A assinatura do Lula ‒ 2

José Horta Manzano

Faz três meses, publiquei um texto com breve análise da assinatura de Lula da Silva. Falei também de Mister Trump e cheguei a mencionar brevemente a impressionante «faca de serrinha» que ele desenha no papel a cada vez que firma.

Lula da Silva – assinatura em 1994

O Lula agora é hóspede de luxo da ala administrativa do prédio da Polícia Federal em Curitiba. Esta semana, talvez sob conselho de seus especialistas em comunicação, mandou publicar uma cartinha que teria escrito a um certo ‘Wagnão’. Se pus no condicional, foi por causa do destinatário, que pode ser apenas mais um laranja. Na autoria do escrito, não ponho dúvida: é do punho do antigo presidente.

Comparada com o texto de 1994, a letrinha está hoje mais trêmula, menos fluida, mais hesitante, a denunciar que o autor perdeu a prática de escrever à mão ‒ se é que a teve algum dia. A escrita tornou-se irregular e justaposta. As ligaturas estão rareando, fazendo que cada letra seja desenhada individualmente. Parece indicar que o autor luta pra pôr as ideias em ordem, para encontrar uma sequência lógica, para redescobrir um elo perdido.

Lula da Silva – assinatura em 2018

O mais marcante é a assinatura. Diferentemente do resto do texto, a assinatura não se alterou nos últimos vinte anos. A peculiar chicotada que o Lula dá em si mesmo continua lá. Insisto no que já disse antes: esse traço denota personalidade traiçoeira. Quando chega o fim da conversa, sem que ninguém espere, irrompe um golpe imprevisto. Ao terminar de escrever o nome, a pluma volta atrás, toma impulso e dá um bote. Só que esse bote… atinge também a própria personalidade. Apesar de ser ascendente, o traço corta o nome, que é o espelho de quem escreve.

É interessante notar que o corte elimina o cocuruto do segundo L, como quem impedisse a si mesmo de alcançar o que está mais acima. Lula parece podar o caminho da própria ascensão. A altura do segundo L mostra que ele tem conhecimento do que está lá em cima, mas o talho violento age como um tapa que bloqueia a passagem. Enxerga o outro lado, mas proíbe a si mesmo de passar. Daí o desdém invejoso que demonstra de todos os que estão além da barreira que ele próprio se impôs.

A personalidade pode modificar-se ao longo da vida. Quando isso se dá, a assinatura acompanha. No caso do Lula, a chicotada que decapita a própria personalidade é uma constante. O dono de uma assinatura dessas não precisa de inimigos: é carcereiro de si mesmo.

A assinatura do Lula ‒ 1

José Horta Manzano

Nos anos setenta, tomei aulas de grafologia. A técnica me interessava. Não levei adiante a prática, mas guardei as noções de base. A escrita de certas pessoas é tão marcante que nem precisa ser grafólogo pra diagnosticar algum traço da personalidade.

Donald Trump – assinatura

Aqui acima, a assinatura de Donald Trump. Impressionante, não? Saltam aos olhos a profusão de ângulos pontiagudos e a ausência de traços arredondados. Esse jamegão em forma de ancinho passa impressão de agressividade. De fato, o mandatário americano é muito agressivo. A grafologia detecta ainda um caráter intransigente, abrupto, firme, tenaz e cabeçudo. São adjetivos que colam perfeitamente ao personagem.

Outro dia, topei por acaso com a assinatura de Lula da Silva. Fiquei curioso pra saber como ela evoluiu com o tempo. Encontrei uma amostra de 1994 e outra de 2016. Em duas décadas, a assinatura amadureceu, mas a peculiaridade mais marcante permaneceu. Comento mais abaixo.

Lula da Silva – assinatura em 1994

Lula da Silva – assinatura em 2016

Diferentemente de Trump, a firma do Lula não transmite agressividade. A escrita de 1994 era solta, arredondada, despretensiosa. Vinte e dois anos mais tarde, alguns ângulos endureceram a assinatura denotando uma personalidade mais imbuída da própria importância.

