O fator humano ‒ 5

Myrthes Suplicy Vieira (*)

A cena aconteceu dentro de um hospital psiquiátrico, no qual eu realizava um estágio obrigatório de formação em psicologia clínica.

O psiquiatra-chefe do hospital, que também era nosso professor na faculdade, distribuía os prontuários aleatoriamente entre os estudantes. A mim coube uma paciente esquizofrênica, internada havia já muitos anos, sem sinal de remissão. Nos últimos meses ela estava sendo submetida a diversas sessões de eletrochoque, aparentemente como última tentativa de trazê-la de volta à realidade.

Acontece que, durante as aulas, meu professor havia feito menção ao fato de que essa forma de terapia não era recomendada por longo tempo, dado o risco de o paciente demenciar. Intrigada, fui ter com ele para conhecer os motivos da contradição entre teoria e prática.

Ao verificar a ficha, ele pareceu ficar extremamente contrariado. Acreditei por alguns segundos que alguém da equipe de enfermagem houvesse desrespeitado suas instruções. Não era isso. A orientação havia partido dele mesmo. Indignada, confrontei-o de forma agressiva. Olhando bem no fundo dos meus olhos, ele explodiu, dizendo: “O que você queria que eu fizesse? Tenho que me sustentar, pagar os estudos de meus filhos e ainda pagar minha análise…. O que você esperava? Que eu fosse vender banana na feira?”

Com a inconsequência típica dos jovens que ainda podem contar com o respaldo dos pais para sobreviver e cheia de fúria pseudomoralista, respondi de pronto: “Me desculpe, mas se eu estivesse no seu lugar, preferiria vender banana na feira! Pelo menos, não teria de pagar terapia para minimizar a consciência de culpa…”

Quando terminei de vomitar tudo o que tinha a dizer, percebi que havia ultrapassado todos os limites da boa educação, do respeito a um mestre e até os de civilidade. Mas já era tarde. Sem dizer uma só palavra, ele permaneceu de pé, com o prontuário na mão, olhando para mim como se se perguntasse como poderia retrucar. Não disse nada.

Alguns dias depois, cruzei com ele nos corredores da faculdade. Ele estava saindo da sala da congregação. Tinha os olhos vermelhos e fungava baixinho. Assustada, perguntei: “Você está resfriado ou está chorando?”

Ele respondeu com aparente naturalidade: “Não, não estou resfriado. Estou chorando mesmo”. Fui inundada por uma sensação de culpa e de vergonha. Imaginei que alguém levara à direção da faculdade a informação sobre o que havia ocorrido com minha paciente e que, consequentemente, ele havia sido punido. Angustiada, pedi desculpas por meu comportamento agressivo na semana anterior e perguntei o que poderia fazer para corrigir a situação. Sabia que ele era um profissional respeitável, sério e sensível.

Sem nem mesmo parar de andar, ele respondeu com um meio sorriso: “Não se preocupe. Acabo de saber que fui contratado em período integral pela faculdade”. Foi minha vez de me emocionar. Era uma mistura de alívio e de orgulho por não ter tido medo de lhe dizer a verdade. Sem saber, havia sido responsável por muita reflexão por parte dele e por sua feliz mudança de rumos de carreira.

Por que conto essa história? Simples, estou sem trabalho há vários meses e extremamente ansiosa para descobrir como fazer frente a despesas extras no final do mês. Uma vozinha lá no fundo da minha consciência avisa que o melhor a fazer daqui para a frente seria começar a me preparar para armar minha barraca na feira e identificar logo fornecedores confiáveis desse fruto tão saboroso que é a banana…

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Os problemas da esquerdização mental

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Demorou, mas tive um súbito insight a respeito do que anda acontecendo de errado com o mundo. Não, não estou me referindo a doutrinas políticas de esquerda, como o comunismo e o socialismo. Acredito apenas ter encontrado um fator importante em nossa forma de pensar o mundo capaz de explicar os muitos desarranjos que a humanidade vem sofrendo ao longo das últimas décadas.

