O eco do escândalo

José Horta Manzano

Num sábado frio e sem noticia, num dia em que Trump não assustou, em que o Irã não derrubou nenhum avião, em que ninguém fugiu do Japão dentro de mala, a fala do bizarro Secretário da Cultura do Brasil caiu como luva. Não há site nem jornal europeu que não tenha publicado um eco da esquisitice. Deu até no rádio.

Doutor Alvim, homem de pouca visão, certamente não se dá conta de que a doutrina nazista não combina com nosso país. O primeiro e principal postulado do pensamento nazista é a pureza racial. Num país como o nosso, onde a maior parte da colorida população tem sangue mestiço, a doutrina pode servir pra marchinha de Carnaval. Na vida real, não serve.

Quando a intenção de aplicá-la é externada por um medalhão da República – num vídeo oficial, com bandeira e retrato do presidente – já não é caso de manicômio, mas de polícia. Tivesse acontecido na França ou na pátria de Goebbels, doutor Alvim já teria sido convocado para rigoroso interrogatório policial. Com perspectiva de sanção pesada podendo levar até à cadeia.

Trago um apanhado das manchetes da mídia europeia sobre o assunto.

No Brasil, importante dignitário da Cultura demitido por discurso com alusões à propaganda nazista.
The New York Times, EUA

 

No Brasil, o Secretário de Estado da Cultura apeado depois de discurso em que repetiu palavras de Goebbels
L’Obs, França

Citações de Goebbel em discurso escandaloso: vídeo obriga o Ministro da Cultura do Brasil a demitir-se.
Focus Online, Alemanha

Ministro da Cultura do Brasil é demitido – citou Goebbels
Televisão Sueca, Suécia

Brasil: o ministro usa as palavras de Goebbels. O responsável pela Cultura é demitido por Bolsonaro.
La Repubblica, Itália

Escândalo no Brasil: o Secretário da Cultura copiou Goebbels e Bolsonaro o despediu.
La Nación, Argentina