Noite Feliz

José Horta Manzano

Você sabia?

Os tempos eram duros na Áustria daquele começo de século 19. Naquele mundo mal emergido do regime feudal, a luta pela sobrevivência era espinhosa. Longe dos grandes centros, pior ainda.

O jovem Franz Xaver Gruber teve a sorte de receber instrução e iniciação musical. Ao atingir a maioridade, casou-se. Logo chegaram os filhos. À busca de rendimento pra sustentar a família, Herr Gruber encontrou uma colocação como professor de primeiras letras e organista na igreja do vilarejo de Arnsdorf, perto de Salzburgo.

Selo lançado pelos Correios Austríacos por ocasião do 150° aniversário do falecimento de Franz Xaver Gruber

Mais adiante, o músico recebeu novas responsabilidades. Foi nomeado organista e maestro de coro no vizinho Oberndorf bei Salzburg, vilarejo bem maior. Compositor a horas perdidas, ele decidiu apresentar uma peça nova para ser tocada na Missa do Galo daquele ano. Era bom de música, mas não tinha o dom de escrever versos. Deu com uns escritos de Joseph Mohr, padre que exercia seu ofício na mesma paróquia, e pôs-se a musicá-los.

Na véspera do Natal de 1818, o mundou ouviu, pela primeira vez, a melodia criada por Gruber: Stille Nacht, Heilige Nacht, que conhecemos como Noite Feliz. ‘O mundo ouviu’ é afirmação pra lá de exagerada. Quem ouviu a ‘première’ foram os poucos fiéis que tinham enfrentado o frio para assistir à missa da meia-noite. Como acontece muitas vezes, um sucesso planetário teve início modesto.

Partitura manuscrita de Noite Feliz.
Ainda sem título, vem descrita como Weyhnachts-Lied – Canção de Natal

Esquecida durante as primeiras décadas, a melodia ressurge em meados do século 19, primeiro como peça orquestral. A simplicidade da linha melódica, comovente, parece combinar com o espírito de Natal. Tanto é que, já na virada do século 19 para o 20, boa parte da Europa já conhecia a canção.

Estes dias, Noite Feliz está comemorando 200 anos de existência. De seu nascimento até hoje, já se registram mais de 300 versões gravadas em 45 línguas. De Bing Crosby a Justin Bieber, de Plácido Domingo a Fats Domino, muitíssima gente fina já gravou a canção.

A versão portuguesa foi feita há mais de cem anos. Por questões de métrica, o original alemão «Stille Nacht, Heilige Nacht», que significa «Noite Silenciosa, Noite Santa» deu lugar a nosso familiar «Noite Feliz».