Um traço marcante detectado em 1994, no entanto, se mantém. Falo da curiosa chicotada que o Lula dá em si mesmo e que se prolonga aos que lhe estão pela frente. O distinto leitor pode comprovar que, nos dois exemplos, quando o político chega ao final da assinatura, dá uma volta atrás sem levantar a caneta. Em seguida, faz meia-volta e lança o chicote para diante. A volta atrás serve apenas pra dar impulso antes da ferroada.

Essa chicotada suscita duas reflexões. Em primeiro lugar, denota personalidade traiçoeira. Apesar de o arredondado de algumas letras sugerir caráter afável e agradável, quando chega o fim da estrada, irrompe um golpe imprevisto mas certeiro. É a imagem do escorpião, bicho que tem o veneno dissimulado no rabo e ataca sem avisar. Um perigo!

A segunda reflexão é sobre um ponto paradoxal. A chicotada de Lula da Silva não passa acima nem abaixo da assinatura. Em vez de preservar a própria personalidade ‒ simbolizada pela rubrica ‒ o ferrão do Lula risca a assinatura, num gesto que grafólogos interpretam como verdadeiro atentado contra si mesmo. Assinatura barrada indica personalidade profundamente perturbada. Considerando que a firma é uma minibiografia, o talho que a percorre mostra que o autor, de certo modo, anula a própria pessoa.

Não há dúvida de que Lula da Silva tem personalidade complexa. Ao mesmo tempo, o demiurgo ataca o próximo e destrói a si mesmo. Um caso a ser estudado.

Como se pronuncia Odebrecht?

José Horta Manzano

Certas palavras de origem estrangeira são verdadeiro desafio. Algumas delas, constantemente marteladas pela mídia e sempre pronunciadas da mesma maneira, acabam entrando no costume. Já outras, ouvidas com menor frequência, aparecem como pedra no caminho de locutores, narradores e do simples cidadão.

Uma delas é Odebrecht. Até alguns anos atrás, pouca gente tinha ouvido falar da empreiteira que leva o nome dos fundadores. Hoje a coisa mudou. Não se passa dia sem que a gente tenha de ler ou ouvir esse nome, goste ou não goste. Não tem como escapar. Pelo andar da carroça, ainda vamos topar com esse nome por meses, talvez anos. É bom aprender a pronunciá-lo direitinho.

Tradicionalmente, a língua alemã nunca entrou para o currículo da escola no Brasil. Portanto, na incerteza, cada um pronuncia como acha que deve ser. E nem todos estão de acordo.

Há quem pule por cima do ch, aterrissando direto no t. Sai algo como «Odebrét», com um t meio mudo. Parece chique, mas passa longe da pronuncia alemã.

odebrecht-1Outros trocam as letras de lugar. Fazem como se o t estivesse antes to ch formando um tch. Esforçam-se por articular mas sai um estranho «Odebrétch». De orelhada, um alemão não identificaria a palavra.

Já ouvi puristas que, levando em conta que a empresa é baiana, fazem questão de abrir as vogais. Ouve-se um peculiar «Ódebrétch». Tem charme, sem dúvida, mas o caminho não é esse não, meu rei.

Uns poucos tiveram aulas de alemão. Aprenderam que o ch indica pronúncia aspirada, próxima da jota espanhola. Capricham então num ríspido «Odebréxht», que soa como chicotada. Embora doa no ouvido, não corresponde à pronúncia original.

A maioria opta pela lei do minimo esforço. Fazendo pouco caso da inabitual sequência de letras, faz de conta que não viu o t final e solta um «Odebréch». É simples e tem a vantagem de não agredir o ouvido de ninguém. Só que não é assim que se articula.

Conhece o distinto leitor a pronúncia castiça, aquela que sairia da boca de um alemão de boa cultura? Não sabe? Pois vou lhe dizer. «Odebrecht» se pronuncia… exatamente como se escreve.

Convite ao distinto leitor
Faça uma visitinha a meu novo blogue Língua de Casa, especializado em línguas daqui e do resto do mundo. Basta clicar aqui.