Elefantes, ursos e leões

by Sibylle Heusser (1974-), artista suíça

José Horta Manzano

Vestígio do Império Romano, a presença de animais no circo ainda perdura em muitos países ao redor do planeta. Dois milênios atrás, a graça do espetáculo era a entrega de cristãos às feras. Desde que a maioria da população adotou o cristianismo, a brincadeira perdeu a graça. O sofrimento hoje é infligido diretamente às feras, sem intermediários. E são os cristãos que se divertem.

No circo, os animais selvagens são obrigados a levar vida reclusa, a morar em cubículos enjaulados, a comer o que lhes dão (se lhes dão) e a desempenhar movimentos que vão contra sua natureza. É uma rotina de sofrimento que não condiz com os princípios deste terceiro milênio de civilização.

Na Europa, uma trintena de países já legislaram para acabar com esse anacronismo. Entre outros, Inglaterra, Holanda, Croácia, Bélgica, Itália, Sérvia e França proíbem ou restringem fortemente a presença de animais selvagens em circos. Nas Américas, diversos países pequenos já baniram esses espetáculos. Entre eles estão: Panamá, Peru, Honduras, Guatemala, Costa Rica, Bolívia e Paraguai.

No Brasil, a meu conhecimento, nada foi feito. Nosso processo civilizatório avança a passo lento. Estamos a meio caminho entre a Antiguidade Romana e a modernidade. Se ainda engatinhamos em matéria de direitos humanos, na questão de direitos dos animais estamos em plena Idade Média. Há de chegar também – quanto mais cedo melhor – o dia em que devolveremos essas feras à floresta, que é o ambiente de onde nunca deviam ter saído.

Mas antes disso temos urgência mais premente. Faz dois anos e meio, armou-se em Brasília um circo de horrores. No picadeiro, agita-se um bando de criaturas ferozes. São todas súditas voluntárias de um capitão-tratador. Exibem dentes pontiagudos, mas ideias truncadas. Vivem enjauladas dentro da própria mente apertada.

Temos de lutar pela liberação dessas pobres criaturas. A porta das jaulas tem de ser aberta para elas escaparem e retornarem à insignificância de onde nunca deviam ter saído. E que levem junto o capitão tratador. Visto o nível de selvageria de todos eles, encontrarão perfeito refúgio na floresta virgem. Se ainda tiver sobrado alguma depois que a boiada passou, naturalmente.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s