Por que será?

José Horta Manzano

Quando alguém toma atitude fora dos parâmetros, convém desconfiar. Razões, pode haver muitas. Pode ser para ceder a chantagem, por convicção íntima, por vontade de aparecer. Há outras possibilidades. Vamos aos fatos.

É o Estadão(*) quem dá a notícia. Indusparquet, firma que se apresenta como a maior fabricante de pisos de madeira do país, é ativa na exportação. Algum tempo atrás, um lote de mercadoria sua foi apreendido pelo Ibama. Foi a maior apreensão já registrada no estado de São Paulo. A infração foi punida com multa milionária.

Foi aí que entrou em cena o modo Bolsonaro de gerir a coisa pública. A madeireira foi agraciada com perdão da dívida. Ficou o dito pelo não dito. E desculpe alguma coisa aí, hein! Não admira saber que a firma multiplicou suas exportações para EUA e Europa, nos últimos dois anos, justamente em virtude de produtos feitos de ipê e cumaru.

Se Bolsonaro insiste em liberar a pilhagem da floresta amazônica, não será por nenhuma das razões que mencionei na entrada. Que se saiba, não está sendo vítima de chantagem por parte das madeireiras. Não consta tampouco que faça isso por convicção íntima – convicção de quê? Vontade de aparecer, ele tem, é verdade; mas já aparece demais com a baixaria que sai de sua boca sem precisar aliviar multas.

Não sei como é que fica na cabeça do distinto leitor, mas na minha, espremendo bem, só sobra uma razão a explicar a estranha atitude do doutor. Se ele permite a destruição da floresta para beneficiar uns poucos neandertais, só vejo uma razão possível: ele está muito interessado em agradar a essa gente. É esquisito. Eleitoralmente, não contam. São muito poucos e não pesam na urna. O que é que sobra?

Bem, eu dei a pista. Cada um que tire suas conclusões.

(*) O artigo integral está aqui.

Bolsonaro e o pau no chão

Carlos Brickmann (*)

No início do Governo, a fiscalização encontrou invasores derrubando árvores amazônicas. Usavam aquelas máquinas enormes, com correntes, que arrancam grandes árvores com raiz e tudo, para abrir uma clareira na mata, onde implantariam uma fazenda em terra pública e supostamente preservada. As árvores, ilegalmente abatidas, seriam ilegalmente vendidas.

Os fiscais agiram conforme as normas: puseram fogo nas máquinas, única maneira de desativá-las, já que seria impraticável tirá-las de lá. O presidente Bolsonaro entrou em erupção: na hora, suspendeu a política federal de destruição de máquinas usadas para botar abaixo as árvores.

Dado o sinal de vale-tudo, em pouco tempo começaram os incêndios na Amazônia – havia até um grupo de WhatsApp coordenando as queimadas. Na comoção dos incêndios, que desviou as atenções, os desmatadores foram derrubando árvores. O governo Bolsonaro não pode ver pau em pé; deixa que os grandes troncos beijem o chão, sejam vendidos e só então interfere, para botar a culpa nos países e empresas estrangeiras que compram ilegalmente a madeira ilegalmente abatida. Gringos espertos! São capazes de se entender com os espertos daqui!

Alguém acredita que um jacarandá de 25 metros de altura (um prédio de oito andares) com tronco de 80 cm de diâmetro sumiu sem que ninguém notasse sua viagem para o porto? Um ipê de 40 metros (12 andares de altura!) pode ter entrado escondido no navio ilegal, sem conivência de ninguém? A culpa é só dos gringos? E aqui trabalhamos para preservar a Floresta Amazônica?

(*) Carlos Brickmann é jornalista, consultor de comunicação e colunista.