GPS ideológico

José Horta Manzano

No Brasil de Bolsonaro, será que alguém ainda sabe o que é direita e o que é esquerda? Tenho cá minhas dúvidas. Numa sociedade onde ‘direita’ é saudosismo inconfessável,  ‘centrão’ virou insulto e ‘esquerda’ é sinônimo de comunismo, a coisa ficou complicada. De todo modo, entre nós, a posição exata da sensibilidade de cada um no espectro político nunca esteve na ordem do dia.

Na política tradicional brasileira, esse posicionamento sempre foi irrelevante. A personalidade do político costuma contar mais do que sua posição no tabuleiro. Juscelino era de direita ou de esquerda? E Jânio? E Adhemar? E Getúlio? Ninguém se preocupava com isso, nem apoiadores, nem detratores.

Foi nestas últimas décadas, desde que o PT tomou fermento e cresceu até o cargo mais alto, que o grosso da população se inteirou de que aqueles barbudinhos eram de esquerda. (Diferentemente de hoje, deixar crescer a barba não estava na moda, daí a pilosidade dos barbudos chamar a atenção.) No início, eram bem-intencionados, mas o poder é veneno que corrói. Todos sabem no que deu. Como resultado, na cabeça do eleitor médio, cristalizou-se a equação: esquerda = corrupção.

Na última eleição, as portas estavam abertas para a alternância. Em princípio, era vez da direita. Numa sociedade mais organizada que a nossa, é o que ocorreria. Mas nossa falta de traquejo em matéria de posicionamento político falou mais alto. Da equação esquerda = corrupção, o que sobressaiu não foi a esquerda, mas a corrupção. Assim, quem ganhou a eleição de 2018 foi o candidato que encarnou a luta contra a corrupção.

Hoje sabemos que não pode ser arauto da anticorrupção um personagem envolto por uma nuvem de obscuras transações. Para complicar o problema, o homem se diz ‘de direita’. Todo brasileiro pensante há de estar embasbacado. Então, direita é isso? O nó nos miolos é garantido. Estamos chegando a um ponto em que, de tão usadas, certas palavras vão perdendo a força. Direita e esquerda estão entre elas.

Folha de São Paulo: GPS ideológico

Num esforço notável, que deve ter custado um bocado de trabalho, a Folha de São Paulo publicou um estudo sobre a dose de esquerdismo e de direitismo que habita cada um dos 1.800 influenciadores no Twitter em 2020. O trabalho baseou-se num emaranhado de interações tuiteiras do tipo quem segue quem e quem retuíta quem. Como resultado, ficamos sabendo que Moro está à direita, quase colado a doutor Bolsonaro. Verificamos também que Lula está à esquerda mas nem tanto. E outras coisas do gênero.

Fico um pouco desconcertado. Vamos admitir que um jornal importante não perderia tempo caprichando numa matéria se soubesse que seus leitores não estão interessados. Vai daí, me espanta o fato de o brasileiro que lê jornal precisar de um estudo pra ficar sabendo qual é o posicionamento ideológico do tuiteiro que o influencia. Será?

Quer dizer que o eleitor acompanha o pensamento deste ou daquele sem se dar conta de que é um perigoso esquerdista? Ou vai levar um susto quando descobrir que é um execrável direitista? E o que dizer então se o guru escolhido for um centrista – céus, do Centrão?

O distinto leitor não acha esquisito seguir alguém sem saber quem é?