias anunciou que, daquele momento em diante, o ensino da língua espanhola seria privilegiado em detrimento do inglês. Quanta ingenuidade! Não se deram conta de que a potência americana não é o único sustentáculo da popularidade mundial da língua de Shakespeare. A simplicidade da gramática, a singeleza da conjugação verbal, a riqueza do vocabulário contam tanto (ou mais) que a força dos EUA para garantir ao inglês um longo reinado.

Equivocou-se quem apostou na derrocada da língua inglesa. Daqui a alguns anos, a juventude brasileira vai-se dar conta do logro. Mas nem tudo é perdido. Tem quem lucrou com essa trapalhada.

A Universidade de Salamanca (Espanha), uma das mais antigas do planeta, acaba de outorgar título de doutor honoris causa a nosso messias. Essa honraria é conferida por merecimento. A nosso antigo presidente, o colegiado de doutores de Salamanca atribuiu o mérito de ter contribuído para a educação da população brasileira(!). Em particular, foi levado em conta que, sob sua égide, foi implantado o ensino obrigatório da língua espanhola.

Interligne vertical 5Quod natura non dat, Salamantica non præstat.

O que a natureza não dá, Salamanca não empresta.

Refrão enunciado em latim. Sugere que, sem o talento natural, o estudo não tem nenhuma serventia. Quanto a mim, continuo acreditando que estudo faz muita falta.