Como termina uma pandemia?

Epidemia de peste em Marselha, 1720
by Miquel Serre (1658-1733), pintor catalão

José Horta Manzano

A pandemia de covid-19 registrou um “paciente zero”. Trata-se de um senhor de Wuhan cujo nome não foi divulgado. Pela história oficial, o homem assegurou nunca ter frequentado o mercado de peixes da cidade, lugar de onde se imaginava que a doença tivesse escapado. Fica no ar a dúvida: será que, com o homem doente, quiçá entubado, alguém realmente lhe fez essa pergunta? O coitado morreu de covid num hospital local.

Botei “paciente zero” entre aspas porque a expressão não me parece adequada. Parto do princípio que o infeliz não era uma “não-pessoa”. Portanto, se ele realmente existiu, não pode ter sido o “paciente zero”, mas sim “paciente um”. Tradicionalmente, as listas de pessoas começam do n° 1, não do zero, pois não?

Bom, para o início da pandemia, já temos um lugar certo e um momento aproximado. Mas agora como é que vamos decretar o fim da pandemia? A quem cabe tomar essa decisão? Há um bocado de gente cogitando sobre o assunto.

A Espanha deu a largada antes dos outros. Segunda-feira passada, señor Pedro Sánchez, que é o primeiro-ministro (chamado lá de presidente del gobierno), deu longa entrevista a uma emissora de rádio.

Embora não tenha dito com todas as letras, ele deixou claro que seu governo tem a intenção de abandonar a noção de pandemia e passar a considerar a covid-19 como doença endêmica. Com isso, ela passará a ser enfrentada como se enfrenta a gripe de todos os invernos. Vacina e, eventualmente, máscara: sim. Confinamento, distanciamento social e restrições de circulação: não. Será uma “gripalização” da pandemia.

É curioso que um dirigente europeu dê esse passo solitariamente, sem concertação com os parceiros da União Europeia. Bem, convém lembrar que, entre o dizer e o fazer, há boa distância. Vamos ver como evolui a situação na Espanha. Por enquanto, não se tem notícia de reação pública de outros governos da UE.

Cada pandemia tem características próprias. As do passado eram mais violentas e matavam muita gente. Higiene precária, famílias numerosas aglutinadas em pequenos cômodos e ignorância quanto ao modo de transmissão explicam. Mas as velhas epidemias tinham seu lado positivo (se é que assim me posso exprimir): ficavam circunscritas a um território. As populações praticamente não circulavam, o que dificultava o alastramento.

A peste negra, que assolou a Europa no século 14, durou 5 anos, aniquilou entre 25% e 50% da população, o que desarticulou a economia e a geopolítica.

A gripe espanhola, a mais mortífera dos tempos modernos, se espalhou pelo mundo todo, durou apenas dois anos, mas pode ter ceifado entre 20 milhões e 50 milhões de vidas. É curioso notar que as vítimas mortais estavam concentradas na faixa de 20 a 49 anos de idade.

As epidemias mais recentes são menos violentas. A gripe asiática castigou durante ano e meio (1956-1957). Correu mundo rapidamente, mas mesmo assim teve tempo de levar 2 milhões a 3 milhões para o cemitério.

A gripe de Hong Kong, que surgiu em fins de 1968, matou pouco, mas circulou pelo planeta inteiro e deixou multidões acamadas.

Hoje temos a OMS (Organização Mundial da Saúde). Cabe a eles dar as diretivas básicas para a saúde do planeta. Foi a OMS quem decretou que a epidemia de covid-19 tinha se transformado numa pandemia. Pela lógica, caberá a eles a palavra final – aquela que o planeta aguarda ansioso: a pandemia acabou.

No Brasil, no entanto, não dependemos de nenhuma OMS pra nos guiar. Desde o começo de 2020, o capitão nos ensinou que “esse negócio daí não é tudo isso que dizem”. E arrematou afirmando que não passava de uma gripezinha.


No Brasil bolsonárico, pandemia, que é bom, não houve. Portanto, não faz sentido decretar o fim de algo que não existiu. Somos um país abençoado por Deus. E bonito por natureza.


Líderes de lá, de cá

José Horta Manzano

Quando atingiu a França, a avalanche do coronavírus pegou o presidente Macron num momento de fragilidade. Meses de protestos dos Coletes Amarelos tinham desidratado o governo, que já não sabia mais que fazer pra acabar com a crise.

A chegada do covid-19 foi providencial. Diante do inimigo maior, os últimos protestatários vestidos de amarelo baixaram os braços e voltaram pra casa. Um esperto Macron entendeu que, mais que nunca, os franceses desamparados precisavam de um líder forte. Em duas ou três falas solenes, transmitidas em cadeia nacional, mostrou que havia entendido a angústia do povo e que estava conduzindo a batalha.

Espalhou-se a sensação de que, apesar das privações, o barco tem um timoneiro. Diante disso, a popularidade do presidente subiu às alturas. A oposição, que costuma contestar tudo o que vem do governo, está silenciosa. Também, pudera! O avião tem piloto; contestar o quê?

Giuseppe Conte, primeiro-ministro italiano, andava desprestigiado antes da epidemia. Assim que ela surgiu, seu governo tomou as rédeas. O país se uniu em torno de Signor Conte, e a oposição anda calada.

O espanhol Pedro Sánchez era outro que andava mal das pernas. Primeiro-ministro havia pouco, sofria forte contestação. Quando a epidemia atingiu a Espanha, o homem foi para a luta e, da noite pro dia, ganhou músculos e ficou forte e corado. A contestação tirou férias.

Falei dos três países europeus mais castigados pelo coronavírus. Em todos eles, o mandatário-mor soube aproveitar a ameaça pra surgir como salvador da pátria. Enquanto isso…

Enquanto isso, no Brasil, ai, ai, ai. Doutor Bolsonaro é tão desastrado que conseguiu a proeza de se deixar consumir pelo vírus sem tê-lo contraído (pelo menos oficialmente). Com seus vaivéns, suas hesitações, suas falas desequilibradas, suas bolas fora, suas declarações sem nexo – com tudo isso, conseguiu a façanha de perder o bonde. Dormiu no ponto e deixou-se ultrapassar por governadores, prefeitos, magistrados e até ministros nomeados por ele mesmo.

Temos hoje um presidente tonto, batendo cabeça, dando mais ouvidos aos delírios de seus aiatolás do que aos conselhos de assessores mais sensatos.

O defeito maior de doutor Bolsonaro, aquele que antecede todos os outros… vamos dizer de maneira suave: ele é curto de inteligência. Quando o indivíduo têm forte carência intelectual na base, todo aprendizado fica prejudicado. Ele não entende direito o que lhe dizem. Ciente disso, desconfia de tudo e de todos.

Na dúvida, prefere seguir o conselho dos filhos que, no seu entender, são os únicos a quererem o bem do pai. Infelizmente, seus rebentos são destrambelhados; ele, sem captar direito situações complexas, segue os conselhos filiais. E arruinados estamos nós.