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

O tema tem ocupado minha mente há muito tempo. Por que, me perguntava eu, a civilização humana – no sentido de cultura e harmonia social – parece estar definhando e involuindo? Se a ciência progride a olhos vistos, apresentando a cada dia novas respostas para problemas que atormentam a sociedade desde priscas eras, por que o grau de alienação e solidão das pessoas parece só crescer? Se a tecnologia desenvolve a cada dia novos ‘gadgets’ que facilitam o cotidiano como nunca havíamos sonhado ser possível, por que eles vêm sendo usados primordialmente para encapsular as pessoas em mundinhos cada vez mais particulares, ao invés de reforçar e ampliar nossos laços afetivos? Por que a violência, a intolerância e o desejo de extermínio dos diferentes ocupam as manchetes dos jornais diariamente, enquanto a solidariedade, a compaixão e a generosidade só fazem perder cada vez mais valor de mercado?

A pista que me faltava veio através de uma frase do poeta Ferreira Gullar: “Só existe generosidade onde há utopia”. O raciocínio pode ser complicado e longo, mas me serviu de ponto de partida crucial para elaborar minha tese. Para explicá-la, preciso recorrer à teoria dos dois cérebros, uma teoria desenvolvida pelo cientista americano e ganhador do Prêmio Nobel de medicina de 1981, Roger W. Sperry. Para os que ainda não a conhecem, descrevo em mais detalhes algumas de suas implicações.

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

Segundo os estudos de Sperry, o hemisfério cerebral esquerdo seria aquele que processa de forma linear, analítica, lógica e racional as informações, enquanto o hemisfério direito estaria envolvido nos processos de síntese, intuição e no manejo de sensações, sendo capaz de apreender a realidade de forma global e instantânea.

Em função dessas características, vários mitos foram criados e disseminados ao longo do tempo em torno da teoria. Um exemplo marcante: o hemisfério esquerdo passou a ser descrito como ‘cérebro masculino’ ou ‘cérebro matemático’, já que é nele que ocorre o processamento de palavras e números. O hemisfério direito, por sua vez, passou a ser associado com o universo feminino, uma vez que a matéria-prima com que opera seriam as imagens, as metáforas e a estética.

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

A teoria sofreu uma série infindável de revisões e contestações desde que veio a público. Os conceitos de especialização e lateralização das funções mentais eram incômodos demais quando se tratava de explicar de que maneira os dois hemisférios se articulam para atuar de forma coesa no cotidiano de uma pessoa normal. Afinal, confabulavam seus opositores, ninguém pensa com metade de seu cérebro apenas.

Estudos de ressonância realizados posteriormente mostraram ser possível identificar áreas que são ativadas nos dois lobos cerebrais mesmo quando a operação mental é, em princípio, atributo especializado de apenas um deles ‒ como o processamento da fala, por exemplo.

Outra série de pesquisas buscava identificar e explorar eventuais diferenças na forma como destros e canhotos ativam circuitos neuronais para realizar uma mesma operação, considerando que o lado esquerdo do cérebro controla o lado direito do corpo e vice-versa. Essas pesquisas foram fundamentais para destruir vários dos mitos criados em torno da teoria ao determinarem que os hemisférios não atuam de forma autônoma. Razão e emoção caminham de mãos dadas na espécie humana, para o bem e para o mal. Equilíbrio, como sempre ensinaram os orientais, é o único caminho.

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

by Marie-Joseph Orgiazzi (1945-1998), artista francesa

Mesmo assim, voltando à minha tese, senti o impulso de elencar mudanças de paradigma ocorridas principalmente no sistema educacional e no campo científico ao longo do último século que poderiam ter a ver com o uso mais intensivo do cérebro esquerdo. Só para facilitar a compreensão de onde quero chegar, listo alguns exemplos que me ocorreram:

