Gente que virou coisa – 1

José Horta Manzano

Você sabia?

Capítulo 1

Num passe de mágica, Monteiro Lobato criou Emília, a boneca que virou gente. É muito raro ver coisa que se tornou gente. Em geral, a transformação é de mentirinha e só ocorre na imaginação do autor.

No sentido inverso, também há gente que virou coisa. Estou me referindo a alguns personagens que, em geral involuntariamente, cederam o próprio nome a alguma coisa. São nomes próprios que acabaram se tornando palavras comuns.

Silhueta
Etienne de Silhouette (1709-1767) era o alto funcionário encarregado de fiscalizar as finanças da França ao tempo do rei Luís XV. Rigoroso e implacável, granjeou impopularidade por tentar impor reformas que elevavam impostos a níveis confiscatórios.

Para zombar dele, os detratores representavam apenas o contorno de sua imagem, com o miolo vazio, recortado com tesourinha. Com isso, enfatizava-se que se tratava de personagem vazio, como o contribuinte empobrecido, cuja substância tinha sido tragada pelos pesados impostos.

Com o passar do tempo e por extensão, o nome de Monsieur de Silhouette passou a designar também as figuras humanas recortadas em papel, em que se descartava o excesso e se deixava unicamente o miolo. Entre nós, o substantivo comum foi aportuguesado para silhueta.

(continua)