Rapidinha 8

José Horta Manzano

Fuleco
Ao votarem a Lei Geral da Copa, nossos desatentos parlamentares assinaram sem ler. Ou, se leram, não conseguiram avaliar a enormidade que estavam cometendo ao darem à Fifa liberdade total de ação e decisão em assuntos ligados à Copa.

O resultado chega, pingadinho, a cada dia. O mais recente descalabro é a notícia de que os milhões de exemplares da «brasileiríssima» mascote ― aquele lindo tatuzinho de nome infeliz ― estão sendo fabricados na China.

Mascote made in China Crédito: Shen Xiang, Agência EFE

Mascote made in China
Crédito: Shen Xiang, Agência EFE

Não tenho nada contra a China nem contra seu povo, mas convenhamos… As despesas e as perdas são nossas, enquanto o lucro na fabricação e na venda dos bonequinhos se reparte entre empresários chineses e medalhões da Fifa.

Algo parece fora de eixo, pois não? Ah, esses nossos congressistas… Tão despreparados para as responsabilidades do métier e tão competentes no saltar sobre todas as ocasiões que lhes possam trazer proveito pessoal.

Vamos ver como evolui

José Horta Manzano

Desta vez, não deu

Não se sabe bem quem terá tido a ideia. O marketing foi deixado aos cuidados de um músico baiano que costuma se apresentar com a cabeça encimada por uma touca que lembra a de um mestre-cuca. Um pouco menos elegante, é verdade.Touca mestre-cuca

Inventaram um dispositivo meio esquisito, parecido com brinquedo de criança, feito de plástico, recheado de bolinhas, com alças laterais onde se encaixam os dedos. Para rimar com ecologia, anunciaram que seria feito a partir de cana-de-açúcar. Para rimar com nacionalismo, foi tingido de verde.

Na hora de escolher o nome, fizeram um esforço especial para escapar do ridículo. Quiseram compensar a escolha infeliz do apelido dado ao simpático tatuzinho que simboliza a Copa (mas não só…), o pobre Fuleco. Chamaram o novo brinquedinho de caxirola. Não ocorreu a ninguém que os estrangeiros pronunciarão caksirôla. Faltou aconselhamento.

Para reforçar o marketing, distribuíram a novidade ― de graça! ― num recente jogo de futebol. Cinquenta mil exemplares. Que desastre! Torcedores descontentes com o desempenho de sua equipe não pensaram duas vezes. Tomados pela decepção e pela raiva, lançaram sobre o gramado o que traziam na mão. Era justamente nossa caksirôla em fase de teste. Centenas delas terminaram no gramado, perturbando o jogo. A história não diz se o dispositivo foi aprovado como instrumento. Contudo, o teste detectou que é excelente projétil.

Resultado: autoridades baianas baniram o aparelhinho das partidas que vierem a ser disputadas em Salvador. É de imaginar que outros Estados sigam o exemplo, a não ser que… bem, sabemos todos que os argumentos da Fifa costumam ser convincentes.

Vamos ver como evolui.Interligne 4f

Brincando com a saúde… dos outros

Uma mafia de falsificadores de leite foi flagrada no Rio Grande do Sul estes dias. Por ganância, batizavam o alimento com substâncias comprovadamente cancerígenas. O detalhe sórdido é que um dos criminosos mandava separar uma parte do leite bom para consumo de sua família. A adulteração vinha em seguida. Mateus, primeiro os teus!Vache 2

Em 2008, escândalo semelhante estourou na China. Uma gangue mafiosa explorava o mesmo filão. Acrescentavam melamina ao leite. Apanhados, foram presos e julgados. O caso rendeu duas penas de morte e mais uma de prisão perpétua. As penas capitais já foram executadas em 2009. A firma de lacticínios ― a maior da China ― foi à falência.

Voltemos ao Rio Grande. Dos 8 presos, um já foi solto. Seis ― bem orientados por seus defensores ― declararam que só se pronunciarão em juízo. O oitavo falou. Disse que não sabia de nada.

Que pena merecem os que vendem gato por lebre e expõem crianças, velhos e doentes ao câncer?

Vamos ver como evoluiInterligne 4i

Os tenistas

José Horta Manzano

Clima frio

Clima frio

Estes dias realizaram-se no Brasil partidas de tênis de exibição. Alguns dos melhores jogadores do mundo se apresentaram, uma festa! Ainda por cima, coincidiu com um período de calor excepcional. Se alguém não gostou, não ousou reclamar.

O Brasil conseguiu apresentar os dois únicos campeões nacionais que, em 50 anos (meio século), conseguiram a proeza de subir aos pódios mais importantes. Somente dois: Maria Esther Bueno e Gustavo Kürtner.

Concordamos todos que o tênis não é, nunca foi, nem nunca será um esporte de arromba, daqueles de arrastar multidões. Mas, convenhamos, para uma população que, neste meio século, mais que triplicou, passando dos 60 milhões dos anos 50 aos 200 milhões de hoje, dois campeões é muito pouco.

Ainda hoje uma amiga e grande apreciadora de tênis, comentava comigo sobre essa escassez de tenistas tupiniquins. Ela me dizia, muito justamente: “E logo no Brasil, onde faz calor!”. É verdade. Nestas latitudes geladas em que vivemos, não se pode treinar o ano inteiro. Quadras cobertas custam os olhos da cara e não se encontram em cada vilarejo.

