Finesse diplomática

José Horta Manzano

Não é segredo para ninguém que sutileza diplomática não combina com a espessura de nossa presidente. Quando se trata de relações exteriores, o comportamento pesadão de dona Dilma costuma provocar desastre.

Dilma 13Para piorar o quadro, nossa presidência conta, desde os tempos do velho Lula, com os inestimáveis serviços de um certo senhor «top-top» Garcia, ‘assessor especial’ para assuntos estrangeiros. Falo daquele personagem que insiste em manter os pés mergulhados e cimentados em ideologias que faleceram décadas atrás.

O Lula era presa fácil para quem soubesse atiçar-lhe a vaidade. Mal aconselhado por seu entourage em matéria de relações exteriores, deu passos fora de esquadro e causou vexames memoráveis. Dona Dilma, desinteressada pelo assunto e mais preocupada em segurar-se firme pra não cair do trono, é presa mais fácil ainda.

Quando se nomeia novo representante diplomático junto a um país estrangeiro, o embaixador tem de receber a acreditação do Estado no qual vai exercer. Seu nome tem de ser aceite – homologado, se preferirem.

A prudência manda que ambos os governos se ponham de acordo antes de anunciar o novo nome. Mas nem sempre se procede assim. Muitas vezes, o Estado emissor dá a público o nome do escolhido, dando sua acreditação por favas contadas.

Barão do Rio Branco by José Geraldo Fajardo, artista carioca

Barão do Rio Branco
by José Geraldo Fajardo, artista carioca

Já por duas vezes, o governo de dona Dilma envergonha o Estado brasileiro nesse campo. A primeira foi quando a presidente humilhou publicamente o novo embaixador da Indonésia. Ocorreu na época em que um brasileiro, condenado por tráfico de droga, acabava de ser executado naquele país. Enganando o representante estrangeiro, nossa mandatária mandou convocá-lo a palácio como quem lhe fosse conceder a acreditação. Na hora agá, negou-se a aceitar suas credenciais e despachou o homem para casa sob a vista de pequena multidão de autoridades. Uma afronta.

Estes dias, dona Dilma reincidiu. Israel, mais prudente que a Indonésia, comunicou o nome do diplomata que tencionava nomear ao posto de embaixador em Brasília. É bem possível que dona Dilma nunca tenha ouvido falar nesse senhor. Seu entourage, contudo, o conhece de outros carnavais. Sabem que o personagem é ferrenho defensor da política de implantação de colônias em território palestino.

NeandertalA nomeação caiu mal em Brasília. Posso até compreender que o governo brasileiro se sinta incomodado em homologar representante estrangeiro cujas ideias sejam frontalmente divergentes da visão do Planalto.

Qual é o procedimento diplomaticamente correto em casos assim? Faz-se chegar ao conhecimento do Estado emissor, discretamente e por canais diplomáticos, que o novo embaixador é inaceitável. É um direito reconhecido internacionalmente. Ninguém fica sabendo, ninguém passa vergonha. Indica-se outro embaixador. Assunto encerrado.

E o que é que fez o Planalto? Num procedimento raro e fora dos padrões, dona Dilma fez saber – pessoal e publicamente – que o homem não seria bem-vindo. O mundo inteiro ficou a par da rejeição, o que pegou pra lá de mal. O governo israelense ficou embaraçado e o Planalto deu mais uma mostra de sua diplomacia neandertaliana.

Ah, pobre barão do Rio Branco…

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s