Pedindo socorro ao mundo

by Lezio Jr, desenhista paulista

by Lezio Jr, desenhista paulista

Cláudio Humberto (*)

Após reunião em que concluíram ser irreversível o impeachment, aliados de Dilma Rousseff passaram a defender que ela somente saia do Palácio da Alvorada à força, transformando a residência oficial em “símbolo de resistência”.

A ideia era que ela entregasse o palácio 30 dias após a destituição, como prevê a lei, mas aliados radicais acham que a “ocupação” chamará a atenção do mundo para o “golpe”. Como Dilma ainda resiste a essa presepada, aliados radicalizados pretendem que ela só deixe o Alvorada no fim do prazo de um mês.

Lula caricatura 2aPetistas dizem que é de Lula a ideia de “ocupar” o Alvorada, criando um fato capaz de minimizar os efeitos do impeachment nas eleições.

Em protesto contra Dilma, o Solidariedade mandará, nesta quarta (31), um caminhão de mudança para a porta do Alvorada.

Mundo da fantasia
Petistas acreditam na fantasia de que o Supremo Tribunal Federal seria instância de recurso do impeachment, e querem que fique no palácio.

(*) Cláudio Humberto é jornalista. Publica coluna diária no Diário do Poder.

Segundo escalão em ação

José Horta Manzano

Chamada da Folha de São Paulo, 3 maio 2016

Chamada da Folha de São Paulo, 3 maio 2016

Se, com o 1° escalão, tanta coisa já ficou faltando no governo de Dilma, imagine só com o 2° escalão em ação! Já começou mal: está faltando um “n” no bunker.

Falando nisso, como é que fica o 1° escalão? Vai direto pra Curitiba?

A sabotagem e a vagabundagem

José Horta Manzano

A França foi ocupada por tropas alemãs em junho de 1940. A presença militar estrangeira duraria mais de quatro anos, até a reconquista do território, seguida pela derrota dos nazistas e pelo fim da Segunda Guerra na Europa.

A invasão alemã desbaratou o exército francês. Não foi senão a partir de 1941 que um esboço de resistência começou a se organizar. Resistir era atividade altamente perigosa. Ninguém sabia quem era quem, irmão desconhecia irmão, pai desconfiava de filho, amigo disfarçava na frente de amigo, um horror.

França: trem sabotado na Segunda Guerra

França: trem sabotado na Segunda Guerra

Aos poucos, atos de sabotagem começaram a pipocar aqui e ali. Uma ponte dinamitada, uma emboscada para dizimar um destacamento, um atentado contra algum militar inimigo de alta patente. Tudo isso hoje já faz parte da História e pode ser visto em filmes de guerra.

O ponto comum a todos os atos de resistência era claro: enfraquecer o inimigo. A destruição do bem público ou privado tinha um fim objetivo e preciso. Derrubava-se a ponte para estorvar a logística do invasor e impedi-lo de passar por ali. Incendiava-se um edificio público para evitar que fosse confiscado e utilizado pelo inimigo.

Leio que, no meu confuso País, incêndio de veículos automotores se está poniendo de moda. É «protesto», dizem. Protesto?

Protesto com P maiúsculo é demonstração sincera, é reclamação no duro que se faz com o sacrifício de si mesmo se necessário for. O bonzo que ateou fogo ao próprio corpo, o dissidente que fez greve de fome, o chinesinho franzino que se postou, sozinho, à frente de um tanque de guerra ― esses, sim, são protestatários genuínos, legítimos, plausíveis, corajosos e coerentes.

São Paulo: ônibus incendiado por retardados mentais

São Paulo: ônibus incendiado por retardados mentais

Apalermados que ateiam fogo a veículos que não lhes pertencem não passam de boçais. Protesto de verdade seria botar fogo em seu próprio carro. Mas essa coragem os mascarados não têm.

Esses fracos da cabeça são imbecis a ponto de serrarem o próprio galho onde estão sentados: despacham para o cemitério o ônibus que os poderia conduzir amanhã ao trabalho. Se trabalho tivessem, claro.