Clima quente

Clima quente

Já no Brasil, grosso modo, basta delimitar o espaço, instalar uma rede no meio e… pronto! Pode-se jogar 365 dias por ano ― desde que não chova, é claro. A própria Austrália, que tem clima comparável ao do Brasil mas um décimo de nossa população, é grande produtora de bons tenistas.

Alguém poderia me dizer qual é a razão dessa disparidade? Será que o futebolístico Fuleco não poderia dar uma mãozinha aos abandonados tenistas?

O treco

O treco imageJosé Horta Manzano
Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 1° dezembro 2012

Não sei se terá sido sempre assim ou se é porque hoje em dia a informação circula mais solta. Talvez essa danada de internet ― que, em seus primórdios, foi chamada de information superhighway ― esteja justamente cumprindo sua promessa: desvendar fatos e dar publicidade ao que antes se conseguia ocultar com facilidade.

Ou, quem sabe, o secular e proverbial descaso com que temos tratado a instrução pública esteja cobrando a conta. Pode ser que o decantado ‘jeitinho’ que, durante tanto tempo, foi de grande utilidade para encobrir e para emendar imperfeições do funcionamento do País não esteja mais dando conta do recado.

O fato é que, de uns tempos para cá, temos sido surpreendidos por casos assombrosos, daqueles que, alguns anos atrás, nem roçariam a imaginação do mais fértil dos ficcionistas. No entanto, acontecimentos que, em outra época, teriam causado comoção nacional, já não impressionam mais. Inegavelmente, já não se fazem mais escândalos como antes.

Escândalos antigos, esses sim, eram bons. Duravam um tempão, davam pano para mangas. Os mais antigos se lembrarão de aventuras como o sumiço da urna marajoara, que arrastou o velho Adhemar de Barros diante dos tribunais. Foi pelos anos 50 e durou muito tempo. Era como uma novela. Menos frenética que as atuais, mas distilada em capítulos semanais que tratavam de manter aceso o suspense até o desfecho. Que foi pífio, diga-se de passagem.

Os pecados, os malfeitos, as aberrações de hoje já não provocam mais o mesmo frisson. Tudo o que vem em demasia acaba por banalizar-se. O que é demais cansa. O ritmo dos descalabros tem-se acelerado de tal maneira, que um caso empurra o outro para o esquecimento. Nem bem deu tempo de assimilar uma barbaridade, lá vem outra atrás. Nada mais espanta. Não sobra tempo para assimilar e digerir cada fato. Nossa capacidade de nos indignar tem sido posta à prova, como se tivéssemos todos mergulhado num torvelinho. Está cada dia mais difícil acompanhar.

Veja este florilégio do que aconteceu de um mês para cá: tivemos figurões condenados ― pelo tribunal maior do País! ― a penas de prisão; assistimos impotentes a ondas de assassinato como se estivéssemos em guerra; vimos dirigentes de agências reguladoras serem acusados de malversações; descobrimos que quadros eminentes do governo federal tinham sido afastados em consequência de improbidade administrativa; ficamos sabendo que um banco situado num paraíso fiscal reconheceu que um histórico mandachuva tupiniquim ali escondia dinheiro subtraído ao erário.

Os escândalos são tantos e se sucedem em ritmo tão agitado que o cidadão mediano sente dificuldade de acompanhar. Se acontecimentos tonitruantes já não nos causam indignação, que dirá fatos menores. Se escandalões já não nos comovem, escandalinhos, então, passam batidos.

Vou pedir à elegante leitora e ao fino leitor que preste atenção à série de palavras corriqueiras que vem a seguir: livreco, teatreco, baileco, filmeco, repeteco, xaveco, romanceco, cacareco, padreco, jornaleco, boteco. Nessa lista, dois fatos saltam aos olhos. O primeiro, evidente, é que todas as palavras terminam em eco. O segundo é que todas elas trazem uma carga pejorativa, quando não francamente ofensiva. Não será difícil concluir que o sufixo eco, entre nós, costuma ser usado para rebaixar algo ou alguém. Taí um sufixozinho malicioso. A prudência aconselha a escolher outro, que evitar acidentes é dever de todos.

E o que tem esse eco a ver com os malfeitos nacionais? Chego lá. Esta semana foi anunciado que a mascote da Copa-14 foi batizada… Fuleco. Dizem que o nome foi proposto, junto com outros dois, por um comitê designado pela Fifa. Dizem também que esse nome era o melhor dos três. Mais vale nem perguntar quais eram as outras opções.

¡Vaya nombre feo!, se exclamariam os espanhóis. Os adolescentes, os adultos e os anciãos de Xiririca da Serra, tenho certeza, engrossam o coro: que nome mais feio! Enfim, que é que se pode fazer nestes tempos estranhos em que diktats da Fifa sobrepujam as leis da nação? Vamos de Fuleco mesmo, que não há outro jeito. Coragem, cidadãos, ainda nos restam os olhos para chorar.

Ainda bem que, passados os festejos, a ressaca e a dor de cabeça, a mascote há de descer às profundezas do esquecimento e carregar junto seu nome bizarro. Por desgraça, ai de nós, vão sobrar as dívidas e o prejuízo. Afinal, a alegria do povo tem seu preço. Que treco!