Absoluto e relativo

José Horta Manzano

Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 4 agosto 2012

Tudo é relativo. Está aí uma daquelas frases feitas que todos usamos regularmente. De fato, números e quantidades não têm valor intrínseco. Se lhe perguntarem, assim de chofre, sem preâmbulos: oito é muito? Qualquer resposta sua será puro chute. Oito o quê? Oito pessoas num elevador com capacidade máxima para quatro é muito, evidentemente. Oito assistentes num teatro lírico previsto para mil espectadores é, claro, pouquíssimo.

Assim mesmo, grandes quantidades e grandes números impressionam, ainda que só tenham existência no papel e estejam fora da cogitação de mortais comuns. As pessoas mais abastadas possuem fortunas estimadas em dezenas de bilhões. Bilhões em qualquer moeda, tanto faz. Muito poucos, ainda que espremamos as meninges, seremos capazes de imaginar a diferença entre possuir 30 bilhões e ser dono de 50 bilhões. É a mesma coisa. No entanto, mesmo sem conceber exatamente o que significam esses números, tendemos a respeitá-los.

Nós, brasileiros, somos propensos a admirar grandes números absolutos sem nos perguntar se, no frigir dos ovos, são tão significativos quanto parecem. Acontece com frequência que, relativizados e trocados em miúdos, certos números impressionantes deixem de ser tão grandes como pareciam.

Tenho visto muita gente, peito inflado, afirmar que somos a sexta economia do planeta. Dito assim, sem referencial, parece deveras impressionante.Mas o que geralmente se omite (ou não se sabe) é que nosso país ocupa o quinto lugar em população. Logo, nossa economia deveria ser a quinta, não a sexta. Se ainda lá não chegamos, não há razão para ufanismo. No dia em que nossa economia for não a sexta, nem a quinta, mas a quarta, aí sim! Será chegada a hora de abrir aquele champanhe que jaz no fundo da geladeira há anos.

Vivemos estes dias os Jogos Olímpicos. O mundo está impressionado com o número de medalhas obtidas pela China. Mas relativizemos, caro leitor, relativizemos. Com a população que tem, o país asiático teria de obter 4,3 vezes a quantidade de galardões obtidos pelos EUA. E mais de nove vezes as medalhas russas. E mais de 20 vezes as francesas. Dificilmente alcançará tal excelência.

Falando em Olimpíadas, cá entre nós, quem podia bem fazer um esforçozinho é nosso País. Principalmente em vista dos próximos jogos, no Rio. Nosso melhor desempenho olímpico até hoje — pelo critério de classificação com relação ao número de habitantes — deu-se nos Jogos de Pequim, de 2008, quando ocupamos o 68° lugar entre 88 países medalhados. Em 2004 tínhamos ficado em 67° lugar entre as 74 nações condecoradas. Pouca coisa, não?Absoluto e relativo image

Mas nem tudo é negativo, há que ser otimista, que faz bem ao fígado. Há pouco realizou-se a Eurocopa 2012, uma espécie de Copa do Mundo sem Brasil e Argentina. A Polônia e a Ucrânia foram encarregadas da organização. Antes do torneio, muita gente estava preocupada. Diziam que nenhum dos dois países estava preparado para empresa tão importante. Temia-se o caos. No final, o que é que se viu? Os milhões de telespectadores nada viram além de filmes de propaganda turística, olas, vistas espetaculares dos diferentes estádios tomadas de helicóptero. E, naturalmente, as partidas, que era o que realmente interessava. Será que a organização estava perfeita? Será que os visitantes conseguiram se locomover em trens decentes e em aviões pontuais? Será que a fluência em inglês dos garçons de restaurante deixou a desejar? Ninguém falou nisso. Ninguém ficou sabendo. O que ficou na memória foi o essencial: os jogos e seus resultados.

No Brasil, muitos andam preocupadíssimos com a imagem que o país vai dar daqui a dois anos, quando do próximo Campeonato Mundial de Futebol. Preocupação boba. Assim como ocorreu na Polônia e na Ucrânia, os bilhões de telespectadores que acompanharão os embates não verão senão filmes de propaganda turística, olas, vistas espetaculares dos diferentes estádios tomadas de helicóptero. E, naturalmente, as partidas. As agruras — se houver — ficarão circunscritas à memória individual daquela meia dúzia de visitantes que ousarão vir ver as coisas in loco.

Longe de mim a intenção pérfida de incentivar os responsáveis pela organização da Copa 2014 a fazer corpo mais mole do que já estão fazendo. Continuemos a trabalhar como se nos preparássemos para um julgamento severo. Mesmo se, no fundo, sabemos que não será assim. O marketing atual faz milagres. Ao mundo, só as maravilhas serão mostradas. Quem tiver de ganhar dinheiro ganhará. Como sabemos todos, o Brasil é uma festa.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s