Tuíte – 5

José Horta Manzano

Faz um ano, Sergio Moro e Paulo Guedes surgiam como superministros intocáveis. “Se sair o Moro, o governo acaba”, “Se faltar o Guedes, o governo desanda” – era o que se ouvia. O tempo levou as ilusões de cambulhada. Um desconhecido Mandetta, que havia arrancado na moita, cresceu, correu rápido e ultrapassou os dois “super”. Tanto brilhou que ofuscou o chefe e recebeu bilhete azul; mas saiu pela grande porta, conhecido e admirado. Já os superministros, ai, ai, ai. De tanto dizer amém, se rebaixaram e perderam sustança. Não fazem mais jus ao epíteto de “super”.