Ladroagem consentida

José Horta Manzano

Assalto 1Agiotagem, especulação, extorsão, pirataria, ladroeira, desfalque, afano, dilapidação, sangria, rapina, espoliação, gatunagem, exploração, ratonice, saqueio, patifaria, golpe, empalmação, usura.

Qualquer um desses termos serve para dar nome ao esbulho praticado pelas companhias de cartão de crédito no Brasil. Entram no mesmo saco operadoras e estabelecimentos bancários.

Saiu ontem a notícia dos juros que vêm sendo aplicados aos infelizes que caem na ciranda do dito crédito rotativo. Já seria de péssimo gosto se fosse piada. Infelizmente, piada não é, mas usura institucionalizada.

Chamada do Estadão, 30 jul° 2015

Chamada do Estadão, 30 jul° 2015

O distinto leitor já deve ter feito as contas. Se contrair uma dívida de R$ 1.000 em janeiro e não reembolsar, no final do ano estará devendo, só de juros, R$ 3.720. Adicionando os mil que tomou emprestado, terá de desembolsar R$ 4.720 para quitar a dívida. São quase cinco vezes o valor do empréstimo.

Que significa isso? A resposta está lá em cima, no primeiro parágrafo. Qualquer palavra serve. Pode acrescentar mais uma: imoralidade. Já nos tempos bíblicos, penas do inferno eram prometidas a quem ousasse praticar agiotagem.

Carte de credit 3O que me surpreende é que aumentos bem menos percutentes provoquem protestos, passeatas, quebra-quebras, enquanto esse confisco legalizado passa em branco. Será que ninguém pensou, até hoje, em se organizar para pôr de pé uma entidade que se oponha a situação tão indecente?

Gostaria de lembrar aqui um artigo da Constituição da República, dispositivo jamais posto em prática. O parágrafo 3° da alínea VIII do artigo 192 diz textualmente:

Interligne vertical 14Interligne vertical 15«As taxas de juros reais, nelas incluídas comissões e quaisquer outras remunerações direta ou indiretamente referidas à concessão de crédito, não poderão ser superiores a doze por cento ao ano; a cobrança acima desse limite será conceituada como crime de usura, punido, em todas as suas modalidades, nos termos que a lei determinar.»

Que estão esperando os interessados para denunciar evidente e continuado crime de usura?

MasterCard  crédito rotativo na Suíça Taxa de juros: 14,93% ao ano

MasterCard crédito rotativo na Suíça
Taxa de juros: 14,93% ao ano

A título de comparação, é interessante saber que, na Suíça, usuários de crédito rotativo em cartão de crédito pagam 14,93% de juros anuais – o que já é considerado altíssimo.

Ressalve-se que a inflação helvética é nula. Portanto, para garantir aos operadores brasileiros o mesmo nível de ganho, seria necessário levar em conta a inflação. Exagerando, consideremos que seja de 15%. Chega-se a um juro em torno de 30% ao ano. Elevado, mas compatível com o que se pratica no mundo.

Visa, Mastercard, American Express e mais duas ou três empresas monopolizam o mercado planetário. Se 30% são suficientes para manter rentabilidade aceitável em outros países, por que é que, no Brasil, têm de ganhar dez vezes mais?

Não tenho resposta.

Dá-me tua mão

José Horta Manzano

Você sabia?

Fredrik Leifland, estudante da Universidade de Lund (Suécia), estava uma vez numa fila de supermercado. Tinha pressa, mas a fila não andava. Irritado, respirou fundo e decidiu gastar o tempo de espera de maneira útil: imaginando uma solução para acelerar pagamento de compras.

Considerou desenvolver um novo tipo de cartão de crédito. Cogitou utilizar o telefone celular. Imaginou, por fim, dispensar todo objeto intermediário e utilizar a própria mão. Esta última solução pareceu-lhe a melhor. Pôs «mãos à obra» ― sem trocadilhos…

Mão escaneada

Mão escaneada

Um ano mais tarde, segundo noticiou o jornal sueco Sydsvenskan Dagbladet, o sistema estava pronto para os primeiros testes. Apresenta-se em forma de pequeno escâner que varre a palma da mão e analisa a disposição e as características dos vasos sanguíneos.

O desenho formado por veias e capilares de cada indivíduo é pessoal e único, exatamente como a impressão digital. Assim sendo, a maquineta consegue identificar a pessoa e autenticar o pagamento. Uma dúvida surgiu: e se me cortarem a mão e a levarem para fazer um pagamento?

O inventor assegura que, para funcionar, o sistema exige que os vasos sanguíneos pulsem, mostrando que o sangue circula. Portanto, mão morta não serve nem de quebra-galho.

Por enquanto, o uso do novo sistema se restringe à cidade de Lund, na Suécia. Seus utilizadores são principalmente estudantes da universidade local. Não vai ser fácil expandir o negócio. As quatro ou cinco gigantes do ramo de cartões de crédito ― Visa, Mastercard, Amexco ― não hão de estar vendo com bons olhos essa incursão impertinente em seu quintal.

Interligne 18c

Quem quiser assistir a um filminho de 2 minutos mostrando o funcionamento da engenhoca deve clicar aqui. (A propaganda que precede o filme dura 15 segundos).