Interligne vertical 16 3Kf• Da valorização e do ensino prioritário da filosofia e das assim chamadas “humanidades” (ciências sociais, qualitativas), avançamos progressivamente para o culto das ciências quantitativas como base mais eficaz para explicar o comportamento humano. Esquizofrenia, depressão, câncer, tendência ao alcoolismo e ao abuso de drogas – só para citar algumas das preocupações contemporâneas – deixaram de ser crivados pela ótica das ciências humanas e sua causa passou a ser buscada em locais específicos dos genes. Escolas passaram a enfocar a transmissão de conteúdos técnicos especializados, deixando em segundo plano a proposição de atividades artísticas (como música, dança, pintura, trabalhos manuais, teatro, etc.);

• Junto com o novo paradigma das ciências exatas, assistimos extasiados ao florescimento e multiplicação explosiva de novas tecnologias. Inteligência artificial transformou-se aos poucos em sonho de consumo universal. Celulares, computadores e robôs passaram a ocupar uma posição central em nosso cotidiano e, com a criação das redes sociais, muitos passaram a delegar a máquinas a tarefa de registrar suas memórias e seus aprendizados, criar e fortalecer suas relações afetivas. As consequências estão à mostra para quem quiser estuda-las;

• No campo político, o final do século XX decretou o fim das ideologias. O pragmatismo político passou a comer pelas beiradas o desejo de construção de um mundo mais igualitário. O sonho da primavera árabe nunca evoluiu para sonhos de verão. Movimentos terroristas ganharam corpo e fôlego e os danos por eles causados são contados com horror apenas numericamente, sem que políticas de inclusão tenham sido desenvolvidas. Crise de refugiados convive com crise de representatividade dos governantes em todo o mundo. Movimentos de resistência civil crescem e minguam praticamente de acordo com as fases da lua;

• No campo religioso, o pragmatismo também mostrou ser capaz de substituir progressivamente o desejo de transcendência. Mais importante é verbalizar o amor a Deus do que praticar a comunhão entre os homens. Mais decisiva a ideia de garantir a sobrevivência neste plano do que lutar para alcançar a vida eterna.

Em tempo, uma piada circula pela internet: diferentemente do que acontece com outros hinos nacionais que enfatizam a fidelidade canina à pátria, o nosso começa com um descomprometido “ouviram…” como se não tivéssemos nada com isso.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Estocada e fuga

José Horta Manzano

Obras 3Numa noite paulista da semana passada, uma moça dirigia seu automóvel. O céu estava escuro e a moça… embriagada. O que tinha de acontecer aconteceu. Atropelou dois homens que, em plena jornada de trabalho, cuidavam da pintura de sinalização no solo.

O estado em que ficou o carro prova que o choque foi violento e sugere que a velocidade fosse elevada. Apesar disso, a moça não se feriu no acidente. Contrariando todas as regras que a humanidade teceu desde que o primeiro hominídeo desceu da árvore, ela reagiu de modo torpe: abandonou o local às carreiras, sem se preocupar em prestar socorro aos que havia ferido.

Os dois homens morreram. Depois de duas noites presa, a automobilista foi acusada de homicídio não intencional e liberada sob fiança. Em liberdade, vai aguardar o julgamento.

Primeira consideração
Obras 2Em terras mais civilizadas, onde a vida humana tem mais valor que para-brisa estilhaçado, o desfecho teria sido diferente. Motorista que, em estado de embriaguês, atropela – e mata! – é considerado homicida intencional. Parte-se do princípio que, ao pegar no volante em estado de ebriedade, o piloto assume o risco de causar acidente.

E tem mais. Omissão de socorro já é passível de punição. Não socorrer vítimas de sua própria negligência é ato muito pior. Portanto, a moça seria acusada de homicídio doloso agravado por fuga da cena do crime e omissão de socorro a suas próprias vítimas. Aguardaria um bom tempo atrás das grades até que um júri decidisse sobre seu destino.

Acidente circulacao 3Segunda consideração
Imaginemos a cena ao contrário. Suponhamos que a moça estivesse trafegando de carro quando um operador de retroescavadeira, trabalhando sob efeito de álcool, fizesse um movimento brusco e abalroasse o automóvel.

