Reputações

José Horta Manzano

A direção do Facebook cassou páginas e perfis criados e mantidos pelo “gabinete do ódio”, milícia digital associada a doutor Bolsonaro. Essa central de difusão de informações enganosas tem por encargo, entre outras tarefas, a “destruição” de reputações. Pus “destruição” entre aspas porque, apesar de ser a palavra usada por dez entre dez jornalistas, não me parece adequada.

Por definição, reputação é conceito neutro; ela tanto pode ser boa quanto ruim. Tanto podemos dizer que “Fulano tem excelente reputação” quanto podemos afirmar que “a reputação de Beltrano é péssima”. Portanto, não faz sentido falar em “destruir” reputações. Boa ou má, reputação sempre haverá. Será melhor utilizar outro verbo. Há muitos à disposição: sujar, manchar, enxovalhar, emporcalhar, deslustrar, enlamear, encardir.

Antigamente, dizia-se denegrir, palavra hoje considerada politicamente incorreta. É paradoxal que “denegrir reputações” seja incorreto, enquanto “embranquecer de medo” é admitido. Fica difícil entender por que um pode e o outro não. Mas esse é assunto pra outro artigo. Vamos voltar ao que nos interessa hoje.

É interessante notar que a palavra reputação vem do latim reputatio, formada a partir do verbo reputare. Este verbo é filhote de putare, cujo sentido originário é ligado à pureza (putus = purus). Putare é a forma latina de nosso podar (=limpar, eliminar galhos inúteis).

Por associação de pensamento, putare evoluiu para o sentido mais abstrato de calcular, fazer as contas, opinar, julgar, considerar. Hoje a família é extensa. Dela fazem parte, entre outros descendentes: computar (computador), contar, deputar (deputado), imputar, amputar, disputar. E, naturalmente, todas as reputações que vêm sendo solapadas pelos gentis assessores presidenciais.

3 pensamentos sobre “Reputações

    • Você quer dizer flumen, fluminis (=rio em latim)? Ou talvez potamos (=rio em grego)? Seja um, seja outro, minha resposta é: não sei.

      Flumen (que deu fluminense) é ligado a fluere, que deu fluir.

      Potamos é realmente raiz ligada ao ato de beber (pino) que, por sua vez, está na origem da palavra “propina” = para beber. Confronte-se com o francês pourboire (= para beber). Nossa gorjeta também carrega o mesmo sentido: gorja, palavra hoje em desuso mas ainda presente nos dicionários, significa garganta.

      Será isso?

      Curtir

      • É, era isso, sim. Desculpe a confusão entre latim e grego. Estava pensando mesmo na palavra potamos. Achei que a tivesse aprendido em uma aula do prof. Jair Biral. Tem também aquela pergunta famosa do teste de cultura inútil: Por que a Mesopotâmia tinha esse nome? Resposta: porque ficava entre dois rios. Pergunta: E quais eram esses rios? Resposta: o Tigre e o Eufrates. Não sei porque essas informações nunca saíram da minha cabeça. Durma-se com um barulho desses…

        Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s