Melhor idade?

José Horta Manzano

Devo confessar que, até meia hora atrás, desconhecia a existência de uma revista chamada AnaMaria. Meus leitores talvez conheçam. Mas não é bem da revista que lhes quero falar, ela é só um ponto de partida.

Uma amiga me mandou um texto da cronista Xênia Bier, que mantém um blog alojado no site da revista. A honestidade me obriga a confessar que tampouco dessa senhora jamais havia ouvido falar.

José Wilker

José Wilker

Li a crônica cujo título é Não chorei pela morte de Wilker, publicada em 18 abril 2014, logo após o passamento do artista. Minha amiga me tinha perguntado se eu concordava com a visão da autora sobre as agruras da velhice. Minha resposta não será cortante ― um sim ou um não.

A cronista, por certo, alinhava certos argumentos embaixo dos quais eu pespegaria meu jamegão. No entanto, há outros que me deixam meditabundo. (Que palavrão, hein, gente! Se preferir, substitua por cogitabundo, que dá no mesmo.)

Que morrer dormindo é uma bênção, acho que todos estamos de acordo. Como já li num relato policial : «Fulano foi dormir em boa saúde e acordou morto». Que maravilha acordar morto, não é mesmo? É como passar no exame sem fazer a prova.

Com todo o respeito que tenho pela escrita alheia, entendo que a senhora Bier bota cores muito berrantes em seu quadro. Acaba pintando o diabo pior do que ele é. Os anos maduros não são tão terríveis assim, falo por larga experiência própria.

by Jacques Faizant, desenhista francês

by Jacques Faizant, desenhista francês

Muitíssimos anos atrás, quando em casa éramos pequenos e algum dos irmãos não queria comer, lá vinha nossa avó com seu invariável sermão: «Precisa comer, menino, pra ficar gordo, forte e corado». Esse dito andava de mãos dadas com um outro: «gordura é formosura».

Por que é que estou falando em gordura? É porque os padrões estéticos mudam com o tempo ― e mudam rápido! O tecido adiposo, que hoje é detestado e combatido, já foi atributo apreciado. E olhe que não foi no tempo de Matusalém.

Assim como alguns quilos a mais, os sinais que a velhice traz tampouco eram marcas de vergonha até a Segunda Guerra. A lei segundo a qual «young is beautiful, old is ugly» ― jovem é bonito, velho é horrível ― parece ter vindo dos EUA. Espalhou-se pelo planeta. Até 60 ou 70 anos atrás, não se costumava olhar para uma pessoa de idade como se traste velho fosse. Velho era respeitado e considerado por todos.

Tem outra coisa, que vale ainda nos dias de hoje: se os anos da velhice fossem tão horríveis assim, a taxa de suicídio seria mais elevada entre pessoas entradas em anos. Ou não? Pois não é o que acontece. É impressionante a quantidade de atentados contra a própria vida entre adultos, jovens adultos e até entre adolescentes.

A madurez dissipa traços corporais externos que a moderna estética considera belos, é verdade. Leva também muito do vigor físico, não há que contestar. Mas traz compensação.

Hoje em dia, quando abro a boca para falar, percebo que todos escutam, coisa que não acontecia décadas atrás. As palavras têm mais peso. Cabelos brancos infundem reverência. Te oferecem lugar no ônibus, te seguram a porta pra facilitar a passagem. A caixa do supermercado é mais paciente se você se atrapalha na hora de digitar o código do cartão. Teus sobrinhos ou teus netos acham divertido ler a bula do remédio cujas letrinhas você não consegue mais decifrar.

Doenças? Sim, são mais frequentes. Mas a medicina tem feito progressos. A debilidade física faz parte da idade, mas não é tão grave assim. Afinal, a gente tem de morrer de alguma coisa, não? Muito mais triste é ver gente jovem sofrendo moléstia penosa ou incurável. E há muitos nessa situação.

Velhice 1A velhice pode não ser a «melhor idade», mas tampouco será a pior. Gostar ou deixar de gostar de cada idade é sentimento que está muito mais dentro da gente do que fora. O velho que passa a vida olhando pelo retrovisor, a lamentar-se dos atributos perdidos, sem se dar conta das regalias que conquistou, está de fato condenado a viver sua «pior idade».

Mas ninguém é obrigado a enxergar a vida assim. Queiramos ou não, temos de enfrentar o presente. Portanto, mais vale dar importância aos pontos positivos. Sempre os há, basta olhar ao redor com boa vontade e mente aberta.

Coragem e bola pra frente, que a Copa é nossa!

Interligne 23

O texto de Xênia Bier está aqui.