Conjecturemos ainda que o carro, desgovernado, batesse num poste, e que a motorista se ferisse gravemente. Imaginemos que o operador da máquina abandonasse a cena do crime e fugisse imediatamente. Que aconteceria?

É impossível garantir como teria sido o que não foi. No entanto, é plausível que o operário fosse caçado, enjaulado e acusado de homicídio intencional. Pode-se imaginar que não lhe fosse sequer oferecida a possibilidade de comprar a própria liberdade por meio de pagamento de fiança.

Será que estou exagerando?

Obras 1Conclusão
Enquanto abutres se engalfinham no andar de cima disputando o butim de corrupção e de malversações, os cidadãos comuns perpetuam a tradição esquizofrênica de nossa sociedade. O 13 de maio não passa de dia comemorado nas escolas. Seu espírito ainda não foi assimilado pela população.

Sociedade civilizada é aquela que protege seus membros mais frágeis. Atenção: esmola não conta! Falo de mudança profunda de atitude. Ocorrências como essa provam que ainda falta muito.

Lei do Inquilinato

José Horta Manzano

«Extra! Extra! Saiu a nova Lei do Inquilinato!» Quarenta ou cinquenta anos atrás, era comum ouvir, pelas esquinas, pregão anunciando mudança nas normas que disciplinam contratos de locação imobiliária.

Pelas esquinas do centro da cidade, vendedores instalavam precária banquinha, que cobriam com livrinhos de capa mole. Em seguida, no grito, chamavam a atenção da clientela para a importância da nova legislação. A situação inspirou Lino Tedesco que compôs samba chamado justamente «A Lei do Inquilinato», lançado em 1957 pelos Demônios da Garoa.

Lei do Inquilinato – versão 29 dez° 1956

Lei do Inquilinato – versão 29 dez° 1956

Hoje em dia, alterações nas regras de locação são menos frequentes, o que é um passo no bom sentido. Só para dar uma ideia, saiba o distinto leitor que, entre 1950 e 1969, foram promulgadas 17 (dezessete) leis ditas «do inquilinato». Cada uma aposentava a anterior – era praticamente uma lei por ano. E todos compravam o livrinho de capa mole. Eram tempos em que o cidadão contava menos com o Estado e mais com sua própria diligência.

Tudo isso mudou muito. Hoje há direitos às pencas e parcos deveres. Como resultado da pletora de advogados, cresce a judiciarização das relações entre indivíduos. Onde, antes, uma conversa e um acordo resolviam, hoje se move processo. Onde, antes, um pedido de desculpas resolvia, hoje só uma compensação financeira destrinçará.

O cidadão tem o sentimento difuso de ser assistido por direitos inalienáveis. Em sua lógica, a correlação entre deveres e direitos não é automática. Direitos existem per se, independentemente dos atos que cada uma possa praticar. Essa percepção beata é problema de raiz, antigo, que o paternalismo exacerbado destes últimos anos vem agravando.

Interligne 18c

Tudo, até aqui, foi digressão. Entrei por uma trilha lateral e quase me perdi. Volto ao cerne.

«Extra! Extra! Saiu a nova pesquisa Datafolha

A sondagem indica que 68% dos brasileiros atribuem a dona Dilma alguma responsabilidade pelo saqueio da Petrobrás. São sete entre dez cidadãos, um veredicto inapelável!

Pesquisa 4O que inquieta é o fato de, assim mesmo, 42% dos entrevistados julgarem boa ou ótima a gestão da presidente. Incongruente? Bota incongruência nisso, compadre!

Resumo da ópera
Saqueio, roubalheira, assalto, mentira, governo mafioso, propaganda enganosa, obras inacabadas, contratos superfaturados, dinheiro do contribuinte que termina no bolso de medalhões – nada disso tem importância. Dona Dilma, segundo 42% dos habitantes, gere bem o País. «Que roubem à vontade, desde que eu continue recebendo minhas migalhas» – parecem dizer.

Confusão mental? Esquizofrenia? Doutrinamento? Condicionamento que Pavlov explica? Perdoai-lhes, Senhor, porque não sabem o que dizem.