Lógica tortuosa

José Horta Manzano

Essa chamada estava na primeira página do Estadão digital de hoje. Confesso que não li o artigo, visto que o assunto só me interessa vagamente. Mas duas esquisitices me chamaram a atenção.

Primeira esquisitice
O estagiário escreve que “Bolsonaro cria nova estatal”. Ora, tudo o que acaba de ser criado é necessariamente novo. Ou alguém imagina algo do tipo “Bolsonaro cria velha estatal”? Portanto a palavra nova sobra.

Segunda esquisitice
O distinto leitor há de concordar que, à primeira vista, parece ilógico criar uma estatal para privatizar outra. Pode até ser que, lendo o texto, a enormidade diminua de tamanho. No entanto, assim como está parece coisa de louco ou, quem sabe, esperteza grossa. Estariam criando uma empresa para oferecer cabide novo aos funcionários da que foi privatizada? Desse governo que aí está, pode-se esperar tudo.

Criar novo

José Horta Manzano

Chamada Estadão, 8 nov 2018

Se não havia regime tributário para montadoras, o decreto presidencial cria um. O ‘novo’ sobra. De fato, vai um doce pra quem conseguir criar regime velho.

Se já havia um regime tributário para montadoras, não há por que criar outro. Se ele foi modificado, será melhor utilizar outro verbo que dê o recado.  Fica assim: «Temer assina decreto que modifica (altera, transforma, mexe com, remodela, muda) regime tributário.»

Pronto, o recado estará dado. Utilizar «criar novo» é uma tentação. Mas é baita redundância.