Tombo econômico

José Horta Manzano

Jogar futebol simplesmente como amador é uma graça. O esportista domingueiro faz o que lhe agrada, diverte-se, contribui para manter-se em boa forma física. No terceiro tempo, ainda reencontra os amigos para um bate-papo risonho. E a coisa termina ali. Tchau e até a semana que vem.

Ser jogador profissional são outros quinhentos. O prazer pode até continuar presente, mas não é mais o único motor. Salário, prêmios, patrocínios, disciplina, compromissos, contratos passam a fazer parte do universo do praticante.

Dizem as estatísticas que nunca tantas equipes sul-americanas tinham conseguido sobreviver às décimas-sextas de final. Deve ser verdade. Grandes países futebolísticos europeus já acolheram, de volta à pátria, sua cabisbaixa seleção nacional. Itália, Inglaterra e Espanha são os exemplos mais marcantes.

Camiseta da Seleção espanhola

Camiseta da Seleção espanhola

Muita gente depositava confiança na equipe da Espanha, país que ― ainda agora ― é o campeão mundial em vigor. Com efeito, a láurea vale por quatro anos, até que novo titular venha desbancar o antigo. A desclassificação temporã fez estragos.

O portal basco de informação El Correo relata que o fracasso da seleção espanhola no Brasil não foi somente desportivo. Os cachês exigidos pela Federação de Futebol daquele país terão de ser, doravante, bem mais modestos quando de partidas amistosas. Os patrocinadores estão considerando rever os contratos.

A empresa de artigos esportivos Adidas, que havia preparado uma batelada de camisetas rojas prevê encalhe de estoques. Fabricantes de acessórios ― bandeiras, bonés, bonequinhos, cornetas, buzinas, capinhas para retrovisores e que tais ― seguem o mesmo caminho.

Anunciantes que contavam rechear as transmissões com propaganda também engrossam o cortejo dos perdedores. O valor do minuto de publicidade televisiva caiu dramaticamente. Perdem também as emissoras de tevê.

Até o segmento de bares e restaurantes foram atingidos. Já disseram adeus aos milhões de euros que se esperava fossem gastos por hordas de festivos e paramentados torcedores reunidos em salões em frente a telões e telinhas.

A chamada Marca España, um símbolo de prestígio que inflacionava o valor de jogadores espanhóis e facilitava exportação de profissionais, constata agora a extensão da ruína.

Institutos especializados avaliam que a perda total atinja por volta de um bilhão de euros. Un batacazo, como dizem os castelhanos ― um baque e tanto!

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s